Noite das Garrafadas

A "Noite das Garrafadas" representou uma revolta ocorrida em 1831 no Rio de Janeiro, durante o período do Brasil Império (1822-1889). De um lado estava o grupo que apoiava Dom Pedro I, em grande maioria portugueses, e de outros, os liberais brasileiros insatisfeitos com seu governo, os quais exigiam maior liberdade política, administrativa e de imprensa.

Além de fatores como o autoritarismo do monarca, a censura, o fechamento da Assembleia Nacional Constituinte, a Constituição em 1824 e a influência político-administrativa lusitana no país, o estopim para o desenvolvimento do confronto aconteceu no momento em que o jornalista liberal italiano Lídero Badaró foi misteriosamente assassinado, na cidade de São Paulo, em 1830.

Badaró representava uma das figuras que criticava o autoritarismo de Dom Pedro I e seu governo imperial nos periódicos de divulgação de ideias liberais: o "Farol Paulistano" e o "Observador Constitucional". Com isso, a população se reúne e decide pôr fim ao governo do monarca, considerado um dos confrontos mais importantes, antes da abdicação de Dom Pedro I, que deixa o cargo pouco depois.

O nome da revolta, “Noite das Garrafadas” está associado aos objetos utilizados pelos grupos inimigos, ou seja, cacos de vidros e garrafas, uma vez que os liberais aproveitaram uma festa que estava sendo preparada, para Dom Pedro I, sobretudo por portugueses, quando o imperador chegasse ao Rio de Janeiro.

Para saber mais: Brasil Império.

Resumo

Após a Independência do Brasil, proclamada dia 7 de setembro do ano de 1822, por Dom Pedro I, o país passava por diversas dificuldades econômicas, e sendo ele um português, levantava ainda mais suspeitas e insatisfações por parte da população que, de certo modo, duvidavam de seus reais interesses com o Brasil.

Um dos fatores que desagradou a população e levou a instabilidade de seu governo foi a derrota das tropas enviadas à região da Cisplatina por D. Pedro I, confronto que resultou na perda do território do Uruguai.

Além disso, houve a morte misteriosa do jornalista italiano radicado no Brasil, Libero Badaró em 20 de Novembro de 1830. Outros, com medo de uma “recolonização” lusitana no país, juntaram-se aos liberais e foram às ruas, unindo-se à população eufórica que lutava com objetos de vidros, pedaços de pau e garrafas (fato curioso que deu nome à revolta).

Esse confronto entre brasileiros e portugueses ocorreu logo após a chegada de D. Pedro I ao Rio de janeiro, o qual retornava de uma visita à cidade mineira de Ouro Preto, fato que confirmou sua baixa popularidade posto que os mineiros o receberam com hostilidade, e os políticos com faixas pretas, indicando o luto contra seu governo.

A despeito de ser conhecido por somente uma noite de confronto, o evento ocorreu de 11 a 15 de março de 1831, o que indicou a vitória dos liberais, com a abdicação de D. Pedro I menos de um mês depois, no dia 07 de abril de 1831, passando o trono para seu filho, Pedro de Alcântara ou D. Pedro II, na época com cinco anos de idade.

No início do governo de Pedro II do Brasil foi necessário eleger uma regência imperial que governasse em seu lugar, até que ele atingisse a maioridade. Assim, foi Coroado aos 15 anos de idade, em 1841 sendo o segundo e último monarca do Império do Brasil, que governou o país por quase 50 anos.

Para saber mais: Independência do Brasil e Guerra da Cisplatina