Neorrealismo

Daniela Diana

O Neorrealismo (novo realismo) designa uma corrente artística moderna de vanguarda, que surgiu nas primeiras décadas do século XX nas áreas da pintura, literatura, música e cinema.

Corrente ideológica das artes com influência socialista, comunista e marxista, o Neorrealismo ocorreu em diversos países europeus, bem como teve influência no Brasil. Seu nome já indica sua principal caraterística, ou seja, o realismo.

Dessa maneira, os artistas neorrealistas estavam empenhados em criar uma arte voltada para a realidade, e, portanto, às questões sociais, culturais, políticas e econômicas pelo qual passava a sociedade.

O termo “Realismo Social” foi proferido pela primeira vez, pelo escritor e ativista russo Máximo Gorki (1868-1936) em 1934, durante o “Primeiro Congresso dos Escritores Soviéticos”.

Características do neorrealismo

Veja abaixo as principais características da arte neorrealista:

  • Anticapitalismo, marxismo e psicanálise;
  • Realismo social;
  • Arte de vanguarda;
  • Temática social, econômica, histórica e regional;
  • Luta de classes (burguesia e proletariado);
  • Estilo como elemento estético;
  • Objetividade e simplicidade;
  • Linguagem popular, coloquial e regional;
  • Repúdio às formas tradicionais;
  • Vulgarização de personagens.

Neorrealismo Francês

neorrealismo francês
Cena do filme A Grande Ilusão (1937) de Jean Renoir

Chamado de "Realismo Poético", esse estilo artístico foi destaque no cinema francês a partir de 1930.

Os cineastas estavam inclinados em criar produções inovadoras calcadas em temas sociais e humanos, cujas obras estavam repletas de sátiras, humor e o pessimismo gerado no período entre as duas grandes guerras.

O Realismo Poético representou um movimento de vanguarda, crítico e revolucionário, o qual procurava denunciar os conflitos e as desigualdades sociais vigentes.

Com isso, o cinema francês adquire uma abordagem distinta durante os anos 30 e 40, com a inclusão de gravações fora dos estúdios que apresentavam histórias com personagens de classe populares.

Os diretores franceses mais importantes do realismo poético foram:

  • René Clair e a obra “Sob os telhados de Paris” (1930);
  • Jean Vigo e sua película “O Atalante” (1934);
  • Julien Duvivier e o filme “O Demônio da Algéria” (1937);
  • Jean Renoir com “A Grande Ilusão” (1937);
  • Marcel Carné e a obra “O Boulevard do Crime” (1945).

Neorrealismo Italiano

neorrealismo italiano
Cena do filme Ladrões de Bicicletas (1948) de Vittorio De Sica

Inspirado no Realismo Poético francês, o neorrealismo italiano representou um movimento cultural e artístico que despontou na década de 40 na Itália, mais precisamente após a segunda guerra mundial (1945).

O país passava por uma grande crise após a grande guerra meidados pela desestruturação social, política e econômica.

Diante disso, o neorrealismo italiano buscou na simplicidade uma estética e técnicas cinematográficas inovadoras.

Explorou temas cotidianos, da realidade social e econômica por meio de diversas criações cinematográficas, inclusive do gênero documental (documentários).

Merecem destaque os diretores de cinema:

  • Roberto Rosselini e seu filme “Roma, Cidade Aberta” (1945);
  • Vittorio De Sica e sua película “Ladrões de Bicicleta” (1948);
  • Luchino Visconti com o filme “A Terra Treme” (1948).

Neorrealismo Português

Durante esse período, Portugal vivia um contexto de agitações políticas com o advento do Estado Novo Português, pautado na censura e repressão sob o governo totalitário de caráter fascista de Antônio de Oliveira Salazar.

Diante disso, no final da década de 30 surge o movimento literário neorrealista em Portugal. Surgem, então, escritores da segunda geração modernista empenhados em produzir uma literatura contra a fascismo e, portanto, de caráter social, documental, combativa e reformadora.

Por sua vez, o Presencismo (1927-1939), liderado por José Régio, Miguel Torga e Branquinho da Fonseca, através das publicações na Revista Presença, lançada em 1927, pretendia produzir textos literários destituídos de temas sociais, políticos e filosóficos. Isso explica porque o Neorrealismo Português não foi uma corrente aderida por todos os escritores desse período.

O marco inicial da literatura neorrealista portuguesa foi a publicação do romance “Gaibéus” de Alves Redol, em 1940. Além dele, destacam-se os escritores:

  • Ferreira de Castro e sua obra “A Selva” (1930);
  • Mario Dionísio e sua obra “As Solicitações e Emboscadas” (1945);
  • Manuel da Fonseca e sua obra “Aldeia Nova” (1942);
  • Fernando Namora e “As Sete Partidas do Mundo” (1938);
  • Soeiro Pereira Gomes e sua obra "Esteiros" (1941).

Neorrealismo Brasileiro

No Brasil, o movimento modernista sofreu grandes influências de movimentos vanguardistas, tal qual o Neorrealismo.

Na Literatura, o neorrealismo corresponde à segunda geração do modernismo, com temáticas notadamente nacionalistas e regionalistas.

De tal modo, as obras de caráter realista e naturalista foram destacadas pelo realismo social, a prosa de ficção, o romance e a poesia social de 30.

Eles surgem para destacar os temas abrangidos pela corrente neorrealista, sobretudo, a respeito da luta de classes, da desigualdade social e econômica e dos problemas humanos.

Nesse aspecto, o nordestino, surge como elemento norteador do regionalismo e da realidade social do país. Os escritores brasileiros mais proeminentes desse período foram:

  • José Américo de Almeida com sua obra “A Bagaceira” (1928), que marca o início do romance regionalista no Brasil;
  • Rachel de Queiroz com o romance “O Quinze” (1930);
  • Graciliano Ramos e sua obra emblemática “Vidas Secas” (1938);
  • Jorge Amado e seu romance “Capitães de Areia” (1937);
  • José Lins do Rego e sua obra “Fogo Morto” (1943);
  • Érico Veríssimo e seu romance de três volumes “O Tempo e o Vento”: O Continente (1949), O Retrato (1951) e O Arquipélago (1961).

O Neorrealismo nas Relações Internacionais

O Termo “Neorrealismo” é também utilizado na área das relações internacionais para indicar uma teoria estrutural proposta pelo professor e pesquisador estadunidense Kenneth Waltz, em 1979.

O Realismo Estrutural está associado aos comportamentos dos Estados nas relações internacionais.

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.