Epistemologia


A Epistemologia ou Teoria do Conhecimento é uma das áreas da filosofia que estuda o conhecimento.

A epistemologia estuda a formação do conhecimento, a diferença entre ciência e senso comum, a validade do saber científico, dentre outras questões.

Significado de Epistemologia

Assim como a ética se ocupa das questões morais e a política trata do funcionamento da sociedade, a epistemologia se ocupa do saber.

Epistem – vem do grego e significa conhecimento e Logia – estudo. Assim, a epistemologia é o estudo do conhecimento, suas fontes e como ocorre sua aquisição.

Epistemologia
De onde vem o conhecimento? Como sabemos que sabemos algo? A Epistemologia busca as respostas para essas perguntas.

Questões Epistemológicas

A filosofia sempre parte de questões. Desta maneira, podemos sistematizar as perguntas que a epistemologia busca responder:

  • O que é a ciência?
  • O que é o conhecimento científico?
  • O conhecimento científico é verdadeiro?

A filosofia determina que uma área do saber, para ser considerada ciência, dever ter um método definido.

O conhecimento científico seria o conjunto de saberes que está justificado e provado através de testes que podem ser realizados em qualquer circunstância, tempo e lugar, que darão o mesmo resultado.

No entanto, a verdade pode ser construída racionalmente dentro de cada período histórico. Muitas vezes, o que se acredita numa época será rejeitado ou invalidado posteriormente.

Origem da Epistemologia

A epistemologia surgiu com os filósofos pré-socráticos. No período clássico, as discussões sobre o tema começam a ganhar forma, especialmente através de Sócrates, Aristóteles e Platão. Cada um deles cria um método para explicar suas ideias, prescindindo dos mitos para chegar às suas conclusões de maneira racional.

No entanto, a epistemologia ganha força na Idade Moderna quando as ideias do Humanismo, Renascimento, Iluminismo foram ganhando espaço na sociedade.

Assim, um dos objetivos dos estudiosos foi diferenciar o senso comum da ciência.

Exemplo

Uma pessoa pode afirmar que sabe que vai chover porque o joelho está doendo. Isto seria o senso comum, pois não há embasamento científico para alguém acreditar que isso possa ser verdade.

Por outro lado, uma pessoa pode afirmar que vai chover porque observou as nuvens e o vento, e sabe que quando eles se comportam de determinada maneira, é possível que chova.

Epistemologia segundo Jean Piaget

Epistemologia Genética
O pesquisador Jean Piaget desenvolveu uma teoria que inspirou a criação do construtivismo

O biólogo e psicólogo suíço Jean Piaget (1890-1980) elaborou uma teoria do conhecimento e a expôs em sua obra “Epistemologia da Genética”, em 1970.

Neste livro, ele teoriza que o ser humano passa por quatro fases de aquisição de conhecimento:

  • Sensorial: 0 a 2 anos, onde o conhecimento se dá através de estímulos exteriores e interiores.
  • Pré-Operatória: 3 a 5 anos, quando aparece a fala, os jogos com outras crianças com normas simples e o pensamento mágico e fantasioso, que inclui os contos de fada.
  • Operatório Concreto: 6 a 12 anos, no qual é possível resolver problemas internamente, se dá aquisição da escrita e cálculos associados a símbolos concretos como as maçãs.
  • Operatório Abstrato: 12 a 16 anos, compreender conceitos abstratos como a sociedade, o amor, o Estado, a cidadania.

Para Piaget, esses estágios não são alcançados de forma linear e cada criança tem o seu ritmo de aprendizagem. Também argumenta que nem todos alcançam a última etapa.

Da mesma maneira, o conhecimento é uma descentralização da pessoa. Trata-se de passar de uma fase onde a criança naturalmente deseja tudo para si em direção ao ser humano que pensa no seu entorno.

Mais que superar um estado, Piaget dizia que o mais importante é observar como a criança passa de uma etapa a outra. Para caracterizar este fenômeno, ele cunha dois termos: assimilação e acomodação.

  • Assimilação: ao ser apresentado a um brinquedo novo, a criança faz "testes" para entender seu funcionamento.
  • Acomodação: uma vez adquirido o conhecimento, a criança encontra uma aplicação para esta habilidade e realiza a transferência para outras áreas.

Exemplo

Um livro. Na fase sensorial, o livro pode ser apenas mais um objeto para empilhar, morder, jogar.

Já no período pré-operatório, a criança aprende que este objeto tem estórias e, portanto, outra utilidade.

Leia mais: