Segunda Guerra Mundial

Juliana Bezerra

A Segunda Guerra Mundial ocorreu entre 1º de setembro de 1939 e terminou 8 de maio de 1945, e em 2 de setembro, no Pacífico.

As operações militares envolveram 72 países, entre os quais estão Grã-Bretanha, Estados Unidos e União Soviética, combatendo a Alemanha, Itália e Japão.

A contenda deixou cerca de 45 milhões de mortos, 35 milhões de feridos e três milhões de desaparecidos.

Calcula-se que o custo total da Segunda Guerra Mundial chegou a 1 trilhão e 385 bilhões de dólares.

Causas da Segunda Guerra Mundial

Entre os fatores que levaram à 2ª Guerra Mundial está o descontentamento da Alemanha com o desfecho da Primeira Guerra (1914-1918).

A Alemanha foi declarada a única culpada deste conflito, teve suas Forças Armadas reduzidas e teve que pagar indenizações aos vencedores.

Isto provocou fragilidade econômica, alta inflação e acúmulo de problemas sociais. Na década de 20, surgem movimentos radicais como o nazismo, liderado por Adolf Hitler, que conquistam parte da população.

Hitler defendia o nacionalismo, a ideia que os arianos eram uma raça superior e as demais deveriam ser submetidas ou eliminadas, especialmente, os judeus, considerados culpados de todos os males. Isto gerou o chamado Holocausto, que foi o assassinato em escala industrial deste povo.

Igualmente foram condenados e assassinados descapacitados mentais e físicos, comunistas, homossexuais, religiosos e ciganos.

Fases da Segunda Guerra

O conflito pode ser dividido em três fases:

  • As vitórias do Eixo (1939-1941);
  • O equilíbrio das forças (1941-1943);
  • A vitória dos Aliados (1943-1945).

A 2ª Guerra Mundial se iniciou com a invasão da Polônia pela Alemanha no dia 1º de setembro de 1939 e terminou com a rendição da Alemanha em 8 de maio de 1945. No Pacífico, porém, a contenda continuaria até a capitulação do Japão em 2 de setembro de 1945.

A frente de batalha era formada pelas nações do Eixo (integrado por Alemanha, Itália e Japão) e os países Aliados (Grã-Bretanha, União Soviética e Estados Unidos).

O Brasil declarou guerra ao Eixo em 22 de agosto de 1942 e mandou soldados para a Itália em 1944. Além disso, os Estados Unidos usaram uma base aérea em Natal/RN.

1ª fase: vitórias do Eixo (1939-1941)

A primeira fase da 2ª Guerra Mundial ocorreu com a invasão da Polônia pela Alemanha em 1939.

Na tentativa de barrar as incursões do chanceler alemão Adolf Hitler (1889-1945), os governos de França e Grã-Bretanha impuseram bloqueios econômicos à Alemanha. No entanto, não chegaram ao conflito direto.

Eficaz no campo de batalha, a Alemanha realizou em 1940, uma operação em que combinou ataques terrestres, aéreos e navais para ocupar a Dinamarca.

O exército alemão também tomou a Noruega como forma de salvaguardar o comércio de aço com a Suécia e marcar posição contra a Grã-Bretanha. Para tanto, foi ocupado o porto norueguês de Narvik.

Em maio de 1940, Hitler ordenou a invasão da Holanda e da Bélgica, e uma vez ocupados estes países, as tropas nazistas rumam à França e conseguem dominá-la.

A França assina o armistício com a Alemanha em 14 de junho de 1940 e é dividida em duas áreas: uma administrada pelos alemães e a outra, pelo Marechal Petáin, que colaborava com os nazistas.

Hitler volta seus olhos para a Grã- Bretanha e, no dia 8 de agosto, a Alemanha bombardeou as cidades britânicas com a Luftwaffe, a força aérea alemã. Embora tivessem em menor número, a Força Aérea Britânica (RAF), consegue neutralizar o ataque e o governo da Grã-Bretanha ordenou incursões em solo alemão.

Esta foi a única derrota de Adolfo Hitler na primeira fase da guerra e permitiu aos Aliados a recompor suas forças.

No ano seguinte, em 1941, o exército de Hitler chegou à Líbia, no norte da África, com objetivo de conquistar o canal de Suez. Em maio deste mesmo ano, Iugoslávia e Grécia foram ocupadas por tropas do Eixo.

2ª fase: equilíbrio de forças (1941-1943)

Segunda Guerra stalingrado
Com a vitória soviética em Estalingrado, os nazistas não conquistaram mais nenhum território

O equilíbrio das forças caracteriza a segunda fase da Segunda Guerra. Esta etapa se inicia em 1941 com a invasão da União Soviética pelos alemães e termina em 1943 com a capitulação da Itália.

A conquista da União Soviética tinha como finalidade a ocupação das regiões de Leningrado (hoje São Petersburgo), Moscou, Ucrânia e Cáucaso.

A entrada do exército alemão ocorreu pela Ucrânia e, posteriormente, seguiu para Leningrado. Quando as forças de Hitler chegaram a Moscou, em dezembro de 1941, foram contidas pelo Exército Vermelho.

Batalhas no Pacífico

Paralelo ao conflito na Europa, as forças do Japão e dos Estados Unidos tinham as relações estremecidas.

Antes da guerra, na década de 30, o Japão invadiu a China e em 1941, a Indochina francesa. Como consequência, em novembro daquele ano, os EUA decretaram o embargo comercial ao Japão, exigindo a desocupação da China e Indochina.

Em meio a negociações diplomáticas entre EUA e Japão, este bombardeou a base naval de Pearl Harbor, no Havaí, e prosseguiu a ofensiva contra os americanos na Ásia meridional e no Pacífico. Diante do ataque, os Estados Unidos declararam guerra ao Japão.

Os japoneses invadiram a Malásia Britânica, o porto de Cingapura, a Birmânia, a Indonésia e as Filipinas. No meio da tensão, o Japão ocupou o porto de Hong Kong e ilhas no Oceano Pacífico que pertenciam à Grã-Bretanha e aos Estados Unidos. Além disso, a Alemanha e a Itália declararam guerra aos Estados Unidos.

Até janeiro de 1942, a ofensiva japonesa resultou na conquista de 4 milhões de quilômetros quadrados e o comando de uma população de 125 milhões de habitantes.

O momento da virada: derrota alemã na União Soviética

O cenário da Segunda Guerra Mundial começa a mudar ao final de 1942, quando os Aliados passam a ter êxito contra os ataques do Eixo. A Batalha de Estalingrado marca essa fase, alterando o curso do conflito.

O Japão sofre importantes derrotas no Pacífico, sendo impedido de conquistar a Austrália e o Havaí.

As forças britânicas e americanas também tem êxito na Líbia e Tunísia. A partir do norte da África, os Aliados desembarcam na Sicília e invadem a Itália, em 1943.

Veja também: Principais Batalhas da Segunda Guerra Mundial

3ª fase: vitória dos Aliados (1943-1945)

A partir da capitulação da Itália, a Segunda Guerra Mundial entra na terceira fase, que termina com a rendição do Japão em setembro de 1945.

Na Itália, o governo de Benito Mussolini (1883-1945) é destituído pelo rei Vítor Emanuel III em julho de 1943. No norte do país é proclamada a República de Saló, um Estado reconhecido somente pelos países do Eixo. Em setembro do mesmo ano, a Itália firma o armistício com os Aliados.

Após esse ponto, a Itália muda de lado e declara guerra à Alemanha em outubro de 1943. Em abril de 1945, depois da captura das forças nazistas na Itália, Mussolini tenta fugir para a Suíça, mas é detido e fuzilado pela resistência.

O cerco à Alemanha se concretiza com a queda da Itália. Em paralelo, em 1944, os soviéticos libertaram a Romênia, a Hungria, a Bulgária e a Tcheco-Eslováquia.

Em 6 de junho daquele ano, ocorreu o Dia D, como é chamado o desembarque do exército Aliado na Normandia, (França), que provoca o recuo dos alemães e a libertação da França.

Ainda na Europa, o Exército soviético liberta a Polônia em janeiro de 1945, conquista a Alemanha e derrota o III Reich. Em 8 de maio, o conflito termina na Europa.

Já no Pacífico, os Estados Unidos pressionam o Japão e no fim de 1944, conquistam as ilhas Marshall, Carolinas, Marianas e Filipinas. A Birmânia é conquistada em 1945 e a ilha de Okinawa é ocupada.

Sem perspectiva de capitular, o Japão sofre a pior ofensiva bélica da Segunda Guerra Mundial. Em 6 de agosto de 1945, os Estados Unidos jogam uma bomba atômica sobre Hiroshima e em 9 de agosto fazem o mesmo em Nagasaki

A rendição do Japão é assinada em 2 de setembro de 1945, pondo fim ao conflito no Pacífico.

Veja também: Bomba de Hiroshima

O Brasil na Segunda Guerra Mundial

Inicialmente, o Brasil se manteve neutro na guerra, mas diante do bombardeamento de navios brasileiros, o governo de Getúlio Vargas declara guerra ao Eixo.

A participação ficou a cargo da FEB (Força Expedicionária Brasileira), formada em 9 de agosto de 1943 e integrada por um contingente de 25.445 soldados, permanecendo em combate durante sete meses.

Três mil soldados brasileiros foram feridos e 450 morreram.

Veja também: Brasil na Segunda Guerra

Consequências da Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial marcou profundamente o mundo contemporâneo.

A Alemanha não foi declarada culpada da guerra, como no conflito anterior, porém passou por um profundo processo de depuração ideológica.

Os países europeus se encontravam destruídos e com sua população reduzida. Somente com a ajuda americana, através do Plano Marshall, foi possível a reconstrução europeia.

Também foi concretizada a criação de um fórum internacional, a Organização das Nações Unidas (ONU), que seria um instrumento diplomático entre as nações para evitar a guerra.

No entanto, o grande vencedor da contenda foram os Estados Unidos, que não tiveram seu território invadido (exceto o Havaí). Desta maneira, o país não acumulava grandes perdas materiais, comparado aos países europeus.

A Europa também foi dividida em dois blocos econômicos de acordo com o país que libertou e ocupou as nações. Países do leste europeu como Polônia, Hungria e Romênia passara a sofrer influência da União Soviética e construíram governos de caráter socialista.

Já países como França, Bélgica e Holanda, se viram ocupadas pelos Estados Unidos e inauguram a época do Estado de Bem-Estar Social.

O confronto entre as duas ideologias marcou o mundo inteiro e foi conhecido como Guerra Fria.

Filmes sobre a Segunda Guerra Mundial

  • Adeus, meninos. Louis Malle.1987.
  • Círculo de Fogo, Jean-Jacques Annaud. 2001.
  • Dunkirk, Christopher Nolan, 2017.

Veja também: 12 Filmes sobre a Segunda Guerra Mundial

Temos mais textos sobre o assunto para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.