Revolução Gloriosa (1688)

Juliana Bezerra

A Revolução Gloriosa ocorreu na Inglaterra em 1688.

Foi um movimento impulsionado pelo Parlamento e o príncipe Guilherme de Orange contra a proteção do rei Jaime II à religião católica.

A Revolução Gloriosa é considerada o fim da Revolução Puritana.

Resumo

Os ingleses viviam um período de descontentamento. Desde a ascensão ao trono de Jaime II, em 1685, a Inglaterra passou a ser governada por um rei católico que defendia o absolutismo.

O problema é que o anglicanismo e outras variações da religião protestante já estavam consolidadas na Inglaterra.

O rei Jaime II valorizava o catolicismo em detrimento do protestantismo, pois o considerava uma religião falsa. Assim, numa posição privilegiada, disponibilizou cargos do reino, bem como da Universidade de Oxford, para homens católicos.

Os católicos começaram a ameaçar os protestantes, os quais receavam que a sua crença fosse perseguida.

Igualmente, aqueles que haviam adquirido propriedades pertencentes à Igreja Católica temiam perdê-las, caso o catolicismo fosse restaurado.

Saiba mais:

Restauração Monárquica

Revolução Gloriosa

Alegoria sobre o Novo Estado da Inglaterra junto aos reis Guilherme e Maria

Guilherme Orange, sobrinho e genro do rei Jaime II, era protestante, assim como sua esposa, a princesa Maria. Fiéis a sua crença uniram-se a um grupo de protestantes com o objetivo de destituir o rei inglês e assumir o trono.

Apoiado por um exército, Guilherme Orange invadiu a Inglaterra. O rei Jaime II, por sua vez, ainda faz uma tentativa de manter-se no trono, mas é derrotado na Batalha de Boyne, em 1690.

Desta manira fugiu para a França, onde foi acolhido pelos seus parentes franceses e católicos.

Após a fuga de Jaime II, Guilherme e Maria foram coroados reis da Inglaterra e, posteriormente, da Escócia.

Guilherme receberia o título de Guilherme III da Inglaterra e II da Escócia e assim passou à história como Guilherme III e II. Isto se deve ao fato que Inglaterra e Escócia eram reinos independentes no século XVII.

Consequências

A Revolução Gloriosa propiciou várias mudanças na Inglaterra:

  • A Igreja Anglicana se consolidou como a igreja oficial do Estado;
  • Os católicos foram afastados da vida pública;
  • Outras formas de protestantismo não seriam toleradas.

Igualmente, surgiu uma nova forma de governo - a chamada monarquia parlamentar em detrimento do absolutismo.

Deste modo é aprovado o Bills of Rights (Declaração dos Direitos), documento que garante:

  • o poder do Parlamento frente ao soberano,
  • veto aos católicos ascenderem ao trono e à posições privilegiadas.

Revolução Industrial e Revolução Francesa

A Revolução Gloriosa possui duas características marcantes: a forma pacífica como se desenvolveu e o marco do fim do absolutismo.

Em decorrência do fim do absolutismo e a ascensão do poder da burguesia, algumas décadas depois tem início o processo de Revolução Industrial Inglesa. Desta maneira, se estabelece finalmente a supremacia burguesa.

Cem anos depois da Revolução Gloriosa acontece, por sua vez, a Revolução Francesa. Esta será impulsionada pela burguesia e tinha como um dos objetivos limitar o poder do rei.

A França, tal como a Inglaterra e a Espanha, foi um dos principais países absolutistas. O país também aspirava ao crescimento econômico, enquanto que a rival Inglaterra vivia, justamente, o processo de Revolução Industrial.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.