Satélites Sputnik


Sputnik (palavra russa para companheiro de viagem) foi o nome usado para designar as aeronaves do programa espacial russo. Oficialmente, cinco aeronaves utilizaram a designação, mas depois disso, o nome Sputnik continuou aplicado, mesmo que extra-oficialmente, totalizando 99 aparelhos lançados ao espaço em seis décadas de aplicação do Programa Espacial Russo.

O primeiro satélite Sputnik a entrar em órbita foi lançado no dia 4 de outubro de 1957. Não havia tripulação. Em 3 de novembro do mesmo ano, contudo, a cadela Laika, foi o primeiro ser vivo a entrar no espaço a bordo do Sputnik 2. A nave espacial Sputnik 3, um satélite de pesquisa, foi lançado em 15 de maio de 1958.

Sputnik 1

O satélite Sputnik 1 deu início à corrida espacial entre russos e norte-americanos. O equipamento tinha o tamanho de uma bola de basquete, pesava 83 quilos, e foi lançado por um foguete R7. Nos 21 dias em que funcionou, enviava informações à Terra por meio de dois transmissores de rádio.

Cinquenta e sete dias depois de lançado, o Sputnik 1 foi destruído enquanto reentrava na atmosfera terrestre.

No conjunto, o projeto surpreendeu não só a comunidade científica, mas mudou as relações políticas entre as potências e obrigaram os Estados Unidos a investir na NASA (Agência Espacial Norte-americana).

Sputnik 2

O suporte para o envio de Laika foi maior. O animal, de três anos de idade, foi escolhido entre outros três cães de rua submetidos a testes para suportar a viagem espacial. Laika usou o primeiro traje projetado para o espaço e um alimento especial para ela, uma solução gelatinosa, foi depositado na aeronave.

Os cientistas instalaram na nave Sputnik 2 sensores para monitorar os batimentos cardíacos de Laica, a pressão arterial e as demais funções fisiológicas. O lançamento na nave espacial ocorreu no dia 3 de novembro de 1957.

Em terra, o futuro de Laika foi debatido e a conclusão e de que o animal teria que morrer no espaço. De fato, a aeronave só retornou em 14 de abril de 1958 e os equipamentos queimaram ao reentrar na atmosfera.

O destino de Laika, porém, só foi revelado em 2002, quando o cientista Dimitri Malashenkov admitiu em um congresso espacial promovido na cidade de Houston, no Texas, que o animal morreu horas depois do lançamento devido ao superaquecimento da aeronave.

Laika é considerada uma heroína para os russos e em 2008, uma estátua foi erguida em Moscou em sua homenagem.

Sputnik 3

A missão do Sputnik 3 durou dois anos. O foguete, que também não era tripulado, permaneceu dois anos em órbita, tempo suficiente para a realização dos estudos que culminariam no envio, pelos russos, do primeiro homem ao espaço.

O satélite Sputnik 3 carregava a bordo um laboratório, instalado com o objetivo de estudar o campo magnético da Terra.

Sputnik 4

O lançamento do Sputnik 4 ocorreu em 15 de maio de 1960. Desta vez, o satélite já demonstrava o aperfeiçoamento da corrida espacial e a cabine foi projetada para transportar um ser humano. Um manequim foi enviado ao espaço, mas a aeronave apresentou falhas para reentrar na atmosfera terrestre.

Sputnik 5

O último satélite Sputnik, o 5, foi lançado ao espaço no dia 19 de agosto de 1960. Era um dos testes mais decisivos para a sobrevivência de um ser vivo no espaço.

O Sputnik 5 carregava dois cães, Belka e Strelka, além de 40 camundongos, ratos e plantas. Todos os animais retornaram com vida à Terra.