O que é Ideologia?

Juliana Bezerra

Ideologia significa, literalmente, o estudo das ideias.

Foram os filósofos franceses Antoine Destutt de Tracy, autor do tratado Les élements de I'idéologie (1801) e Joseph-Marie de Gérando, que propuseram a criação de uma ciência que estudasse a formação das ideias.

Pretendiam formar um método que fosse capaz de examinar a origem, o processo e a elaboração das ideias na História.

Significado de Ideologia

Atualmente, usamos a palavra "ideologia" como o conjunto de princípios seguidos por um partido político, instituições e pessoas. Contudo, o significado foi se modificando ao longo da História.

Para Antoine Destutt de Tracy, as ideias eram o resultado da relação entre os seres pensantes e o meio-ambiente e pesquisar esta convivência seria o objetivo da "ideologia".

No entanto, em 1812, Napoleão Bonaparte se apropria desse conceito e o utiliza para insultar seus opositores. Chamou-os de ideólogos, ou seja, pessoas que teriam ideias pouco realistas.

Será neste sentido, a ideologia como uma ideia falsa ou fantasiosa, que Marx vai utilizá-la.

Conceito de Ideologia em Marx

A principal corrente crítica à ideologia é formulada pelo filósofo alemão Karl Marx (1818-1883) para explicar a causa da alienação econômica.

Marx observou que o assalariado não se percebia como classe social e os indivíduos na sociedade acreditavam que a divisão social do trabalho era natural, assim como o fenômeno das chuvas, por exemplo.

No entanto, segundo Marx, a ideologia é um fenômeno histórico e social que resulta do modo de produção econômico. Afinal, as relações sociais são produto histórico da ação humana, não são naturais.

Para Marx, há uma divisão do trabalho intelectual e do trabalho manual. O primeiro seria mais valorizado e aqueles acabariam pertencendo à elite. Portanto, esta classe produz ideologias para que a classe trabalhadora não questione sobre sua condição e assim continue a ser explorada.

Deste modo, a ideologia impede que a sociedade perceba o vínculo interno entre o poder econômico e o poder político.

Será a elite que dará uma ideologia à classe trabalhadora, a fim de que ela acredite na unificação da sociedade. Esta pode se dar na língua, na religião, na maneira de narrar a história, e mais modernamente, no esporte.

Cultura e Ideologia

Ideologia

Os produtos culturais podem ser utilizados como instrumentos para propagar ideologias. Para Marx, não há nenhuma manifestação humana que seja inocente ou pura.

Teatro, pintura, música, todos eles seriam reflexo da sociedade onde estão inseridos e, portanto, da sua ideologia.

Há movimentos artísticos que são declaradamente políticos como o realismo socialista que buscava espalhar as ideias socialistas através de certas regras para se produzir arte e arquitetura.

Já outros movimentos artísticos não seriam impostos desde o Estado, mas este acabaria servindo-se deles para melhor captar o apoio das pessoas para sua causa.

Um exemplo disso seria o barroco francês que foi empregado pelo rei Luís XIV para afirmar seu poder diante da aristocracia francesa.

Ideologia Política

Ao longo do século XX, a palavra “ideologia” foi utilizada para designar conjuntos de ideias e crenças que norteavam a sociedade.

Com o fim do poder da religião na sociedade, era preciso empregar outro artifício que desse coesão e sentido à existência ao ser humano.

Por isso, várias ideias políticas ganharam força e se institucionalizaram como o fascismo e o comunismo, usando os mesmos métodos das religiões como o culto ao líder.

Desta maneira, a ideologia política é o conjunto de ideias que orienta o pensamento e as atitudes do indivíduo perante a sociedade.

Fim das Ideologias?

Por outro lado, com a crise econômica dos anos 80 e a desagregação do mundo comunista, as ideologias teriam perdido seu valor. Nenhuma ideia política satisfaria a humanidade, pois todas têm suas falhas e acabam decepcionando o cidadão cedo ou tarde.

Esta percepção ficaria mais clara após a Queda do Muro de Berlim, quando o liberalismo prevaleceu sobre o sistema comunista.

Da mesma forma, o filósofo Zygmunt Bauman expressou esta ausência de ideologia através do conceito de Modernidade Líquida.

Ideologia, de Cazuza

Já o compositor e cantor Cazuza resumiu seu desalento diante de um mundo sem causas para lutar com a canção “Ideologia”, de 1988.

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.