Norte da África

Juliana Bezerra

O Norte da África, África do Norte ou África Setentrional, é formado por sete países: Argélia, Egito, Líbia, Marrocos, Sudão, Sudão do Sul e Tunísia.

Ali se localiza o segundo maior deserto do mundo, o Saara, que tem aproximadamente 9 milhões de km2 de extensão.

Vale lembrar que o continente africano se divide em 54 países distribuídos em cinco regiões:

  • África Setentrional (Norte da África ou África do Norte)
  • África Ocidental
  • África Central
  • África Oriental
  • África Meridional

Mapa

Veja no mapa abaixo onde se localizam os países do Norte da África:

Norte da África

Dados Gerais

  • Fronteiras: Mar Mediterrâneo, Oceano Atlântico e Espanha (Marrocos).
  • Religião predominante: Islamismo.
  • Maior país em extensão territorial: Argélia.
  • Menor país em extensão territorial: Tunísia.
  • País mais populoso: Egito.
  • País mais industrializado: Egito.
  • Economia: Agrícola, agropecuária, turística e petrolífera.
  • Independência: Argélia - 5 de julho de 1962; Egito - 22 de junho de 1952; Líbia - 1 de janeiro de 1952; Marrocos - 2 de março de 1956; Sudão - 1 de janeiro 1956; Sudão do Sul - 9 de julho de 2011; Tunísia - 20 de março de 1956.

Argélia

Bandeira da Argélia

  • Capital: Argel
  • Extensão territorial aproximada: 2.381.740 km²
  • Idioma: Árabe, berbere e francês
  • Moeda: Dinar argelino
  • População: 39.928.947

A história da Argélia remonta há dois mil anos antes de Cristo, altura em que a sua região foi disputada pela civilizações ocidentais.

Juntaram-se fenícios e cartagineses para combater as invasões, até que ela é invadida pelos romanos.

Com a queda do império romano, séculos depois a Argélia é ocupada pelos vândalos, os quais destroem o que os anteriores haviam construído.

Após a expansão árabe, é a vez da França invadir o país e a torna sua colônia no período compreendido entre 1830 e 1962. A independência da Argélia, em relação a França, data de 5 de julho de 1962 e foi conseguida através de uma sangrenta guerra.

Egito

Bandeira do Egito

  • Capital: Cairo
  • Extensão territorial aproximada: 1.001.450 km²
  • Idioma: Árabe
  • Moeda: Libra egípcia
  • População: 83.386.739

O Egito carrega uma das mais antigas histórias do mundo, que remonta há cerca de oito mil anos antes de Cristo.

Elementos de sua cultura são heranças que sobrevivem até nossos dias, especialmente a escrita e a construção das pirâmides.

O povo egípcio se destacou no desenvolvimento da Matemática, da Medicina e da Astronomia.

Os egípcios se tornaram uma referência a nível cultural e comercial. Seu declínio começou e se acentuou no final do século XX a partir da criação do Estado de Israel, em 1948.

Leia mais:

Líbia

Bandeira da Líbia

  • Capital: Trípoli
  • Extensão territorial aproximada: 1.759.540 km²
  • Idioma: Árabe
  • Moeda: Dinar
  • População: 6.253.452

A Líbia foi também conquistada pelos romanos e depois invadida pelos árabes. Chegou a ser colônia italiana, o que propiciou melhorias para o país. A independência da Líbia foi conquistada em 1 de janeiro de 1952.

A exploração do petróleo, descoberto no final da década de 50, despoletou o início de conflitos. Foi a partir daí que a Líbia tentou se unir a outros países, sem sucesso.

Assim como o Egito, a Líbia está no centro dos conflitos que tiveram início em 2010 na Tunísia, movimento que é conhecido como Primavera Árabe.

Marrocos

Bandeira do Marrocos

  • Capital: Rabat
  • Extensão territorial aproximada: 446.550 km²
  • Idioma: Árabe, francês e espanhol
  • Moeda: Dirham
  • População: 33.492.909

Antes dos espanhóis e dos franceses dividirem o país, Marrocos esteva nas mãos dos berberes, dos cartagineses, dos romanos, dos vândalos e dos bizantinos.

Marrocos foi colônia espanhola, bem como francesa, e no dia 2 de março de 1956, Espanha e França reconheceram a sua independência. O país reivindica o território do Saara Ocidental, antiga possessão espanhola.

A economia de Marrocos é regida especialmente pela atividade turística.

Sudão

Bandeira do Sudao

  • Capital: Cartum
  • Extensão territorial aproximada: 1.861.484 km²
  • Idioma: Árabe
  • Moeda: Libra sudanesa
  • População: 38.764.090

A independência do Sudão, que era colônia britânica, data de 1 de janeiro 1956. Antes, porém, o Egito o havia conquistado.

Em 2011, o Sudão do Sul se tornou independente. Até esse ano, o Sudão era o maior país do continente africano, mas perdeu esse estatuto em virtude da sua divisão que deu origem ao Sudão do Sul.

O Sudão e o Sudão do Sul vivem em guerra civil, de modo que se trata de um país bastante instável a nível de segurança.

Sudão do Sul

Bandeira do Sudão do Sul

  • Capital: Juba
  • Extensão territorial aproximada: 644.329 km²
  • Idioma: Inglês e Árabe
  • Moeda: Libra sul-sudanesa
  • População: 11.738.718

Rico em petróleo, o Sudão do Sul, também conhecido como “Novo Sudão” - em virtude da divisão com o Sudão em 2011 - é um dos países mais precários do mundo.

Lá se convive com a escassez de alimento, de atendimento médico, falta de escolaridade, alto índice de mortalidade infantil, entre outros.

Tunísia

Bandeira da Tunísia

  • Capital: Tunes
  • Extensão territorial aproximada: 163.610 km²
  • Idioma: Árabe
  • Moeda: Dinar tunisiano
  • População: 11.116.899

Colonizada pelos fenícios, a Tunísia foi um elemento importante da área comercial. Após os fenícios, os árabes fizeram com que o país se destacasse, desta vez, em termos religiosos.

Anos depois foi a vez da França invadir o território até a Tunísia formar um Estado soberano em 1956. É nesse país - o menor da região norte da África - que tem início a Primavera Árabe.

Oriente Médio

O Oriente Médio, também chamado de Ásia Ocidental, ocupa parte do Norte da África. Entre as principais cidades dessa região, está o Cairo - capital do Egito, que se localiza entre o norte da África (a maior parte) e em parte da Ásia.

Primavera Árabe

Tudo começou quando um jovem, na Tunísia, ateou fogo ao seu próprio corpo em sinal de protesto pelo encerramento da sua banca de fruta. A banca, que era a sua fonte de rendimento, havia sido encerrada pela polícia.

Os populares se revoltaram levando o presidente Zine El Abidine Ben Ali (1936) - que governava o país há mais de 20 anos - a deixar o país logo no mês seguinte.

O resultado satisfatório em decorrência do levante popular influenciou o povo da Líbia. Lá houve um movimento violento que acabou matando a Muammar al-Gaddafi (ou Kadafi), dois meses depois do início da guerra civil. Kadafi foi presidente do país entre 1969-2011

No Egito, em menos de um mês, o povo também conseguiu derrubar o governo do presidente Hosni Mubarak (1928) que estava no cargo há 30 anos.

A ação refletiu em outros países da região. Na Argélia, por exemplo, as pessoas reivindicam emprego e a possibilidade de obtenção de visto para deixar o país.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.