Animais extintos no Brasil

Lana Magalhães

Os animais extintos são aqueles que despareceram da natureza e de cativeiros. A ação humana é a principal responsável pelo desparecimento de espécies.

A determinação de incluir um animal na lista de extintos pode levar anos e várias pesquisas são realizadas. Isso só acontece quando nenhum registro do animal vivo é identificado, mesmo com intensivas buscas em diferentes períodos.

Por isso, existem diversas classificações, como os animais extintos na natureza, mas que ainda existem em cativeiros e os animais extintos regionalmente, aqueles que deixaram de existir apenas em um determinado local. Além disso, é grande o número de espécies que estão criticamente ameaçadas de extinção.

O Brasil apresenta uma lista com 8 espécies extintas, conforme portarias publicadas pelo Ministério do Meio Ambiente, em 2014:

1. Rato-de-noronha

Rato-de-noronha
O rato-de-noronha extinto ainda durante a colonização do Brasil

O rato-de-noronha (Noronhomys vespuccii) é um mamífero que existiu no arquipélago de Fernando de Noronha e desapareceu ainda na época dos primeiros colonizadores. A sua existência só foi conhecida por meio do estudo dos fósseis.

Uma das explicações para o desaparecimento do rato-de-noronha foi a introdução de uma outra espécie de rato (Rattus rattus), nativa da Ásia, trazida pelas colonizadores em suas embarcações. Esse rato trouxe ainda algumas doenças para o nosso país, como a peste bubônica.

2. Caburé-de-pernambuco

caburé-de-pernambuco
O caburé-de-pernambuco era uma espécie endêmica da Mata Atlântica

O caburé-de-pernambuco (Glaucidium mooreorum) é uma espécie de coruja que habitava a Mata Atlântica, na região do estado de Pernambuco.

Essa espécie foi descrita em 2002 e desde lá não houve outros registros de sua presença nas florestas. A razão para o desaparecimento do caburé-de-pernambuco é a destruição do seu habitat, como consequência do desmatamento.

3. Gritador-do-nordeste

Gritador do Nordeste
O gritador-do-nordeste vivia entre as bromélias existentes nas florestas

O gritador-do-nordeste (Cichlocolaptes mazarbarnetti) é uma ave que habitava a Mata Atlântica, entre os estados de Pernambuco e Alagoas.

O nome da espécie deve-se ao fato da ave emitir sons parecidos a gritos no momento de capturar as suas presas. A espécie foi visualizada pela última vez em 2005, e no ano de 2014 foi descrita cientificamente com base em indivíduos empalhados coletados na década de 80.

4. Limpa-folha-do-nordeste

Limpa-folha-do-nordeste
O limpa-folha-do-nordeste vivia na copa das árvores e alimentava-se de insetos

O limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi) é uma ave endêmica da Mata Atlântica, nos estados de Alagoas e Pernambuco. A ave foi visualizada pela última vez em 2011. A fragmentação e destruição das florestas foram as principais responsáveis pela extinção do limpa-folha-do-nordeste.

5. Perereca-verde-da-fímbria

Perereca-verde-da-fímbria
Pouco se sabe sobre a perereca-verde-da-fímbria vista pela última vez em 1923

A perereca-verde-da-fímbria (Phrynomedusa fimbriata) ocorria na Serra de Paranapiacaba, no município de Santo André, em São Paulo. Ela foi vista pela última vez em 1923, devido à falta de informações sobre a espécie, os pesquisadores ainda não chegaram a conclusão do que pode ter ocasionado o seu desaparecimento.

6. Maçarico-esquimó

maçarico-esquimó
O maçarico-esquimó é uma ave migratória que desapareceu do território brasileiro

O maçarico-esquimó (Numenius borealis) é uma espécie extinta no território brasileiro, onde era um visitante comum durante a sua migração do Canadá até a América do Sul. No Brasil, a espécie não é vista desde 1930 e acredita-se que esteja realmente extinta em todo o mundo.

A caça indiscriminada e a destruição das florestas são as principais responsáveis pela extinção do maçarico-esquimó.

7. Arara-azul-pequena

Arara-azul-pequena
As araras-azuis-pequenas eram vistas sempre em pares e alimentavam-se de frutos de palmeiras

A arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus) é uma ave extinta em território brasileiro e em cativeiros. No Brasil, a última visualização da espécie ocorreu há mais de 80 anos atrás.

Naturalmente, a espécie não era comum em sua área de distribuição, a qual englobava o norte da Argentina, sul do Paraguai, nordeste do Uruguai e sul do Brasil. Assim, tornava-se mais vulnerável a extinção por conta da caça ilegal e destruição de seu habitat.

8. Peito-vermelho-grande

peito-vermelho-grande
O peito-vermelho-grande encontra-se extinto no Brasil

O peito-vermelho-grande (Sturnella defilippii) é uma ave que encontra-se em extinção no território brasileiro. No Brasil, a espécie foi vista pela última vez na década de 70. Entretanto, já foi visualizada mais recentemente no Uruguai, Paraguai e Argentina, onde as populações são pequenas e criticamente ameaçadas.

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.