França Antártica


A França Antártica representou uma colônia francesa no período do Brasil Colonial durante 1555 a 1560, no local que atualmente corresponde à cidade do Rio de janeiro.

Contexto Histórico: Resumo

Com a expansão comercial marítimo europeia dos séculos XV e XVI, alguns acordos foram feitos para que as terras conquistadas por portugueses e espanhóis (Península Ibérica), ficassem protegidas das invasões.

Um exemplo notório, foi o Tratado de Tordesilhas, firmado em 1494, uma vez que Cristóvão Colombo, enviado pela Corte Espanhola, já havia chegado à América em 1492; e os portugueses, pioneiros na expansão marítimo europeia, chegariam 8 anos depois, empenhados em conquistar e explorar os territórios encontrados.

Não obstante, outros países europeus ficaram insatisfeitos por não estarem inclusos nos tratados e divisão de terras (Tordesilhas e Bula Inter-coetera) e resolveram participar da expansão a fim de conquistar territórios além-mar.

No Brasil, além de sofrerem hostilidade dos índios, os portugueses entraram em confronto com holandeses e franceses, os quais ocuparam o território entre os anos de 1555 e 1624.

Para muitos historiadores, os portugueses chegaram as terras brasileiras, por “um acaso” posto que estavam a caminho das Índias.

Um fato curioso é que as culturas que aqui habitavam antes da chegada dos portugueses foram denominadas de “índios”, decorrente do erro que cometeram.

Por outro lado, há historiadores que creem que os portugueses já haviam pisado em terras brasileiras e enviado informações para a colônia a respeito das terras, materiais e as pessoas que aqui estavam.

De qualquer forma, foi com Pedro Álvares Cabral, encarregado pelo rei D. Manuel I de Portugal, e sua esquadra composta por 13 naus, com mais de mil homens, o marco inicial de exploração e conquista das terras brasileiras.

Junto à ele estava o escrivão Pero Vaz de Caminha, encarregado de enviar informações para à Coroa sobre o local, as culturas, as pessoas, dentre outras informações.

Para tanto, Caminha escreveu uma carta, em 1° de maio de 1500, sendo o primeiro documento redigido no Brasil e, por esse motivo, é considerado o marco literário do país.

Saiba sobre o tema com a leitura dos artigos:

França Antártica e França Equinocial

Sabemos que o encontro entre portugueses e indígenas não foi amistoso uma vez que os portugueses, antes de aproveitarem da mão de obra escrava que chegava da África, utilizaram os índios como escravos, o que gerou enorme descontentamento das tribos, de forma que alguns fugiam, morriam e outros cometiam suicídio.

Com isso, após o período pré-colonial (1500-1530) os portugueses resolveram implementar um sistema administrativo-político (capitanias hereditárias e governo geral) para facilitar a ocupação e exploração do território e, com isso, impedir as invasões estrangeiras sobretudo, de franceses e holandeses.

Nesse ínterim, vale notar que na França, os conflitos entre huguenotes (protestantes) e católicos aumentavam, o que resultou na fuga de muitos protestantes, os quais estavam sendo perseguidos pela Igreja.

Desse modo, comandada por Nicolau Durand Villegaignon e o Almirante Gaspar Coligny, os franceses chegaram ao Brasil em 1555, na atual cidade do Rio de Janeiro, ocupando os territórios ainda não explorados pelos portugueses, a saber: Baía de Guanabara, Laje, Uruçu-mirim (atual Flamengo) e as ilhas de Serigipe (atual Villegaignon) e Paranapuã (atual ilha do Governador). Foi daí, que surgiu a França Antártica.

Um fator importante que firmou os franceses no território brasileiro foi a relação amistosa que estabeleceram entre os índios Tamoios e Tupinambás, os quais se tornaram seus aliados e possuíam o mesmo objetivo: eliminar os portugueses.

A Confederação dos Tamoios representou a união entre os franceses e os Tupinambás, dispostos a expulsarem os portugueses.

No entanto, em 1560 os franceses foram expulsos pelos portugueses no confronto comandado pelo terceiro governador geral do Brasil, Mem de Sá, num decisivo ataque ao forte de Coligny, erigido na ilha de Serigipe, no Rio de Janeiro, o qual serviria de base econômica (exploração do pau-brasil) e militar dos franceses.

Mem de Sá permaneceu no cargo de governador geral de 1558 a 1572, ano de sua morte. Após esse evento, o país foi dividido em dois polos, norte (capital Salvador) e sul (capital Rio de Janeiro), fortalecendo ainda mais a presença lusitana na colônia.

Entretanto, os franceses resolveram ocupar o território de São Luís do Maranhão, na região nordeste do país, fundando a colônia denominada “França Equinocial”, em março de 1612 comandados por Daniel de La Touche.

Com o passar do tempo, expandiram o território que passou a compreender o litoral maranhense, até o norte do atual estado do Tocantins.

A França Equinocial permaneceu durante 3 anos no território, até 1615, quando foram expulsos definitivamente do território brasileiro, combate liderado pelo administrador português, Jerônimo de Albuquerque.

Para ampliar seus conhecimentos sobre o tema, veja também os artigos: