5 Artistas Contemporâneos que vale a pena conhecer

Laura Aidar

A arte contemporânea costuma ser a tendência artística que mais se aproxima da nossa realidade.

Tendo seu surgimento a partir da segunda metade do século XX, é produzida até os dias hoje.

Geralmente busca refletir angústias e anseios da sociedade, e pode nos ajudar a compreender e interpretar os acontecimentos no mundo e em nossas vidas.

Selecionamos 5 artistas contemporâneos que apresentam trabalhos importantes. São produções que nos levam ao questionamento e reflexão, aguçando nossa sensibilidade e valorizando o ser humano.

Confira!

1. Rosana Paulino

Rosana Paulino
A artista Rosana Paulino em frente da obra Parede de Memória

A paulistana Rosana Paulino possui um trabalho bastante potente. Os principais temas que aborda estão ligados a questões étnicas, sociais e de gênero.

Sua preocupação é revelar os diversos tipos de agressão que a mulher negra sofre na sociedade brasileira; resquícios da escravidão que assolou o Brasil por 400 anos.

Uma de suas obras que mais se destaca chama-se Bastidores, de 1997.

rosana paulino bastidores
Bastidores (1997)

Usando fotografias, linhas e bastidores de bordado, a artista coloca em evidência a violência e o silenciamento imposto às mulheres, sobretudo no ambiente doméstico.

O nome desse trabalho faz alusão ao que fica escondido nos “bastidores da sociedade”.

O trabalho consiste em retratos de mulheres negras impressos em tecido e grosseiramente costurados nas regiões dos olhos e boca, sugerindo olhos que não enxergam e bocas que não gritam.

2. Helena Almeida

Helena Almeida começou sua produção artística na década de 60. Nascida em 1934, em Lisboa, Portugal, é um dos grandes nomes no panorama artístico contemporâneo.

Com um trabalho bastante variado, ela mistura diversas linguagens como fotografia, pintura, performance e escultura.

Na maioria de suas obras utiliza seu próprio corpo como instrumento, provocando e questionando sobre o papel feminino e o fazer artístico.

Em um de seus trabalhos, Pintura habitada, de 1975, Helena procura fundir-se à obra de arte, integrando-se à tela.

helena almeida
Pintura Habitada (1975)

Nas palavras da artista:

Tudo estava em tudo, e eu compreendia isso, que era global. Que tudo estava em tudo, que a tela estava totalmente em mim da mesma forma que eu estava completamente na tela.

Helena Almeida faleceu em 25 de setembro de 2018, deixando uma extensa produção.

3. Claudia Andujar

A fotógrafa Claudia Andujar nasceu em 1931 na Suíça. Vítima da Segunda Guerra Mundial, perdeu quase toda a sua família e mudou-se para os EUA. Anos mais tarde veio ao Brasil e aqui fixou residência.

claudia andujar
Claudia Andujar posa em frente a fotografias expostas

Em 1971 começou um intenso trabalho fotográfico em aldeias indígenas da etnia Yanomami. Envolveu-se fortemente com essa cultura e decidiu deixar São Paulo. Muda-se então para o norte do país.

Viveu com os índios até 1978, quando foi perseguida pela ditadura militar. Enquadrada na lei de Segurança Nacional, ela é obrigada a deixar a tribo.

Durante esse período fotografou intensamente a simplicidade e beleza dos seres da floresta, os primeiros habitantes do Brasil.

claudia andujar fotografia
Claudia Andujar, Roraima - 1976

Em seu retorno à São Paulo passou a lutar pela causa dos índios. Podemos dizer que ela foi essencial para dar visibilidade e voz aos povos indígenas, sobretudo os Yanomami.

Claudia Andujar é um dos grandes nomes da fotografia contemporânea brasileira.

4. Leonilson

José Leonilson nasceu em 1 de março de 1957, em Fortaleza, no Ceará. Por meio do desenho, pintura e bordado, esse artista abordou questões relacionadas à homossexualidade e ao afeto.

Quase sempre em tom de confissão, sua obra tem um caráter autobiográfico e intimista. Entretanto, por ser tão delicada e sincera, conseguiu tocar profundamente toda uma geração.

Homossexual, Leonilson descobriu-se portador do vírus HIV em 1991, fato que transparece em seus últimos trabalhos.

leonilson
Jogos Perigosos (1990)

A partir de então sua produção passa a apresentar uma carga espiritual e demonstrar a fragilidade da vida.

As preocupações acerca do obscuro panorama social e político da década de 80 – pós ditadura militar - também estiveram presentes no início de sua carreira.

Falece em 28 de maio 1993, em São Paulo.

Em 2012 foi produzido o documentário Leonilson, sob o peso dos meus amores, com duração de 43 minutos, que conta a trajetória do artista. Confira abaixo.

5. Ron Mueck

O artista australiano Ron Mueck, nascido em 1958, é um daqueles nomes que não passam despercebidos na arte.

Sua produção consiste em esculturas hiperrealistas, nas quais reproduz figuras humanas, em grandes ou pequenas dimensões.

ron mueck

O escultor utiliza materiais como resina, silicone e fibras de vidro para criar personagens incrivelmente parecidos com "uma pessoa de verdade".

As figuras quase sempre estão em situações que demonstram a vulnerabilidade do ser humano, a solidão, o amor, a vida e a morte.

O público que se depara com suas obras, geralmente fica impressionado. É difícil quem não se identifique com as criações de Ron Mueck.

Em 2014, o artista expôs seus trabalhos na Pinacoteca de São Paulo. Veja um vídeo, feito na época, explicando um pouco sobre a produção desse talentoso escultor.

Laura Aidar
Laura Aidar
Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007. Formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design de São Paulo (2010).