Características dos seres vivos

Carolina Batista
Carolina Batista
Professora de Química

Os seres vivos apresentam características gerais que permitem diferenciá-los dos seres não vivos.

Costumamos ouvir que os seres vivos nascem, crescem, reproduzem e morrem. Entretanto, existem características ou funções fundamentais que em conjunto podem definir aquilo que chamamos de vida.

A seguir, descrevemos 12 das características que permitem identificar um ser vivo.

1. Organização celular

Os seres vivos são formados por células. Eles podem apresentar uma célula (seres unicelulares) ou várias células (seres pluricelulares).

As células são estruturas altamente organizadas e funcionam coordenadamente. Nos seres multicelulares, células semelhantes se combinam para formar os tecidos, que participam da construção dos órgãos. Uma organização mais elevada é a formação dos sistemas de órgãos.

A maioria dos autores indicam que todos os seres vivos são formados por uma unidade funcional e estrutural: a célula. De acordo com a estrutura celular, os organismos vivos podem ser simples, como bactérias, ou complexos, como os seres humanos. Os vírus são considerados por muitos estudiosos como seres vivos, mas são os únicos que não possuem células.

2. Composição química

Os seres vivos são formados basicamente por uma junção de elementos químicos, chamados de bioelementos ou elementos biogênicos, que constituem a matéria viva.

A tabela periódica agrupa os 118 elementos químicos conhecidos e destes, carbono (C), oxigênio (O), hidrogênio (H) e nitrogênio (N) são os bioelementos primários.

Os bioelementos primários mais fósforo (P) e enxofre (S) constituem aproximadamente 98% da massa corporal de um ser vivo.

3. Metabolismo

Todos os seres vivos apresentam metabolismo, que corresponde à junção de todas as reações químicas interligadas dentro de um organismo.

O objetivo do metabolismo é controlar a energia e os recursos materiais para suprir as necessidades de um ser vivo. As diversas reações em uma célula fazem com que ela se mantenha viva, com capacidade de crescer e se dividir.

O metabolismo pode ser classificado em dois grandes processos: anabolismo (reações de síntese ou construção) e catabolismo (reações de degradação ou quebra).

Saiba mais sobre Anabolismo e Catabolismo.

4. Crescimento e desenvolvimento

Os seres vivos crescem ao longo da vida e aumentam de tamanho ou massa seca (sem levar em consideração a água do organismo). Consequentemente, o número de células no organismo aumenta.

O crescimento e o desenvolvimento seguem padrões, que envolvem genética, hormônios, nutrição e metabolismo. As células podem passar por um aumento de volume (hipertrofia) ou multiplicação que origina novas células (hiperplasia).

5. Reprodução

Os seres vivos são capazes de reproduzir e aumentar o número de componentes da sua espécie através de seus descendentes. Essa capacidade de reprodução pode ocorrer de diferentes maneiras, dependendo do organismo.

Seres unicelulares duplicam seu material genético e dividem-se, originando células novas a partir de uma célula-mãe. Já os seres pluricelulares apresentam células especializadas em reprodução, que são chamadas de células germinativas reprodutivas.

A reprodução pode ser classificada em sexuada, pela união de gametas dos progenitores, ou assexuada, que forma organismos geneticamente idênticos.

Saiba mais sobre Reprodução Sexuada e Reprodução Assexuada.

6. Hereditariedade

A hereditariedade pode ser definida como a capacidade de transmitir informações genéticas entre os indivíduos de uma mesma espécie para que suas características sejam mantidas de uma geração para outra.

Essas informações são transmitidas através de genes, unidades funcionais da hereditariedade, que consistem em fragmentos sequenciados de DNA.

7. Nutrição

Os organismos vivos precisam se alimentar para adquirir nutrientes e energia para sua sobrevivência. De acordo com a nutrição, os seres vivos são classificados em autotróficos e heterotróficos.

Os seres autotróficos conseguem produzir seu alimento a partir de materiais sem vida através de processos como, por exemplo, fotossíntese e quimiossíntese. Já os seres heterotróficos são nutridos a partir de outros seres vivos, retirando moléculas orgânicas.

Leia também sobre os Nutrientes.

8. Processamento de energia

Os seres vivos precisam de uma fonte de energia para sobreviver e realizar as atividades celulares.

A respiração celular é uma reação química que ocorre dentro das células e é responsável por liberar a energia absorvida através dos alimentos.

Nesse processo, ocorre a quebra das moléculas de nutrientes e a energia liberada é aproveitada pela célula para desempenhar suas funções.

Nas plantas, por exemplo, a energia absorvida do Sol é transformada em alimento através da fotossíntese.

9. Irritabilidade

Os seres vivos são capazes de reagir a estímulos e detectar alterações no meio em que estão inseridos. Essa característica recebe o nome de irritabilidade.

As respostas aos estímulos recebidos podem ser positivas, quando a resposta é dada em direção ao estímulo, ou negativas, para que o ser se afaste do que foi detectado.

Sensibilidade é diferente de irritabilidade. A sensibilidade é uma característica exclusiva dos animais, que podem responder de diferentes formas a um estímulo.

10. Movimento

Os seres vivos são capazes de se movimentar, sair de um local ou mudar de posição. Por exemplo, os animais podem percorrer distâncias ao se locomoverem, e as plantas se curvam em direção ao Sol.

O movimento pode ser perceptível pela movimentação externa, como reação aos estímulos, ou pode ocorrer com as estruturas dentro do próprio organismo. Por isso, o movimento é necessário para a manutenção da vida.

11. Homeostase

A homeostase, interpretada como “estado estável”, é o mecanismo que garante que as condições internas necessárias para o funcionamento do organismo sejam mantidas constantes.

Temperatura e concentração de substâncias químicas são exemplos de fatores regulados nos seres vivos.

12. Evolução e adaptação

A evolução biológica faz parte da adaptação dos seres vivos. Um ser vivo pode passar por um processo de modificação para ajudá-lo a sobreviver no ambiente e dar continuidade à espécie.

A evolução está relacionada com a diversidade dos seres vivos, em um processo de desenvolvimento a partir de um ancestral comum ou de seleção natural. A adaptação pode ser vista como uma estratégia de defesa para manutenção da espécie, como é o caso da camuflagem.

Veja também:

Carolina Batista
Carolina Batista
Técnica em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (2011) e Bacharelada em Química Tecnológica e Industrial pela Universidade Federal de Alagoas (2018).