Entenda o que são fake news (notícias falsas)

Juliana Bezerra

Fake news são notícias falsas divulgadas com a intenção de incitar as pessoas a terem determinados comportamentos - influenciar decisões, provocar revolta, entre outros. Na maior parte das vezes elas são partilhadas nas redes sociais.

Por esse motivo, elas abordam acontecimentos atuais que estão sob discussão. Assim, quem lê esse tipo de notícia é levado a acreditar no que está escrito nela, principalmente se a notícia trata de um tema favorável às crenças do leitor ou, ainda, se não tem uma posição formada acerca de determinado assunto.

O sentimento de que outras pessoas também precisam saber daquele fato induzem a sua divulgação que, no entanto, é feita sem que se confirme a sua veracidade.

Como as fake news surgiram?

O conceito fake news popularizou-se em 2016, na altura da campanha à presidência dos Estados Unidos da América (EUA), quando Donald Trump era candidato. Nessa ocasião, surgiram várias notícias enganosas que atacavam moralmente a adversária Hillary Clinton.

As fake news nas eleições dos EUA tiveram como alvo as regiões cuja as vertentes democratas e republicanas não dominavam, ou seja, pessoas que tinham dúvidas quanto à escolha dos candidatos. A dúvida costuma ser um motivador para a rápida propagação das notícias falsas e foi o que aconteceu.

Essas notícias não funcionariam tão bem em regiões cujas pessoas já tivessem opinião formada acerca dos candidatos. O objetivo era justamente atingir as pessoas que não tinham convicção acerca do seu voto e, assim, influenciar a sua escolha.

Apesar das dimensões que a divulgação de notícias falsas tomou por ocasião das eleições nos EUA em 2016, a propagação de fatos incorretos e enganosos acontece há mais tempo.

Com o advento das redes sociais e com a consequente facilidade de alcançar milhares de pessoas de uma vez, as fake news ganharam grandes proporções.

Isso porque as pessoas têm muita necessidade de partilhar conteúdos, o que geralmente acontece por dois motivos: ou porque querem ser os primeiros a divulgar uma informação que suscitará escândalo, ou para se mostrarem cada vez mais presentes nas redes.

Assim, muitos publicam conteúdos simplesmente por publicar, sem antes se preocupar em atestar a qualidade das informações.

Exemplos de fake news

Incêndios na Amazônia em 2019

Em 2019, os incêndios na Amazônia foram alvo de fake news. Além de informações escritas com dados incorretos, muitas imagens desatualizadas ou de outros locais também fortaleceram a divulgação de notícias falsas.

A inexistência de ONG’s no Nordeste versus a existência de 100 000 ONG’s no Amazonas, além do fato de 2019 registrar o maior incêndio no território da Amazônia Legal foram as informações falsas que mais circularam pelas redes sociais.

A divulgação de fotos antigas são mais um exemplo de fake news nesse acontecimento. A foto abaixo foi publicada por ocasião dos incêndios de 2019, mas foi tirada muitos anos antes. O seu autor, o fotógrafo Loren McIntyre faleceu em 2003 e essa foto encontra-se disponível no banco de imagens britânico Alamy.

Incêndio na Amazônia

Vacinas e outras notícias sobre saúde

Alertas e recomendações falsas tem sido muito comuns no que respeita à saúde. As vacinas têm sido dos temas mais constantes em notícias falsas.

Em São Vicente-SP, a notícia de que a vacina contra a gripe causava “buraco” no braço provocou mais dúvidas na população. Cada vez mais as pessoas receiam ser vacinadas porque há muito conteúdo alegando malefícios das vacinas sendo divulgado.

fake news vacina gripe
Fonte: Portal do Governo Brasileiro do Ministério da Saúde

Causa de esclerose múltipla e desenvolvimento de lúpus em decorrência do uso do aspartame foi outra mensagem que viralizou. Como o uso de adoçantes é polêmico, as pessoas questionam-se ainda mais se é seguro consumi-los ou não.

fake news aspartame
Fonte: Portal do Governo Brasileiro do Ministério da Saúde

Como as fake news funcionam?

Por conta dos interesses em torno das fake news, elas envolvem muito dinheiro e habilidades.

Para que as notícias falsas alcancem o efeito desejado, há equipes especializadas que trabalham na sua criação. Como há pessoas dispostas a pagar muito para se beneficiar de notícias enganosas, os criadores de conteúdos falsos ganham muito bem.

Assim, a produção de notícias falsas pode envolver um grande aparato: pessoas da área da comunicação, que escrevem as notícias, e pessoas da área da tecnologia, que trabalham por trás dos bastidores; essas fazem com que rastos das notícias enganosas não sejam descobertos.

Além desses supostos profissionais, podem ser contratados como produtores de notícias falsas até dubladores que imitam vozes de pessoas.

Os produtores de conteúdos falsos têm as suas artimanhas para não serem encontrados. Usos de servidores do exterior, utilização de lan houses e compras de números de telefone celulares, cujos pagamentos são feitos com cartões pré-pagos, são apenas alguns dos seus cuidados.

Dependendo da dimensão do serviço para o qual são contratados, os responsáveis pela criação das fake news podem ter que viajar com frequência. Nesses casos, não permanecem muito tempo no mesmo alojamento.

As mensagens de conteúdo falso podem ser transmitidas através dos números de telefones comprados, bem como através de perfis falsos criados pelos profissionais nas redes sociais.

Com aspecto aparentemente normal, os perfis têm foto, publicações e, assim, começa a interação com outras pessoas, a quem se pede a partilha das notícias.

Além da criação de perfis falsos, também são criados sites visualmente semelhante a sites conhecidos, e até que conquiste a atenção dos usuários, os conteúdos não apresentam polêmicas. A partir de dado momento, esses sites começam a difundir notícias falsas, o que vai se tornando cada vez frequente.

Perigos das fake news

Antigamente as pessoas reclamavam de falta de informação. Atualmente temos acesso a muita informação e é muito fácil propagar qualquer conteúdo, seja ele credível ou não. Assim, o problema passou a ser a falta de garantia acerca da veracidade das coisas que se compartilha.

A divulgação de notícias falsas pode ter danos graves. Algumas consequências das fake news são:

  • Manipulação das pessoas;
  • Prejuízos morais e financeiros a pessoas e a empresas;
  • Tomada de decisão errada;
  • Criação ou aumento de sentimento de revolta;
  • Mudança de comportamento;
  • Estímulo ao preconceito;
  • Agravamento de surto de doença.

Como combater as fake news?

As fake news consistem em um crime cada vez mais sofisticado e complexo, o que dificulta a sua investigação. Acresce que a legislação, além de ser pouco consistente, não prevê punição para esse tipo de crime especificamente.

É importante que todos os cidadão estejam conscientes acerca da sua responsabilidade no combate às fake news e que entendam que não devemos compartilhar todo o conteúdo recebido, principalmente se ele tem aparência duvidosa.

Assim, esteja atento aos indícios que os textos das fake news apresentam:

  • Erros ortográficos;
  • Informações desatualizadas;
  • Apelativos: pedidos de partilha pelas pessoas;
  • Alarmistas.

Se depois de publicar algo, você descobrir que a notícia é falsa, apague o conteúdo ou desminta a informação aos amigos com quem a partilhou.

No entanto, existem agências especializadas em jornalismo investigativo. É o caso da Agência Lupa, Aos Fatos e Boatos.org, agências que checam os conteúdos quanto a sua veracidade. As pessoas podem recorrer a elas caso suspeitem de conteúdos duvidosos divulgados na net.

Você também pode se interessar por:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.