Al-Qaeda

Juliana Bezerra

O grupo Al-Qaeda surge em 1988, no Afeganistão, como uma organização salafista, liderado pelo saudita Osama Bin-Laden.

Nos anos 90, o grupo adotaria uma forte retórica antiamericana e anti-ocidental e seria responsável por diversos atentados no mundo inteiro, dentre os quais o ataque às Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001.

Origem

Para entender um problema tão complexo é preciso recuar ao século 19, quando o Império Russo e o Império Britânico disputam territórios naquela região.

Os russos queriam se expandir ao Cáucaso enquanto os ingleses, que já estavam na Índia, se preocupavam em resguardar a fronteira da sua nova colônia diante de uma possível invasão russa. Por isso, ambos procuram controlar o Afeganistão. Este é historicamente conhecido como o “cemitério dos impérios” porque nunca nenhum povo conseguiu vencê-los.

De fato, nem britânicos e russos conseguem submetê-lo. No entanto, os britânicos garantem uma fronteira artificial que isola o Afeganistão da Índia. Para os britânicos esta solução era brilhante, mas cortava em dois, a etnia pashtun que agora vivia em países distintos.

Século 20

Al Qaeda

"Vocês todos são bons meninos, certo?". Charge ironizando a distribuição de armas pelos americanos entre grupos que acabariam se voltando contra os EUA.

Em 1979, em plena Guerra Fria, a URSS invade o Afeganistão. Os EUA aproveitam a amizade com o Reino Unido, e começam a dar armas e treinamentos para os pashtun lutarem contra os soviéticos.

Quando a guerra termina, com a retirada dos soviéticos, as armas não são recolhidas e nem desaparecem. Ela ficam nas mãos de diferentes tribos e de milicianos islamitas radicalizados que adotam uma ideologia anti-americana, tal qual ocorria no Irã.

Leia mais sobre a Guerra do Afeganistão.

Neste contexto, surge o Al-Qaeda. Sua estratégia é recrutar voluntários islâmicos e utilizar uma organização em rede, o que dá mais liberdade para que seus membros possam agir por conta própria.

Na década de 90, Al-Qaeda vai para o Iraque onde teria mais condições de desenvolver suas atividades, ainda que este país estivesse sob invasão americana.

Entenda a Guerra do Iraque.

Ideologia Política

A ideologia dos membros do Al-Qaeda vem do salfismo.

O salafismo foi um movimento islâmico sunita surgido no Cairo, Egito, no final do século XIX.

Seu objetivo era reformar o Islã para o século 20, após o intenso contato que esta religião teve com o mundo ocidental. Assim, pregava o retorno à origem, com uma leitura mais rigorosa do Al-Corão, fundamento da fé islâmica. Por isso, também são chamados fundamentalistas.

O movimento espalhou-se pelo mundo islâmico e conquistou diversas pessoas como Muhammad ibn al-Wahhab'Abd, que defendiam uma leitura rigorosa do livro sagrado muçulmano e ainda ajudou a fundar o Reino Saudita da Arábia.

Igualmente, há correntes que defendem o islã político e outras que preferem manter-se à margem da política, tal qual ocorre na política ocidental. Por fim, há os que acreditam que a jihad, em sua forma de guerra santa, seja um caminho legítimo para espalhar o islamismo no mundo.

Atentados Terroristas

O ataque principal realizado pelo Al-Qaeda foram os atentados de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Três aviões atacaram distintos alvos na geografia americana: Pentágono, Torres Gêmeas e uma aeronave que se dirigia à Casa Branca, mas foi controlada pelos passageiros e caiu antes de chegar ao alvo.

Em seguida, aconteceram os atentados de 11 de março de 2004 em Madrid, na estação de Atocha e adjacências. Em 7 de julho de 2005, atacados três trens e ônibus em Londres. No mesmo ano, em 11 de abril e 11 de dezembro, o grupo Al-Qaeda arremete contra escritórios da ONU.

O Al-Qaeda tem ligações com outros grupos terroristas islâmicos como o Boko-Haram (Nigéria) e o Talibán (Afeganistão).

Saiba mais sobre:

Século 21

Após a morte de Osama Bin Laden pelo Exército americano, em de 2 de maio de 2011, o grupo perdeu força e espaço.

Igualmente, membros dissidentes fundaram o Estado Islâmico, que tem o propósito de instituir um califado no Oriente Médio, algo que o Al-Qaeda nunca se propôs.

Atualmente, o grupo é liderado pelo médico egípicio Al-Zawahiri.

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.