Ação Integralista Brasileira


A Ação Integralista Brasileira (AIB) foi uma organização política criada em 1932, sob o comando de Plínio Salgado e foi considerado um movimento fascista no Brasil.

Resumo

Os principais objetivos dessa organização, que seguia a linha do fascismo internacional, eram acabar com os comunistas e com os vários partidos políticos existentes na época.

A AIB estava imbuída de uma série de ideais, dentre eles, o nacionalismo, a participação de mulheres e negros (o que não era possível em outros partidos), o combate ao comunismo e a construção de escolas.

Plínio Salgado se candidatou à eleição para presidente em 1937, mas a organização que apoiou Getúlio Vargas - a AIB - perdeu força com o Estado Novo, chegando mesmo a ser extinta por esse presidente do Brasil, quando o mesmo impôs o fim de todos os partidos políticos através da Constituição de 1937.

Um dos documentos mais importantes deste partido, do qual fizeram parte Plínio Salgado, Gustavo Barroso, Miguel Reale e tantos outros, foi o “Manifesto Programa de 1937”.

Leia também: Era Vargas.

Principais Características

Como características destacam-se o seu lema, o seu símbolo, a vestimenta e a saudação.

“Deus, Pátria e Família” era o lema da organização.

O símbolo da AIB era a letra grega sigma, que na matemática simboliza soma.

Ação Integralista Brasileira

A camisa verde foi a vestimenta escolhida pelos membros da AIB, conhecidos como integralistas, motivo pelo qual ficaram conhecidos como camisas-verdes e pejorativamente como galinhas verdes.

“Anauê”, de origem tupi, era a saudação dos membros que ao mesmo tempo que diziam essa palavra, que significa “Você é meu irmão”, erguiam os braços, tal como os fascistas europeus.