Cromatografia

Lana Magalhães

Cromatografia é um processo de separação e identificação de componentes de uma mistura.

Essa técnica é baseada na migração dos compostos da mistura, os quais apresentam diferentes interações através de duas fases.

  • Fase móvel: fase em que os componentes a serem isolados "correm" por um solvente fluido, que pode ser líquido ou gasoso.
  • Fase estacionária: fase fixa em que o componente que está sendo separado ou identificado irá se fixar na superfície de outro material líquido ou sólido.

Para compreender a cromatografia, você precisa saber dois conceitos básicos:

  • Eluição: é a corrida cromatográfica.
  • Eluente: é a fase móvel, um tipo de solvente que vai interagir com as amostras e promover a separação dos componentes.

O processo cromatográfico consiste na passagem da fase móvel sobre a fase estacionária, dentro de uma coluna ou sobre uma placa. Assim, os componentes da mistura são separados pela diferença de afinidade através das duas fases.

Cada um dos componentes da mistura é seletivamente retido pela fase estacionária, resultando em migrações diferenciais destes componentes.

A cromatografia serve para identificação de substâncias, purificação de compostos e separação de componentes de misturas.

CromatografiaCom a cromatografia é possível separar os componentes de tinta de canetas

Tipos

Os tipos de cromatografia são divididos através dos seguintes critérios:

Forma física do sistema cromatográfico:

1. Cromatografia em coluna

A cromatografia em coluna é a mais antiga técnica cromatográfica. É uma técnica para separação de componentes entre duas fases, sólida e líquida, baseada na capacidade de adsorção e solubilidade.

O processo ocorre em uma coluna de vidro ou metal, geralmente, com uma torneira na parte inferior. A coluna é preenchida com um adsorvente adequado que irá permitir o fluxo do solvente.

Coluna cromatografiaCromatografia em coluna

A mistura é então colocada na coluna com um eluente menos polar. É usado uma sequência contínua de vários eluentes com o objetivo de aumentar a sua polaridade e consequentemente, o poder de arraste de substâncias mais polares.

Assim, os diferentes componentes da mistura irão se mover em velocidades distintas, conforme a afinidade com o adsorvente e eluente. Isso torna possível a separação dos componentes.

2. Cromatografia planar

A cromatografia planar compreende a cromatografia em papel e a cromatografia em camada delgada:

  • Cromatografia em papel: é uma técnica para líquido-líquido, no qual um deles é fixo a um suporte sólido. Recebe esse nome porque a separação e identificação dos componentes da mistura ocorre sobre a superfície de um papel filtro, sendo essa a fase estacionária.
  • Cromatografia em camada delgada: é uma técnica para líquido-sólido, na qual a fase líquida ascende por uma camada fina de adsorvente sobre um suporte, geralmente, uma placa de vidro colocada dentro de um recipiente fechado. Ao ascender, o solvente arrastará mais os compostos que interagiram menos na fase estacionária. Isso provocará a separação dos componentes mais adsorvidos.

Cromatografia em papelCromatografia em papel

Fase móvel empregada:

1. Cromatografia gasosa

A cromatografia gasosa é um processo de separação dos componentes da mistura através de uma fase gasosa móvel sobre um solvente.

Esse método ocorre em um tubo estreito, por onde os componentes da mistura irão passar por uma corrente de gás, que representa a fase móvel, em fluxo do tipo coluna. A fase estacionária é representada pelo tubo.

Os fatores que promovem a separação dos componentes são: a estrutura química do composto, a fase estacionária e a temperatura da coluna.

Etapas da cromatografia gasosa

Etapas da cromatografia gasosa

2. Cromatografia líquida

Na cromatografia líquida, a fase estacionária é constituída de partículas sólidas organizadas em uma coluna, a qual é atravessada pela fase móvel.

A cromatografia líquida compreende a cromatografia líquida clássica e a cromatografia líquida de alta eficiência:

  • Cromatografia líquida clássica: a coluna é preenchida, geralmente, uma só vez, pois parte da amostra usualmente se adsorve de forma irreversível.
  • Cromatografia líquida de alta eficiência: é uma técnica que utiliza bombas de alta pressão para a eluição da fase móvel. Isso faz com que a fase móvel possa migrar a uma velocidade razoável através da coluna. Assim, pode realizar a análise de várias amostras em pouco tempo. Porém, necessita de equipamentos específicos.

Etapas da cromatografia líquida

Etapas da cromatografia líquida

3. Cromatografia supercrítica

A cromatografia supercrítica caracteriza-se por utilizar na fase móvel um vapor pressurizado, acima de sua temperatura crítica.

O eluente supercrítico mais utilizado é o dióxido de carbono.

Fase estacionária empregada:

De acordo com a fase estacionária empregada, a cromatografia pode ser líquida ou gasosa:

  • Fase estacionária líquida: o líquido é adsorvido sobre um suporte sólido ou imobilizado sobre ele.
  • Fase estacionária sólida: quando a fase fixa é um sólido.

Leia também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.