Estado de Alagoas


O Estado de Alagoas está localizado na região Nordeste do Brasil. A capital é Maceió e a sigla AL. A população do Estado, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é de 3.340.932 habitantes.

A área de Alagoas é 27,8 mil Km2 e o estado é dividido em 102 municípios. Faz divisa com Pernambuco ao norte e noroeste, com Sergipe ao sul, Bahia a sudoeste e o Oceano Atlântico a leste.

É dividido em três regiões: o litoral arenoso, a Zona da Mata e o Agreste.

Estado de AlagoasBandeira de Alagoas

Dados Econômicos

As principais atividades econômicas de Alagoas são a extração de petróleo, indústria, pecuária, agricultura e aquicultura. No estado são produzidos abacaxi, arroz, cana-de-açúcar, coco, feijão, fumo, mandioca e milho.

A atividade pecuária é destacada criação de bovinos, caprinos, suínos e bubalinos. Também é forte a produção de equinos.

A indústria é mercada pelo processamento de cana-de-açúcar e, por este motivo, é importante a participação do estado no fornecimento de açúcar e álcool. Também é destacada a produção de cimento.

Entre os pontos fortes da economia alagoana está a aquicultura. Os itens retirados em escala comercial são: alevinos, camarões, carpa, cirumatã, curimbatá, paiu, papara, paiauçu, iava, pintado, cachara, tambaqui, surubim, entre outros.

Também são produzidos em fazendas em rios e no mar, rãs, jacarés, siri, caranguejo, camarão, tilápia e lagosta.

Clima e relevo

O estado é influenciado pelo clima tropical, com temperaturas médias de 24ºC. As chuvas são abundantes na região do litoral Atlântico e ficam escassas na faixa do semiárido. Os rios desembocam no São Francisco e no Atlântico.

Hidrografia

É justamente pela hidrografia que o estado recebeu o nome de Alagoas. Na região há inúmeros lagos que se comunicam uns com os outros.

Seus principais rios são o Mundaú e o Paraíba do Meio. A maior parte dos rios nasce no planalto da Borborema e corre para o Rio São Francisco.

História

A região que hoje é ocupada pelo Estado de Alagoas foi alvo de disputa pelos franceses e holandeses.

As primeiras investidas ocorreram por parte dos franceses, que invadiram a região no início do século XVI.

Somente em 1535, a Coroa Portuguesa expulsou os invasores e retomou o espaço em ações comandadas por Duarte Coelho, que era o donatário da capitania de Pernambuco.

A estratégia de Coelho foi incentivar o plantio de cana-de-açúcar e a construção de engenhos na região. Ainda assim, os holandeses promoveram invasões a partir de 1630. A retomada pelos portugueses ocorreu em 1645.

A autonomia de Alagoas ocorreu em 1706, quando foi elevada a comarca e, em 1817, a capitania. O estado ganhou a primeira Constituição em 11 de junho de 1891.

Leia também: Capitanias Hereditárias.

Quilombo dos Palmares

Alagoas foi palco da maior revolta de escravos ocorrida no Brasil. Em 1630, começou a organização do Quilombo dos Palmares, sob a direção de Zumbi, um escravo revoltoso.

O quilombo contou com 30 mil habitantes que, cultivaram produtos de subsistência, como milho, mandioca, batata, feijão, cana-de-açúcar e banana. O grupo resistiu até 1694, quando o quilombo foi destruído.

Leia mais em: Quilombos.

Índios de Alagoas

A população indígena de Alagoas é composta por 5,6 mil indivíduos representantes de oito povos distribuídos em uma área de 18,8 mil hectares. Há, hoje, três áreas demarcadas pela Funai (Fundação Nacional do Índio) no Estado. O órgão é o responsável pela administração dos assuntos indígenas no Brasil.

Cultura

A cultura alagoana é um misto de influências indígenas, africanas e europeias. Essa influência é percebida nas festas, no artesanato e na culinária.

O artesanato é marcado pela confecção de rendas exclusivas, em traçados coloridos. As rendas, chamadas, filé, labirinto e boa noite, são usadas para confeccionar cestas, bolsas, roupas, toalhas e etc.

O principal ícone das festas alagoanas é o Guerreiro, um mosaico de vários autos que lembra os indígenas, negros e europeus. O Guerreiro é acompanhado de pandeiro, tambor e safona.

Há, ainda, as baianas, o Bumba meu boi, o toré de índios, caboclinhos, cavalhada, o fandango e o coco alagoano.

Entre as muitas festas, há uma que celebra exclusivamente a chegada do europeu. É a Chegança, um auto marítimo. Nessa manifestação, os participantes vestem-se de tripulação e dançam ao som do pandeiro.

Saiba tudo sobre a Região Nordeste nos artigos:

Estado de AlagoasMapa de Alagoas