Zooplâncton

Lana Magalhães

O zooplâncton corresponde ao grupo de organismos que vivem flutuando em ambiente marinho e de água doce. É um dos componentes do plâncton.

O termo deriva do grego zoon (animal) e planktos (a deriva), ou seja, significa "animais a deriva".

Lembre-se, o plâncton abrange os microrganismos que fazem parte dos ecossistemas aquáticos. Pode ser do tipo zooplâncton e fitoplâncton.

Saiba mais sobre o Plâncton.

Características e Espécies do Zooplâncton

O zooplâncton é constituído por uma grande diversidade de organismos. Entre eles estão os protozoários, vermes, crustáceos e larvas de insetos.

As larvas de insetos, apesar de constituírem o zooplâncton, raramente são encontradas.

Existem algumas diferenças entre o zooplâncton marinho e o zooplâncton de água doce. No ambiente marinho é encontrada maior quantidade de seres do filo dos invertebrados. O zooplâncton de água doce é caracterizado pela menor diversidade de espécies.

O zooplâncton, em geral, alimenta-se do fitoplâncton e bactérias. São considerados os consumidores primários de ambientes aquáticos. Por sua vez, servem de alimento para outros organismos, como os peixes.

Devido à diversidade de espécies que o compõem, o zooplâncton apresenta diversas características.

Protozoários

Os protozoários são seres simples e unicelulares. Os principais grupos de protozoários encontrados no plâncton pertencem aos filos Ciliophora e Sarcomastigophora.

A maioria são de vida livre e incluem os ciliados, flagelados e sarcodinas.

A alimentação é variada e podem ser bacteriófagos (alimentam-se de bactérias), detritívoros (alimentam-se de matéria orgânica), herbívoros, carnívoros e até canibais.

Os protozoários possuem um importante papel ecológico na reciclagem da matéria orgânica, ao transformá-la em partículas menores e permitindo que sejam consumidas por outros seres do zooplâncton (rotíferos e microcrustáceos).

Rotíferos

Os rotíferos são seres microscópicos, com variados tamanhos e formas corporais. Por muito tempo foram classificados no mesmo grupo das lombrigas (vermes). Atualmente, são enquadrados dentro do filo Rotifera.

Rotífero

Rotífero

Quanto à alimentação, os rotíferos podem ser onívoros, herbívoros e carnívoros.

Em ambientes de água doce, os rotíferos costumam apresentar o maior número de espécies, em comparação com os outros componentes do zooplâncton.

Em termos ecológicos, os rotíferos servem de base para a alimentação de peixes em estado larval.

Crustáceos

Os crustáceos presentes no zooplâncton pertencem aos grupos dos copépodes e cladóceros. Por serem pequenos, podem ser chamados de microcrustáceos.

Os copépodes possuem 12.000 espécies, é o grupo mais diversificado dos crustáceos. Eles são encontrados em ambiente de água doce e salgada.

Os copépodes podem ser herbívoros, onívoros, carnívoros ou detritívoros.

Copépoda

Copepoda

Os cladóceros são, em geral, de água doce. Alimentam-se da matéria orgânica, fitoplâncton e bactérias.

Fitoplâncton

Ao contrário do zooplâncton, o fitoplâncton compreende o conjunto de algas microscópicas fotossintetizantes e unicelulares que habitam os ecossistemas aquáticos. Podemos dizer que é a parte vegetal do plâncton. Enquanto o zooplâncton é a parte animal.

Os grupos mais abundantes e representativos do fitoplâncton são as algas do grupo dos dinoflagelados e das diatomáceas.

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.