O Brasil na Primeira Guerra Mundial

Juliana Bezerra

A participação do Brasil na Primeira Guerra Mundial foi estabelecida em abril de 1917, após os alemães terem afundado navios brasileiros.

Seis meses depois, o Brasil declarava guerra ao Império Alemão e mandou enfermeiras, médicos e aviadores que fizeram missões de observação no Mar Mediterrâneo.

Contexto Histórico

Quando a Primeira Guerra Mundial foi deflagrada em 28 de julho de 1914 e o Brasil adotou uma postura neutra em 4 de agosto de 1914. A posição brasileira seguiu a decisão dos EUA, que também declarou a neutralidade na primeira fase do combate.

A atitude brasileira refletia a tendência diplomática iniciada com o marechal Hermes da Fonseca (1850 - 1923) à frente do Ministério da Guerra.

Havia um intenso intercâmbio político e comercial entre Brasil e Alemanha. O Brasil enviava oficiais brasileiros para servirem no Exército alemão, que era considerado o mais bem preparado e organizado da época. Por sua parte, o governo brasileiro adquiria armas de empresas alemãs.

Brasil na Primeira Guerra
O presidente Wenceslau Braz assina a declaração de guerra à Alemanha.

Além disso, o país contava com uma quantidade considerável de imigrantes alemães no sul do país. Assim sendo, o Brasil entendeu que não havia motivo para se envolverem no conflito europeu.

Leia mais Primeira Guerra Mundial

Declaração de Guerra à Alemanha

A mudança de postura começou em 11 de abril de 1917, após um submarino alemão torpedear e afundar o navio brasileiro Paraná. Diante disso, o Brasil rompeu relações diplomáticas com a Alemanha.

Em maio daquele ano, mais dois navios comerciais brasileiros foram torpedeados próximo ao litoral da Europa, o "Tijuca" e o "Lapa".

O afundamento das embarcações causou enorme comoção popular e a opinião pública via com bons olhos a declaração de guerra à Alemanha.

Como resposta, o Brasil confiscou 45 navios mercantes que estavam ancorados em portos nacionais.

Os alemães fariam um ataque ao cargueiro "Macau", e a prenderiam um comandante brasileiro na costa da Espanha. Por conseguinte, em 26 de outubro de 1917, o país adotou uma posição beligerante.

Em estado de guerra, o governo brasileiro proibiu aos alemães do país qualquer tipo de comércio com o exterior.

O presidente Wenceslau Braz sancionou a Lei da Guerra, em 16 de novembro de 1917. Entre outras retaliações foram cassadas as licenças que permitiam o funcionamento de bancos e companhias de seguros pertencentes a alemães.

Brasil na Primeira Guerra
Cartaz de propaganda do governo brasileiro a favor da guerra.

Participação

O Brasil foi o único país da América do Sul a entrar na guerra na condição de combatente. Os governos da Bolívia, Equador, Uruguai e Peru limitaram-se a romper relações diplomáticas com a Alemanha.

Já o Chile, o México, Venezuela, Paraguai e Argentina permaneceram neutros.

Em guerra, o Brasil enviou para combate em 16 de maio de 1918, uma divisão naval com embarcações do Rio Grande do Sul, Bahia, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e Santa Catarina.

O Brasil também auxiliou em combates aéreos realizando missões de reconhecimento e na ajuda médica a soldados feridos.

O governo do presidente Delfim Moreira mandou uma delegação para atuar na Conferência de Paz, realizada em Versalhes em 1919. Ali seria assinado o Tratado de Versalhes.

O Brasil pedia compensações financeiras pelas perdas das embarcações afundadas. Como indenização conseguiu que os navios alemães confiscados durante a guerra passassem ao Estado brasileiro.

Também participou da implantação da Liga das Nações, precursora da ONU (Organização das Nações Unidas).

Leia mais:

Primeira Guerra Mundial - Resumo

Causas da Primeira Guerra Mundial

Consequências da Primeira Guerra Mundial

Fases da Primeira Guerra Mundial

Principais Batalhas da Primeira Guerra Mundial

Guerra de Trincheiras

Tríplice Aliança

Tríplice Entente

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.