Vícios de Linguagem

Daniela Diana

Os vícios de linguagem são desvios gramaticais que ocorrem por descuido ou desconhecimento das normas nos diferentes níveis linguísticos: fonético, semântico, sintático ou morfológico.

Pleonasmo Vicioso

Pleonasmo vicioso, também chamado de redundância, é a repetição de uma informação desnecessária na frase, por exemplo:

Vamos entrar pra dentro de casa. (entrar já supõe que seja pra dentro.)

Solecismo

O solecismo é o desvio sintático da língua, muito comum nas linguagens orais.

Reúne os erros de concordância (singular e plural), regência verbal ou nominal e a utilização de termos no lugar de outros corretos gramaticalmente, por exemplo:

Vamos no Cinema (Vamos ao cinema)

Barbarismo

Barbarismo é o uso incorreto da palavra ou do enunciado. Ele ocorre nos níveis fonéticos (erros de pronúncia), morfológicos (irregularidade na palavra) e semânticos (significados) da língua. São classificados em:

  • Silabada: também chamada de prosódia, consiste na mudança do acento tônico de alguma sílaba da palavra, por exemplo: gratuíto ao invés de gratuito.
  • Cacoépia: representa a pronúncia incorreta de uma palavra, por exemplo: pobrema ao invés de problema.
  • Cacografia: correspondem aos erros de ortografia, por exemplo: geito ao invés de jeito.
  • Estrangeirismo: designa o uso de termos estrangeiros, por exemplo: show ao invés de espetáculo.

Ambiguidade

Ambiguidade, também chamado de anfibologia, ocorre quando num determinado enunciado há duplicidade de sentidos, o que dificulta o entendimento do texto pelo ouvinte, por exemplo:

Roberto estava com Maria falando de sua mãe. (a mãe de quem?)

Eco

No eco ocorre a repetição de palavras que rimam (tem a mesma terminação).

Por isso, ele é muito utilizado nos versos dos textos literários. Apesar disso, é considerado um vício de linguagem nos textos em prosa e não-literários, por exemplo:

Certamente, realizamos o trabalho calmamente e alegremente.

Cacófato

O cacófato ou cacofonia ocorre a nível fonético da língua.

Ele apresenta uma construção sintática onde surgem sons engraçados, desagradáveis ou mesmo que confundem o ouvinte, por exemplo:

Vi ela ontem pela manhã (viela); Eu amo ela (moela).

Hiato

O hiato é um vício linguístico que representa a repetição de vogais no discurso. Ele provoca um fenômeno denominado dissonância (discordância sonora), por exemplo:

Pode escolher: ou eu ou ela!

Colisão

A colisão é um vício linguístico semelhante ao hiato onde ocorre a dissonância por meio da repetição de consoantes, por exemplo:

O cultivo coletivo das comunidades camponesas.

Plebeísmo

O plebeísmo é um vício de linguagem que consiste na utilização de termos coloquiais (gírias e palavras de baixo calão) ou de expressões informais, por exemplo:

Somos irmãos do peito. (expressão popular que designa a cumplicidade entre as pessoas)

Gerundismo

O gerundismo é o uso exagerado do gerúndio. Isso acontece quando essa forma nominal é utilizada no lugar de uma conjugação mais adequada em termos gramaticais, por exemplo:

Vou estar te telefonando logo no início das promoções. (Telefonarei logo no início das promoções)

Figuras de Linguagem x Vícios de Linguagem

Figuras de Linguagem são recursos linguísticos utilizados a fim de oferecer mais expressividade ou ênfase ao discurso. Por esse motivo, são muito utilizadas nos textos poéticos.

Já os vícios de linguagem representam desvios das construções da língua, os quais interferem na expressividade da linguagem.

Dessa maneira, se o erro for intencional, trata-se de uma figura de linguagem e não de um vício de linguagem.

Saiba mais sobre as Funções da Linguagem.

Curiosidade

O neologismo consiste na composição de novas palavras. Para alguns linguistas, ele é considerado uma figura de linguagem, enquanto outros, o consideram um vício da linguagem.

Da mesma maneira, o arcaísmo (utilização de palavras que caíram em desuso) transita nos dois conceitos: figura ou vício de linguagem. Isso vai depender da intenção do emissor.

Exercícios de Vestibular com Gabarito

1. (URCA) Sobre os vícios de linguagem, relacione a segunda coluna com a primeira:

(A) barbarismo;
(B) solecismo;
(C) cacófato;
(D) redundância;
(E) ambiguidade.

( ) É admirável a fé de meu tio;
( ) Não teve dó: decapitou a cabeça do condenado;
( ) Faziam anos que não morriam pessoas;
( ) Coitado do burro do meu irmão! Morreu.
( ) Intervi na briga por que sou intimerato.

A sequência correta, é:

a) D – C – A – B – E;
b) B – E – D – A – C;
c) C – D – B – E – A;
d) A – B – E – C – D;
e) E – A – C – B – D;

Alternativa c: C – D – B – E – A;

2. (FEI-SP) Identifique a alternativa em que ocorre um pleonasmo vicioso:

a) Ouvi com meus próprios ouvidos.
b) A casa, já não há quem a limpe.
c) Para abrir a embalagem, levante a alavanca para cima.
d) Bondade excessiva, não a tenho.
e) N.D.A.

Alternativa c: Para abrir a embalagem, levante a alavanca para cima.

3. (UFOP-MG) Qual o vício de linguagem que se observa na frase: “Eu não vi ele faz muito tempo”.

a) solecismo
b) cacófato
c) arcaísmo
d) barbarismo
e) colisão

Alternativa a: solecismo

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.