Causas da Primeira Guerra Mundial

Juliana Bezerra

A Primeira Guerra Mundial teve início no dia 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918, com a rendição alemã.

O estopim foi o assassinato do herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro que arrastou as nações para a guerra por conta de tratados de amizade e defesa.

Antecedentes

Desde o final do século XIX, a Europa vivia um clima de insegurança. Por esta razão foi criado um sistema de alianças e acordos que dividia o continente em dois blocos, a fim de garantir proteção e apoio militar mútuo em caso de guerra:

Triplice Aliança
Países da Tríplice Aliança e da Tríplice Entente

Fatores Determinantes da Primeira Guerra Mundial

  • Morte do herdeiro do trono austríaco Francisco Fernando e sua esposa, no dia 28 de junho de 1914;
  • Progresso do capitalismo e consequentes problemas sociais do proletariado urbano e dos trabalhadores pobres em geral;
  • O imperialismo e o colonialismo gerados pelo extraordinário crescimento industrial que acirrava os choques de interesse econômico e político entre as potências industrializadas;
  • O expansionismo alemão e a transformação da Alemanha na maior potência industrial da Europa, fizeram brotar contra ele uma rivalidade na França, Inglaterra e Rússia;
  • O antigermanismo francês, em consequência da Guerra Franco-Prussiana (1870-1871), na qual a França foi derrotada e obrigada a entregar para os alemães as regiões de Alsácia e Lorena, esta última rica em minério de ferro;
  • A rivalidade russo-germânica, causada pela pretensão alemã de construir uma estrada de ferro ligando Berlim a Bagdá. A Rússia reagiu, pois a estrada ligaria a Alemanha ao Oriente Médio, rico em petróleo e possuidor de um atraente mercado consumidor, além de passar por regiões onde os russos pretendiam aumentar sua influência;
  • O antigermanismo inglês, resultado da concorrência industrial alemã. À vésperas da guerra os produtos alemães e ingleses concorriam em mercados que até então haviam sido dominados exclusivamente pela Inglaterra. Quando os produtos alemães começaram a penetrar na própria Inglaterra, a burguesia industrial e financeira inglesa, passou a alimentar a ideia de que a Alemanha deveria ser contida.

Contexto Histórico

Na década que antecedeu a Primeira Guerra Mundial, a Península Balcânica vivia em eterno conflito.

O Império Austro-Húngaro, composto de povos de diferentes nacionalidades, sentia-se ameaçado pelas manifestações nacionalistas de suas minorias étnicas, principalmente dos tchecos e dos eslavos do sul.

Os sérvios pretendiam formar a Grande Sérvia, que englobaria a Bósnia e a Herzegóvina, e todos os povos eslavos que viviam em regiões dominadas pela Áustria. Para os austro-húngaros, a Sérvia era uma ameaça e deveria ser eliminada.

Outra grande ameaça para o Império Austro Húngaro era o Império Russo. Esta nação eslava, que defendia a ideia de que tinham a missão de libertar os eslavos do domínio dos turcos e dos austríacos.

Primeira Guerra Mundial
Alemanha, França, Áustria-Hungria,Rússia e Reino Unido sentados no caldeirão "Problemas dos Balcãs" que está prestes a explodir

Por sua vez, a Rússia tinha tratados de amizade e defesa com a Sérvia, que garantiam a intervenção do Império caso ela fosse atacada. Com este acordo, a Rússia também pretendia impor monopólios comerciais na região.

Em 1908, a Áustria anexou a Bósnia e a Herzegóvina frustrando as pretensões da Sérvia. A região entra em sucessivas guerras internas e a partir daí aceleraram-se os passos rumo à guerra mundial que se conhecerá a partir de 1914.

Com o assassinato do herdeiro do trono austríaco e sua esposa, o Império Austro-Húngaro dá um ultimatum à Sérvia. O Império exige participar do tribunal que julgaria o culpado, o estudante Gavrilo Princip.

A Sérvia não aceita esta condição e o Império Austro-Húngaro declara guerra ao país fazendo girar a complexa engrenagem de acordos e tratados das nações europeias. Dentro de um ano, as colônias europeias também estariam envolvidas no conflito.

Assim, vemos que a morte do arquiduque Francisco Ferdinando e sua esposa Sofia, foi um pretexto para a explosão de um conflito que poderia ser limitado às duas nações.

No entanto, envolveu as grandes potências imperialistas e seus aliados, entre 1914 e 1918.

Questões de Vestibular

1. (Unesp) A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) resultou de uma alteração da ordem institucional vigente em longo período do século XIX. Entre os motivos desta alteração, destacam-se:

a) a divisão do mundo em dois blocos ideologicamente antagônicos e a constituição de países industrializados na América.
b) a desestabilização da sociedade europeia com a emergência do socialismo e a constituição de governos fascistas nos países europeus.
c) o domínio econômico dos mercados do continente europeu pela Inglaterra e o cerco da Rússia pelo capitalismo.
d) a oposição da França à divisão de seu território após as guerras napoleônicas e a aproximação entre a Inglaterra e a Alemanha.
e) a unificação da Alemanha e os conflitos entre as potências suscitados pela anexação de áreas coloniais na Ásia e na África.

Letra E

e) a unificação da Alemanha e os conflitos entre as potências suscitados pela anexação de áreas coloniais na Ásia e na África.

2. (Mackenzie) Dentre as causas da Primeira Grande Guerra, destaca-se a questão balcânica, que pode ser associada:

a) à formação de novas nacionalidades, como a Iugoslava sob a tutela da Alemanha.
b) às disputas coloniais na Ásia e na África entre a França e a Inglaterra.
c) ao interesse russo em abrir os estreitos de Bósforo e Dardanelos, o nacionalismo eslavo e ao temor austríaco quanto à formação da Grande Sérvia.
d) às desavenças entre o Império Austro-Húngaro e a Inglaterra ligadas à anexação da Bósnia-Herzegovina.
e) ao assassinato do Príncipe Herdeiro, Francisco Ferdinando, e as questões pendentes relacionadas ao Tratado de Brest-Litowsky e o desmembramento da Áustria-Hungria.

Letra C

c) ao interesse russo em abrir os estreitos de Bósforo e Dardanelos, o nacionalismo eslavo e ao temor austríaco quanto à formação da Grande Sérvia.

Leia também:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.