Wicca


A Wicca é uma religião neopagã fundada pelo inglês Gerald Gardner.

Trata-se da modernização de práticas ancestrais pagãs vividas na Grã-Bretanha.

Origem

Gerald Gardner nasceu numa família acomodada e sempre se interessou por história, antropologia, arqueologia e ciências ocultas.

Igualmente teve contato com a Maçonaria e gostava de ler sobre os antigos rituais celtas e pagãos que eram praticados na Grã-Bretanha.

Desta maneira, ele atualiza o conhecimento ancestral para o século XX e denomina esta prática de Wicca. A raiz desta palavra vem de wicce que daria o vocábulo “witch” em inglês e de wise, sabedoria.

Assim, Gardner esperava desassociar o mal da bruxaria que havia sido feita pelos cristãos. Por isso, enfatizava os valores positivos e o conhecimento sobre a natureza no lugar dos mistérios e ritos.

Afinal, a bruxaria tinha sido duramente perseguida pelo cristianismo em tempos passados. Até a década de 50, a prática estava proibida por lei no Reino Unido.

É importante lembrar que nem todas as pessoas que seguem algum tipo de religião neopagã são wiccanas. A Wicca é mais uma entre as muitas religiões pré-cristãs que estão ressurgindo.

Outro exemplo de religião neopagã se verifica em Stonehenge onde são celebradas festas não-cristãs.

Crenças

A Wicca é uma religião que acredita na existência de dois deuses: um masculino chamado de Cernunnos ou Cerunos e outro feminino, a Deusa Mãe.

Deusa Mãe - incriada e criadora, sempre existiu. Seu estado feminino permite encarnar as três condições da vida humana: virgindade (inocência), mãe (plenitude), anciã (sabedoria). Representada pela lua, sua adoração inclui a exaltação da fertilidade e do saber da cura e do cuidado.

Cerunos - também conhecido como o deus Cornífero é o esposo da deusa mãe. Um deus que nasce, morre e renasce, assim como a própria vida, as plantas, estações do ano, etc. Associado à virilidade e à masculinidade foi identificado erroneamente pelos cristãos como o diabo.

Deuses Wicca
Ilustrações da Deusa Mãe e de Cerunos

No entanto, a Wicca não exclui o culto a panteões como o nórdico, celta, assírio, grego, etc., se o fiel assim o desejar fazê-lo.

Do mesmo modo, creem na reencarnação em que todas as ações humanas voltam para quem as praticou (Lei Tríplice) e não aceitam a ideia de uma personificação do mal.

Seus adeptos se reúnem durante as festas como os Solstícios e Shabats a fim de realizar rituais de agradecimento, renovação e pedidos aos deuses. Também se encontram para estudar e aprofundar seus conhecimentos sobre a religião.

No entanto, cada fiel é livre para fazer seus próprios feitiços e poções individuais.

As festas e celebrações da Wicca são ligadas à natureza e às estações do ano, assim como acontecia no paganismo.

Rituais

Os rituais da Wicca seguem as fases da lua, os Solstícios e os Equinócios.

Há vários rituais que podem ser praticados em grupos grandes, pequenos ou mesmo sozinhos.

O importante é que o ambiente esteja limpo, purificado com ervas e que o altar esteja arrumado. As pessoas envolvidas devem saber de antemão qual será sua função dentro do ritual para que não haja dispersão de energia física ou espiritual.

Igualmente devem ser invocados os elementos e as deidades ao fazer o círculo.

Ao terminar, os círculo é rompido e pouco a pouco os participantes voltam ao presente. Pode-se servir algum alimento ou bebida para ajudara relaxar neste momento.

Convém registrar as experiências sentidas no Livro das Sombras, uma espécie de diário dos praticantes de religiões pagãs.

Símbolos

Muitos símbolos da Wicca são comuns às várias religiões pagãs. Inclusive a própria Wicca se utiliza símbolos de outras religiões como o Yin e Yang ou ainda a cruz egípcia em seus rituais.

Lua Tripla - a lua tripla representa as três faces da deusa: Donzela, Mãe, Anciã que estão relacionadas diretamente com as fases da lua crescente, cheia e minguante.

Triple Moon

Pentagrama - a estrela de cinco pontas presente em várias religiões e culturas também é encontrada na Wicca. Simboliza os cinco elementos, a união do cosmos, o feminino e o masculino, entre outros.

Pentáculo - um pentagrama dentro de um círculo. Este objeto é encontrado nos altares a fim de se realizar os ritos, conjúrios e feitiços.

Wicca pentáculo
Pentáculo

Altar Wicca

O altar wicca é a expressão da fé do wiccano.

Desta maneira é importante ter um altar em casa para realizar magias e purificar o ambiente. A quantidade de objetos vai depender do que o wiccano pretende realizar. Existem pessoas que preparam altares especiais para celebrar festas.

Certos elementos que não devem faltar:

  • Velas coloridas: uma para o deus e uma para a deusa e alguma ilustração que os simbolize.
  • Pentáculo: que representa os quatros elementos ar, água, fogo e terra.
  • Quatro elementos: há muitas maneiras de representá-lo, como a vela (fogo), incenso (terra), sal (ar) e um pote com água.
  • Faca de dois gumes cega: esta faca não serve para cortar, ou ao menos, só corta o ar. Se usa para canalizar energia e pode ser substituída pelo dedo índice.
  • Varinha mágica: geralmente de madeira e feita pelo próprio praticante, com um pedaço de quartzo.
  • Cálice: um elemento da deusa que deve ser usado exclusivamente para os rituais.
  • Caldeirão: geralmente de ferro onde serão queimadas ervas e demais elementos para as magias.
Altar Wicca
Altar Wicca

Wicca no Brasil

A religião Wicca chegou ao Brasil na década de 50 quando Gardner ensinava seu discípulos na Grã-Bretanha e posteriormente, nos Estados Unidos.

Igualmente, com a publicação do livro "Brida", de Paulo Coelho, esta crença se popularizou entre os brasileiros.

No Brasil há associações e até mesmo escolas que ensinam os fundamentos da Wicca.

Frases

  • "Faça o que desejar, sem a ninguém prejudicar". (Gerald Gardner)
  • “Nunca tire vantagem das pessoas ao qual sempre te ajudou, pois quando você menos esperar, precisará de uma simples presença e não a terá mais.”
  • "Mal nenhum. Esta é a antiga lei e ela não está aberta para interpretações ou mudanças".

Saiba mais:

Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.