Auxinas

Lana Magalhães

As auxinas são os hormônios vegetais mais importantes. Elas apresentam efeitos em diversas funções fisiológicas das plantas.

Charles Darwin foi o precursor da descoberta das auxinas, quando estudou o fototropismo em alpiste.

Os estudos de Darwin e de outros pesquisadores demonstraram que o crescimento em curvatura em resposta à luz era influenciado por uma substância química produzida no ápice do coleóptilo. Esse fato, culminou com a descoberta da auxina, em 1926, pelo holandês Fritz Went.

Pelo fato da substância promover o alongamento de células do coleóptilo, foi denominada de auxina, palavra derivada do grego que significa “crescer”.

Apenas na década de 1930, os pesquisadores identificaram a auxina como sendo o ácido indolacético (AIA). O ácido indolacético é a auxina natural mais encontrada nos vegetais.

Características da Auxinas

Em geral, a produção de auxinas está associada com os locais de divisão celular rápida. A maior produção de auxinas ocorre no meristema apical do caule, nas folhas jovens, nos frutos em desenvolvimento e em sementes.

Do mesmo modo que as auxinas, as giberelinas, também hormônios vegetais, controlam vários aspectos do crescimento e desenvolvimento das plantas.

As auxinas sintéticas, produzidas em laboratórios, promovem efeitos fisiológicos parecidos com os das auxinas naturais. Elas também podem ser usadas como herbicidas.

Quanto ao transporte, as auxinas movem-se do ápice para a base dos vegetais, ou seja, do ápice da parte aérea para a raiz (transporte polar). A auxina é o único hormônio vegetal transportado desta forma.

Saiba mais sobre Hormônios Vegetais.

Efeitos das auxinas na fisiologia vegetal

O efeito das auxinas depende da sua concentração e do local onde atua. De modo geral, várias atividades fisiológicas são controladas pelas auxinas. Saiba as principais:

Divisão Celular: As auxinas estimulam a proliferação da grande maioria de tipos de células.

Alongamento Celular: As auxinas atuam sobre a parede celular do vegetal, promovendo sua distensão e consequentemente, o alongamento celular. Essa função promove o crescimento das partes da planta.

Dominância Apical: Corresponde ao crescimento da gema apical e inibição do desenvolvimento das gemas laterais. A auxina pode agir como substituto para a dominância apical, por manter a inibição de gemas laterais. Quando o ápice caulinar é podado, elimina-se a produção de auxinas e as gemas laterais se desenvolvem formando novos ramos.

Crescimento de raízes, flores e frutos: A auxina estimula o desenvolvimento de raízes adventícias em caules.

O crescimento dos frutos é estimulado pela auxina liberada pelas sementes em formação.

Partenocarpia: Corresponde ao desenvolvimento de frutos na ausência de polinização e fertilização. Os frutos formados são chamados de partenocárpicos e não possuem sementes.

Essa situação também pode ser realizada artificialmente. Alguns agricultores, retiram os estames das flores e aplicam auxinas nos ovários. Assim, obtêm frutos sem sementes. É uma prática comum em uvas, mamão, melancias e tomates.

Fototropismo: Corresponde ao crescimento das plantas orientado em direção ao estímulo luminoso.

A ação das auxinas nos vegetais é influenciada pela luz. A luz provoca a migração da auxina para o lado mais escuro ou sombreado da planta. Nessa região, a auxina promove o alongamento celular e crescimento vegetal.

Leia também:

Fototropismo
Tropismos
Geotropismo

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.