Viagem do homem à Lua

Juliana Bezerra

A chegada do homem à Lua, em 20 de julho de 1969, constitui um dos maiores feitos científicos do século XX.

Em 20 de julho de 1969, dois astronautas americanos, Neil Armstrong e Buzz Aldrin, se tornaram os primeiros seres humanos à por os pés em solo lunar. Um terceiro, Michael Collins, ficou em órbita dando suporte aos companheiros.

Este feito só foi possível devido a um pesado investimento técnico-científico de 22 bilhões de dólares que envolveu mais de cem mil pessoas.

Igualmente, na década de 60, as duas potências mundiais, Estados Unidos e União Soviética, usavam a conquista espacial para fazer propaganda sobre os benefícios dos seus respectivos sistemas políticos.

Os soviéticos mandaram o primeiro homem a sobrevoar o espaço, o cosmonauta Yuri Gagarin. Sentindo que ficavam para trás na corrida espacial, o presidente americano John Kennedy lança o desafio de pousar na Lua antes do final da década de 60.

Projeto Apollo 11

Apollo 11
Momento da decolagem da Apollo 11

Apollo 11 foi o nome do projeto e da nave espacial que levou os primeiros seres humanos ao satélite da Terra.

Consistia numa nave de 45 toneladas, composta de três módulos: comando, serviço e lunar. Ela foi lançada no bico do maior e mais potente foguete já construído, o Saturno V, com 110 metros de altura.

No momento da partida, o Saturno V pesava mais de 3 mil toneladas e a maior parte correspondia ao combustível. Este deveria queimar rápido o suficiente para impulsionar sua carga à velocidade de 40 mil quilômetros por hora.

Por sua vez, o módulo lunar tinha 4,5 metros quadrados no interior e não possuía banheiro, o que dificultou bastante a higiene dos astronautas.

Para entrar na cápsula, os astronautas fizeram uma oferta simbólica ao responsável por introduzi-los no módulo, o engenheiro Gunter Wendt. Armstrong lhe deu uma passagem de ida à Lua, Buzz, uma Bíblia com dedicatória, e Michael, uma truta empalhada.

Antes de decolar, contudo, os tripulantes precisaram fazer uma checagem em 417 pontos.

Contato com a Terra

Além da base operativa em Houston foi criada a Rede de Voos Espaciais Tripulados (MSFN, na sigla em inglês).

Esta consistia em 11 estações em terra, cinco barcos com antenas parabólicas e oito aviões para dar apoio durante o lançamento e a reentrada da Apollo 11.

Também foram construídas três grandes estações com antenas idênticas de 26 metros de diâmetro e 300 toneladas que estavam localizadas em Goldstone (Califórnia), Honeysuckle Creek (Austrália), e em Fresnedillas de la Oliva (Espanha).

Esses locais não eram casualidade, pois as estações terrenas estavam a distâncias e longitudes equidistantes para que fosse mantida a comunicação o tempo todo com a tripulação.

Decolagem para a Lua

A decolagem ocorreu em 16 de julho de 1969 às 13h32.

A trepidação foi tão forte que foi sentida num raio de 6 km. O ruído era insuportável e chegou a matar os pássaros que voavam nos arredores.

Calcula-se que um milhão de pessoas se reuniram no Cabo Canaveral (atualmente Cabo Kennedy) na Flórida para assistir o evento. Cerca de 850 jornalistas de 55 países registraram o acontecimento.

Baseado nessas informações, estima-se que um bilhão de pessoas viram a alunissagem pela TV.

Viagem à Lua

Doze minutos após a decolagem, a nave já estava fora da órbita terrestre. No dia 19, entraram no campo gravitacional da lua.

Michael Collins desprendeu o módulo lunar (Eagle), para que Neil Armstrong e Buzz Aldrin pudessem alunissar. Enquanto isso, Collins ficou dando voltas pela Lua, esperando pelos companheiros.

A alunissagem da Eagle estava prevista para acontecer no Mar da Tranquilidade (apesar do nome era uma planície).

O pouso, porém, quase acaba em tragédia, pois faltava apenas 30 segundos para o combustível terminar. Felizmente, os dois astronautas conseguiram fazer a manobra a tempo. Por isso, Neil Armstrong pousou um quilômetro além do ponto previsto.

Missão na Lua

Bandeira americana na Lua
O astronauta Buzz Aldrin observa a bandeira americana na Lua

Uma vez despressurizada a cabine, os astronautas puderam descer. Como piloto-comandante, Neil Armstrong o fez em primeiro lugar e ia descrevendo tudo o que via. Neste momento, pronunciou sua célebre frase:

Um pequeno passo para o homem. Um passo gigantesco para a Humanidade.

Aldrin se juntaria ao colega cerca de dez minutos mais tarde. Fincaram a bandeira americana e passaram a recolher pedras e pó da Lua.

Em seguida, instalaram um sismógrafo, um refletor de raios laser, uma antena de comunicação, um painel para o estudo dos ventos solares e uma câmera de TV, que funcionariam por cinco semanas.

Além dos instrumentos citados, deixaram a bandeira americana, o distintivo da missão e as medalhas dos falecidos cosmonautas soviéticos Yuri Gagarin e Vladmir Komarov.

Volta para a Terra

No dia 24 de julho, oito dias, três horas e 18 minutos depois de lançada, a Apollo 11 mergulhou no Pacífico sul, na altura da Polinésia.

O trio ficou isolado durante três semanas a fim de garantir que não haviam trazido nenhum corpo estranho que pusesse em risco o planeta.

A NASA ainda mandaria veículos tripulados à Lua até 1972 quando a Apollo 17 fez a última viagem ao satélite terrestre. Por sua parte, a União Soviética dedicaria à pequisa e construção de uma estação orbital que seria a percursora da Estação Espacial Internacional.

Assista aqui um resumo da viagem do homem à Lua:

Não deixe de ler estes textos também:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.