Toyotismo

Juliana Bezerra

O Toyotismo é um sistema (ou modelo) nipônico de produção de mercadorias, com vista à flexibilização na fabricação de produtos.

Este sistema vai substituir o Fordismo enquanto modelo industrial vigente a partir da década de 1970.

Origem do Toyotismo

O Toyotismo foi idealizado pelos engenheiros Taiichi Ohno (1912-1990), Shingeo Shingo (1909-1990) e Eiji Toyoda (1913-2013).

Este modelo produtivo foi desenvolvido entre 1948 e 1975 nas fábricas da montadora japonesa de automóveis Toyota, da qual herdou o nome.

O método foi elaborado para recuperar as indústrias japonesas no período pós-guerra. Com o país destruído, um mercado pequeno e dificuldade em importar matéria-prima, o Japão necessitava fabricar com o menor custo possível.

Eiji Toyoda e Taiichi Ohno
Eiji Toyoda e Taiichi Ohno idealizadores do Toyotismo

Características do Toyotismo

Taiichi Ohno percebeu que o melhor era esperar receber encomendas para começar a produção de automóveis a fim de economizar em aluguéis de armazéns.

Ao poupar espaço na estocagem de matérias-primas e mercadorias, as fábricas aumentavam a produtividade, uma vez que diminui o desperdício, o tempo de espera, a superprodução e os gargalos de transporte.

Apesar das condições geográficas do país, com espaços e mercados consumidores pequenos, a Toyota foi capaz de se tornar a maior montadora de veículos do mundo.

Isto só foi possível graças ao avanço tecnológico nos meios de transporte e comunicação, os quais permitiram a rapidez e pontualidade do fluxo de mercadorias da produção flexibilizada do sistema toyotista.

A sincronia entre os sistemas de fornecimento de matérias-primas, de produção e de venda, foi o segredo do sucesso.

Inovações do Toyotismo

O toyotismo introduziu mudanças que permitiram:

  • produção adequada à demanda;
  • redução dos estoques;
  • diversificação dos produtos fabricados;
  • automatização de etapas da produção;
  • mão de obra muito mais qualificada e multifuncional.

Os engenheiros da Toyota flexibilizaram totalmente a produção, fabricando e estocando apenas o necessário. O sistema de cronometragem ficou conhecido como “Just in time” (no tempo certo).

Fábrica de Automóveis
O Toyotismo aposta na inovação tecnológica para reduzir custos

A automatização, utilizando máquinas cada vez mais modernas, reduziu significativamente os gastos com mão de obra. Por sua vez, esta é extremamente qualificada e opera em equipes de trabalho lideradas pelo profissional mais capacitado.

Estes mesmos trabalhadores serão responsáveis pela inspeção de qualidade do início ao fim do processo produtivo.

Por fim, vale salientar os princípios do Toyotismo, quanto ao gerenciamento:

  • “Kaizen”: aprimorar as operações de negócios de forma ininterrupta;
  • “GenchiGenbutsu” (Vá e veja): consiste na análise das fontes dos processos produtivos e dos problemas de produção.

A partir da década de 1970, quando as sucessivas crises do petróleo abalaram o capitalismo, o modelo Toyotista vai se difundir mundialmente.

Este método foi um dos marcos da Terceira Revolução Industrial.

Fordismo e Toyotismo

O Toyotismo é herdeiro do Taylorismo e, principalmente, do Fordismo. Afinal, um dos seus idealizadores, Taiichi Ohno, foi a Detroit observar o funcionamento das montadoras americanas.

Vejamos as principais diferenças entre os dois métodos de produção:

FordismoToyotismo

Sistema de Produção

Produção em serie, rígida e centralizada

Flexível e versátil

Estrutura

Hierarquizada

Baseia-se na inovação, gestão do trabalho e mecanismos de controle interno das empresas

Divisão do trabalho

As tarefas são especializadas

Um operário controla várias máquinas e, deste modo, se reduz o número de trabalhadores

Produtos

Produção em grande quantidade, de um mesmo produto

Diversidade na produção, devido às constantes exigências de consumo

Salários

Salários altos, pois se buscava que os trabalhadores fossem consumidores.

Não se respalda em altos salários, mas sim em prêmios pela produtividade

Estoques

Sempre há produtos estocados

A estocagem dos produtos deve se adequar à demanda

Críticas ao Toyotismo

As mesmas vantagens pregadas pelor Toyotismo podem se converter em problemas sérios. Afinal, este modelo é dependente da importação de matérias-primas e não possui estoques significativos de produtos.

Com a produtividade em alta, menos mão de obra é necessária, o que gera um grande aumento no desemprego, em função da tecnologia que diminui os postos de trabalho.

Portanto, este modelo industrial é um dos principais responsáveis pelo desemprego no setor secundário da economia. Igualmente, pelo aumento das terceirizações no processo de produção.

Curiosidades

  • Da lógica de controle permanente de qualidade do Toyotismo, surgem os certificados de qualidade ISO que agora são respeitados em todo o mundo.
  • A Toyota investiu muito as pesquisas de mercado para adequar seus produtos às exigências dos clientes.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.