O Pensador

Laura Aidar

Uma das esculturas mais conhecidas da história da arte ocidental sem dúvida é O Pensador, do artista francês Auguste Rodin.

A primeira versão dessa obra foi concebida em gesso no ano de 1880 e intitulada originalmente de O poeta. Possuía cerca de 70 cm de altura.

Mais tarde, Rodin foi incumbido de fazer um grande portal com 180 personagens esculpidas em bronze, a chamada A porta do inferno, que integraria o acervo do Museu de Arte Decorativa em Paris.

Nesse trabalho, um dos elementos é O Pensador, que se destaca na parte superior da composição.

o pensador
O pensador compondo a grande obra A porta do inferno

Para tal portal, Rodin produziu nova peça, dessa vez em tamanho natural, medindo 189 cm de altura, 68 cm de largura e 140 cm de profundidade.

A porta do inferno exibe como tema A Divina Comédia, do escritor italiano Dante Alighieri. O conjunto da obra foi produzido entre 1880 e 1917, levando 37 anos para ser finalizado.

Especula-se que o homem retratado seja uma representação de Dante Alighieri. Entretanto, há também a hipótese de que seja a figura de Adão pensando sobre suas atitudes, ou ainda, do próprio artista.

a porta do inferno
A porta do inferno possui 180 esculturas e tem 7 metros de altura

Rodin era grande admirador das esculturas de Michelangelo e isso se refletiu em O Pensador. É possível notar influências de ao menos duas de suas obras: Lorenzo de Medici e Crouching Boy.

Lorenzo de Medici, Michelangelo
Lorenzo de Medici, Michelangelo (1525)
Crouching Boy, Michelangelo
Crouching Boy, Michelangelo (1930)

O Pensador e a atividade reflexiva - Análise da obra

Nessa obra, há a representação de um homem nu que apoia sua cabeça em uma das mãos e exibe uma postura corporal e mental pensativa. O sujeito aparenta estar mergulhado em intensa ação meditativa e prestes a tomar uma importante decisão.

Seu corpo forte e musculoso sugere que o pensamento que o invade poderá ser o impulso para uma atitude a ser tomada em breve. Esse dualismo entre o pensamento e a ação é acentuado na obra e torna ainda mais potente a atividade reflexiva.

Rodin conhecia o potencial e a força de sua criação. Ele afirmou:

O que faz o meu pensador pensar é que ele pensa não só com o cérebro, com as sobrancelhas, as narinas distendidas e os lábios comprimidos, mas com cada músculo de seus braços, costas e pernas, com o punho cerrado e o aperto dos dedos do pé.

o pensador, detalhes da obra
Detalhes da obra O Pensador

Réplicas de O Pensador

O Pensador foi exibido separadamente pela primeira vez em 1888, em uma exposição individual. Depois disso, o artista recriou sua obra outras vezes, sendo que a mais conhecida tem 1,86 metros de altura.

Terminada em 1902 e apresentada ao público em 1904, a escultura foi levada ao Hotel Biron em 1922, local que mais tarde foi transformado no Musée Rodin.

O pensador de Rodin
O pensador, localizado no Musée Rodin, Paris

Esse trabalho é tão consagrado e importante na carreira do artista que há uma versão situada em seu túmulo, na França.

túmulo de rodin
O Pensador, no túmulo de Auguste Rodin

Existem diversas réplicas da célebre escultura em muitas partes do mundo. No Brasil, há também uma feita no molde original que se encontra em Pernambuco, no Instituto Ricardo Brennand.

o pensador no brasil
O Pensador localizada em Pernambuco, no Instituto Ricardo Brennand

Quem foi Auguste Rodin?

Auguste Rodin foi um artista francês que viveu de 1840 a 1917. Foi considerado o precursor da escultura no movimento da arte moderna. Sua obra O Pensador pertence a tal movimento.

O artista contribuiu muito para uma transformação na escultura vigente, trazendo novos contornos e maneiras de representação do corpo humano e exibindo torções e movimentos com insinuações expressionistas.

Rodin
Retrato do artista francês Auguste Rodin

Ainda assim sofreu grande influência dos mestres do passado. Pode-se dizer que ele conseguia unificar a tradição com novos métodos de criação.

Certa vez, afirmou:

Uma arte que tem vida não reproduz o passado; ela dá continuidade a ele.

O trabalho do escultor foi bastante criticado, pois entrava em conflito com o tipo de arte que era produzido até então. Rodin ponderava as críticas que recebia, mas sempre foi fiel ao seu estilo.

Laura Aidar
Laura Aidar
Laura Aidar é licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007. Formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design de São Paulo (2010).