Danças Africanas

Daniela Diana

As danças africanas integram a extensa cultura do continente e representam uma das muitas maneiras de comunicação cultural.

Danças AfricanasApresentação de Dança Africana em Porto Elizabeth, África do Sul

Características

As danças africanas são realizadas em ocasiões importantes. Destacam-se as cerimônias em rituais de passagem, nascimento, casamento, morte, colheita, guerra, alegria, tristeza, exorcismo, doenças e agradecimentos.

Entre os pontos comuns na dança da maioria dos povos africanos estão a organização em círculos, semicírculos ou fileiras.

Além disso, tem como característica marcante a participação de todos, independente da idade ou escala social na comunidade.

A dança é acompanhada pelo som de instrumentos de percussão e batuques de tambores.

Do estilo africano de manifestar a dança evoluíram ritmos hoje bastante conhecidos pelo brasileiro, como a capoeira e o próprio samba.

Dança e Religião

Na visão da maioria dos povos africanos, a dança é uma importante fonte de conexão religiosa. Nela, o corpo é o instrumento de ligação com o mundo dos espíritos.

Há a crença de que, dependendo do ritual, a dança deve ser executada com os pés descalços para promover a ligação do espírito com a terra.

O ritmo é considerado elemento de passagem para o mundo espiritual para onde o participante é levado após um transe.

Tipos de Danças Africanas

Entre os muitos ritmos de cariz africano, podem ser destacados: o ahouach, o guedra, o schikatt, a gnawa, a kizomba e o semba.

Ahouach

O ahouach é dançado coletivamente ao ritmo de berbere e representa a unidade da comunidade.

A coreografia é executada com o sacolejo dos corpos de bailarinos que carregam pesadas joias talhadas em pedra e âmbar.

O acompanhamento é feito por instrumentos como flautas e tambores confeccionados em pele de cabra. Em geral, é executada no centro e no sul da África.

Guedra

Comum no Marrocos, o guedra é caracterizado pelo toque de tambores a embalar bailarinos trajados de azul e branco.

Schikatt

Também de origem marroquina, o schikatt é semelhante à dança flamenca. Nesse ritmo, os bailarinos revelam movimentos com influência oriental e árabe.

Adornadas de véus coloridos que cobrem todo o corpo, as bailarinas também se cobrem de joias enquanto balançam sob o som de palmas e instrumentos de percussão. Essa é a dança erótica da mulher do Marrocos.

Gnawa

O gnawa é uma dança ritualística que marca a passagem de um mundo para outro.

Vestidos de branco, os bailarinos simulam a presença do deus Hadra, que é trazido para a Terra. Sob o som de tambores e palmas, são executados movimentos acrobáticos.

Kizomba

O kizomba está entre os ritmos que mais demonstram a dinâmica intercultural das danças africanas. Ganhou adeptos no Brasil e, principalmente, Portugal, com várias academias de dança especializadas em ensinar o ritmo aos europeus.

Essa dança celebra a felicidade e a confraternização. Oriundo de Angola, o kizomba espalhou-se por todo o continente africano. Exibindo movimentos suaves e rítmicos, é cantada em crioulo e português.

Semba

Também de influência angolana, o semba é dançado em pares e tem a finalidade de divertir.

É dançado em festas e confraternizações, onde os bailarinos se colocam em pares e executam passos marcados por sensualidade e malabarismo.

Leia também:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.