Assoreamento dos Rios


O assoreamento é um fenômeno natural que já ocorre há milhares de anos, o qual interfere no curso dos rios, córregos e lagoas, entretanto, a ação humana tem intensificado muito o desenvolvimento desse processo.

O assoreamento das águas ocorre a partir da presença de sedimentos (solo, lixo, entulho, esgoto) que escoam com as chuvas ou ventos e são depositados nos fundos dos rios, consequência da falta de vegetação nas margens dos rios (mata ciliar), o que lhe causa danos, que muitas vezes se tornam irreversíveis, tal qual a perda de espécies ou do próprio curso de água.

A mata ciliar recebe esse nome, uma vez que se compararmos os cílios dos olhos humanos, veremos que elas possuem uma função primordial: a proteção; assim, da mesma maneira, as matas ciliares protegem os rios e as lagoas na medida que estão localizadas próximas às nascentes, e auxiliam na diminuição do impacto dos processos erosivos.

Essa vegetação nativa ribeirinha possuem uma importância biológica, pois evitam a erosão fluvial de forma que asseguram o curso normal das águas, funcionando como uma barreira, obstáculo e filtro, na medida que impedem a entrada sedimentos nos rios, conservando o solo de suas margens.

Assim, esse solo é arrastado formando um grande banco de areia no fundo dos rios ou lagos, resultando no alargamento dos rios, diminuindo assim, sua vazão e sua profundidade. Além disso, a água fica mais turva o que impossibilita a entrada de luz, dificultando a reprodução de diversas espécies.

Não obstante, nos últimos anos, o processo acelerado de desmatamento (no geral realizado para atividades agrícolas ou pecuaristas) tem impactado diretamente o meio ambiente, donde a vegetação removida das margens dos rios são uma das mais afetadas, o que leva ao processo de erosão das áreas próximas.

Não obstante, para que o processo de assoreamento diminua é necessário que as matas ciliares sejam preservadas e cultivadas evitando, dessa maneira, o assoreamento das águas. Além disso, a introdução de projetos de conscientização da população e das indústrias a fim de alertar os devidos locais para o lançamento do lixo domésticos e industriais.

Para os rios que já sofrem com o fenômeno, processos de "desassoreamento" são capazes de aumentar a vazão dos rios, na medida que se utilizam técnicas de drenagem, as quais retiram do fundo das águas o acúmulo de sedimentos.

Note que esse fenômeno está intimamente ligado à erosão posto que está baseada na desagregação das rochas e do solo, os quais são empurrados para os rios e lagos, causando um grande depósito de sedimentos levando ao fenômeno do assoreamento, o qual afeta o curso natural de suas águas. Isso prejudica a reprodução de diversas espécies, levando muitas vezes, a extinção. Além disso, a área fica afetada no sentido de impedir a navegação e inúmeras vezes responsável por diversas enchentes urbanas.​

Para saber mais: Erosão e Desmatamento

Assoreamento do Rio São Francisco

O Rio São Francisco, popularmente chamado de “Velho Chico”, liga o Centro Sul ao Nordeste do país e tem sido pauta dos ambientalistas visto que o processo de assoreamento vem acarretando diversos problemas, desde dificuldade da reprodução de animais e até mesmo a navegação, importante para o transporte, seja de pessoas ou de materiais. Fatores como a falta de chuvas, desmatamento acelerado e excesso de poluição, dificultam notadamente o trajeto entre Petrolina (Pernambuco) e Juazeiro (Bahia).

Estudos realizados recentemente pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) apontam que a queda no volume total do rio chegou a 35%, nos últimos 40 anos e, além disso, nas últimas décadas, foi o rio que mais perdeu água em toda América Latina.

Para saber mais: