A Última Ceia de Leonardo da Vinci


A Última Ceia é uma das obras mais emblemáticas do pintor renascentista Leonardo da Vinci (1452-1519). Nela, o artista retrata a última ceia de Jesus Cristo ao lado de seus apóstolos, momentos antes dele ser crucificado.

A Última Ceia

O afresco se encontra na Igreja e Convento Santa Maria Delle Grazie, em Milão, Itália. Ao lado da Mona Lisa esta é uma das obras mais famosas de Leonardo da Vinci.

Até hoje é uma das mais estudadas por especialistas, uma vez que contém diversas mensagens subliminares.

História

A Última Ceia foi produzida entre os anos de 1495 e 1498. O trabalho foi encomendado pelo Duque de Milão, Ludovico Sforza, para adornar a parede da Igreja de Santa Maria Delle Grazie.

Da Vinci passou três anos de sua vida dedicada a ela, e atualmente é considerada uma das obras mais importantes da humanidade. Ele utilizou as técnicas associadas ao afresco e a têmpera.

Na técnica tradicional a tinta é colocada sobre uma parede umedecida. Diferente disso, Leonardo decidiu inovar, e aplicou a tinta numa superfície seca. Porém, a escolha dessa nova técnica resultou numa deterioração mais acelerada da obra.

A Última Ceia

Com o passar do tempo, a obra sofreu grandes deteriorações, sobretudo por ataques ocorridos na Segunda Guerra Mundial. Diante disso, ela foi restaurada diversas vezes.

Segundo a Bíblia, a obra retrata o momento em que Jesus revela seu traidor. A passagem é de João 13:21:

Tendo Jesus dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há de trair.
Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele falava.
Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus.
Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse quem era aquele de quem ele falava.
E, inclinando-se ele sobre o peito de Jesus, disse-lhe: Senhor, quem é?
Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão.
E, após o bocado, entrou nele Satanás. Disse, pois, Jesus: O que fazes, faze-o depressa.
E nenhum dos que estavam assentados à mesa compreendeu a que propósito lhe dissera isto
.”

Análise da Obra

Com grande realismo, simetria e perfeição, Da Vinci usou a técnica do ponto de fuga, que causa profundidade na obra. Essa técnica esteve muita difundida no Renascimento, sendo uma das suas principais características.

Jesus está no centro da mesa e em cada lado da figura estão seis de seus apóstolos, totalizando os doze: Pedro, João, Tiago (filho de Zebedeu), Tiago (Filho de Alfeu), André, Mateus, Bartolomeu, Simão Zelote, Felipe, Tomé, Judas Tadeu e Judas Iscariotes.

Na extensa mesa encontram-se água, vinho, laranja, pão e peixe. No entanto, o Santo Graal, o cálice sagrado de Jesus, não aparece, embora seja um artefato importante na cena.

A despeito de ter sido um retrato do momento em que Jesus aponta seu traidor (Judas Iscariotes), no rosto dele podemos notar certa serenidade.

Já em relação aos apóstolos podemos ver o contrário, ou seja, uma indignação e desordem. Isso é perceptível pelos gestos e movimentos de cada um deles.

Sendo assim e mediante grande maestria do artista, Da Vinci conseguiu revelar todas as reações emocionais e físicas de cada um dos personagens.

Curiosidades sobre A Última Ceia

  • O mural tem como dimensões 460 cm x 880 cm e também é chamado de "Santa Ceia".
  • Em Milão, a obra encontra-se numa sala dedicada as refeições de monges do Monastério da Igreja de Santa Maria Delle Grazie.
  • Nenhuma das pessoas retratadas na obra possui auréolas, nem mesmo Jesus. Isso denota a ideia de Da Vinci de representar sujeitos comuns.
  • Ela pode ser visitada mediante compra de ingresso, embora tenha que ser feito com meses de antecedência, pois a visitação é muito concorrida.
  • Algumas teorias apontam que na cena está Maria Madalena, ao lado direito de Jesus Cristo, ao invés de seu apóstolo João. Nessa representação podemos notar diversos aspectos femininos.
  • Outras teorias também apresentam a questão da faca segurada por Pedro que, para alguns, está ameaçando diretamente Maria. E ainda, de um suposto bebê que está sendo segurado por Judas Iscariotes.
  • O livro "O Código Da Vinci" (2003) de Dan Brown aponta para vários mistérios relacionados com essa obra. Um deles é a suposta união entre Maria Madalena e Jesus Cristo, além do filho que nasceu dessa relação. Certamente, o livro recebeu diversas críticas de religiosos. Em 2006, foi lançado um filme dirigido por Ron Howard e baseado na obra de Dan Brown.

Leia também: