Anfíbios

Juliana Diana

Anfíbios são animais vertebrados que vivem entre o meio aquático e o ambiente terrestre.

Eles mantêm uma forte vinculação com a água e dela não se afastam, pois precisam manter a pele úmida.

A fecundação desses animais geralmente é externa e ocorre na água.

Características gerais dos anfíbios

Os anfíbios vivem em água doce, entretanto há duas exceções: a rã comedora de caranguejos, que vive em ambiente marinho, e a rã-aguadeira, do Deserto Australiano. As principais características são:

  • Pulmões onde ocorrem trocas gasosas;
  • Pele permeável, que também executam trocas gasosas;
  • Coração, com dois átrios e um ventrículo, aumentando a eficiência de transporte de sangue;
  • Tímpano, uma membrana que vibra com o som e remete estímulos para as estruturas nervosas do ouvido;
  • Pálpebras que protegem os olhos e realizam sua limpeza;
  • Patas bem definidas.

Digestão dos Anfíbios

A digestão dos anfíbios é processada no estômago e no intestino. Embora possam ter duas fileiras de dentes, os anfíbios não mastigam suas presas.

A língua bem desenvolvida é usada na captura de insetos, que é envolto em um muco que o lubrifica, facilitando sua passagem no tubo digestivo.

Pele dos Anfíbios

A pele dos anfíbios é lisa, vascularizada e permeável. Os anfíbios não ingerem água, ela é obtida através da pele, que também executa a troca gasosa entre o sangue e o ar.

É rica em glândulas e está sempre úmida. Os sapos possuem um par de glândulas chamadas paratóides, que contêm veneno e constituem defesa contra os predadores.

Respiração dos Anfíbios

A respiração nos anfíbios adultos ocorre por meio de três estruturas: os pulmões, a pele e na mucosa da boca e da faringe.

Os pulmões são formados por dois sacos, sem divisão interna. As narinas abrem-se na cavidade da boca. Enquanto estão na fase larval, aquática, respiram por meio de brânquias.

Reprodução dos Anfíbios

A reprodução é sexuada, geralmente com fecundação externa, onde a fêmea elimina os óvulos na água e o macho despeja os espermatozoides sobre eles.

Os embriões se desenvolvem em forma de larvas, que passam pela metamorfose, originando os adultos.

Grupos dos anfíbios (com exemplos)

Anuros

Quando adultos, possuem patas e não apresentam cauda: sapos, rãs e pererecas.

Anfíbios

O sapotem pele seca e enrugada.

Anfíbios

A rã tem pele úmida e lisa.

Anfíbios

A perereca tem “ventosas” nos dedos, que facilitam sua adesão a pedras, paredes etc.

Urodelos

Possuem corpo alongado, patas laterais e uma longa cauda: salamandras e tritões.

Anfíbios

As salamandras nadam movimentando a cauda.

Ápodes

Têm corpo cilíndrico e não possuem patas. As cobras-cegas, vivem enterradas no solo e são mais ativas à noite. Com olhos bem reduzidos. Lembram grandes minhocas, mas possuem osso e cabeça bem delimitada.

Juliana Diana
Juliana Diana
Licenciada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) em 2007. Pós-graduada em Informática na Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em 2010. Doutora em Gestão do Conhecimento pela UFSC em 2019.