Protocooperação

Lana Magalhães

A protocooperação é uma relação ecológica harmônica e interespecífica.

Esse tipo de relação ocorre entre espécies diferentes e ambas obtém benefícios. Apesar disso, as espécies também podem viver de modo independente, sem nenhum tipo de prejuízo. Por isso, a relação não é obrigatória.

A interação entre as espécies na protocooperação envolve a troca de transporte, proteção, alimento ou camuflagem.

Exemplos

Confira alguns exemplos de protocooperação que ocorrem na natureza:

Anêmona-do-mar e o caranguejo-ermitão

Paguro e anêmona do mar
Anêmona-do-mar e caranguejo-ermitão​​​​​​

O exemplo mais conhecido de protocooperação é da relação mantida entre as anêmonas-do-mar e o caranguejo-ermitão ou paguro.

As anêmonas oferecem proteção ao caranguejo-ermitão, ao mesmo tempo, ele transporta a anêmona sob a sua concha para outros locais.

A anêmona também pode se aproveitar dos restos de alimentos deixados pelo caranguejo-ermitão.

Pássaro-palito e jacaré

Pássaro-palito e jacaré
Pássaro-palito e jacaré

Nesse caso, o jacaré ao deixar a boca aberta permite que o pássaro-palito alcance o seu interior.

Assim, o pássaro alimenta-se dos restos de alimentos deixados entre os dentes do jacaré. Por sua vez, o jacaré ganha uma limpeza bucal.

Pássaros e bovinos

Pássaros e bovinos
Pássaros e bovinos​​​​​​

O pássaro anu costuma se alimentar dos carrapatos encontrados na pele de bovinos. Em troca, os bois se livram dos indesejados carrapatos.

Leia mais sobre as Relações Ecológicas.

Protocooperação e Mutualismo

A protocooperação e o mutualismo são duas relações harmônicas e interespecíficas. Elas são tão parecidas que a protocooperação também é conhecida como mutualismo facultativo.

A única diferença entre elas é que a protocooperação é uma relação não obrigatória. Enquanto isso, o mutualismo possui caráter obrigatório, onde as duas espécies precisam uma da outra para a sobrevivência.

Quando o mutualismo é obrigatório, ele também pode ser chamado de simbiose. Um exemplo de mutualismo são os líquens, uma associação entre algas e fungos.

A associação entre o peixe-palhaço e as anêmonas também é um tipo de mutualismo. As anêmonas possuem células urticantes que afastam os predadores.

Porém, o peixe-palhaço possui resistência a estas células e vive entre as anêmonas. Com isso, ele mantêm-se a salvo de seus inimigos naturais.

Saiba mais:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.