Linguagem Publicitária

Daniela Diana

A Linguagem Publicitária é aquela utilizada nas mensagens publicitárias, a qual possui forte intencionalidade de provocar sensações no leitor, ou seja, de convencê-lo.

Aspectos da Linguagem Publicitária

Note que a linguagem publicitária não precisa ser necessariamente escrita, ou seja, esse tipo de discurso utiliza de outras modalidades ou pluralidade de códigos, seja a linguagem escrita, visual e auditiva, com o objetivo central de conquistar o público.

Os meios mais comuns de encontrarmos a linguagem publicitária é nas faixas, cartazes, anúncios, outdoors, revistas, dentre outros.

Antes de mais nada, devemos lembrar que o principal intuito da linguagem publicitária é persuadir as pessoas.

Nesse caso, pensemos nas empresas que utilizam da linguagem publicitária, para difundir determinada marca, produto ou serviço e aumentar suas vendas (lucro).

Elas focam sobretudo, na linguagem persuasiva, ou seja, com o intuito de convencer as pessoas a comprar ou adquirir tais produtos e serviços.

Já que a intenção maior da linguagem publicitária é persuadir as pessoas, ela é muito atrativa, ou seja, chama a atenção da população, envolvendo a linguagem verbal e não verbal, por exemplo, imagens atrativas e coloridas, frases de efeito, ou mesmo, a interação com o público, tal qual ocorre em algumas campanhas publicitárias.

Muitas vezes, os textos publicitários misturam a linguagem verbal (textos, letras, palavras) com elementos que apresentam uma linguagem não-verbal, tal qual as fotografias, imagens, desenhos, dentre outros.

O que importa, afinal, é conquistar o público e por isso, a linguagem publicitária é cuidadosamente produzida por meio de efeitos retóricos, aspectos estilísticos, recursos expressivos e técnicas argumentativas peculiares.

De tal modo, para atrair o público ela utiliza a linguagem coloquial, ou seja, a linguagem informal, dinâmica e cotidiana, em detrimento da linguagem formal ou culta.

Além disso, outra importante caraterística das mensagens publicitárias é a criatividade, donde o uso do humor torna-se uma ferramenta recorrente para atrair o público.

Funções da Linguagem

De acordo com a intencionalidade do locutor (ou enunciador) do discurso linguístico, fica claro que a linguagem possui diversas funções, no entanto, todas compartilham a mesma intenção: de interagir com o interlocutor (receptor da mensagem).

Essas funções foram estruturas pelo linguista russo Roman Jakobson (1896-1982), em 1960.

Segundo os estudos de Jakobson, a linguagem possui seis funções, sendo a linguagem publicitária sobretudo de “função conativa”, mas que pode também apresentar a “função poética”, em alguns casos:

  • Função Referencial: informar sobre algo no sentido denotativo, ou seja, destituída de subjetividade, por exemplo, os textos jornalísticos.
  • Função Emotiva: discursos marcados pela subjetividade do locutor, por exemplo, os diários pessoais, repletos de emoções e sentimentos do autor.
  • Função Poética: de caráter subjetivo, essa função é caraterística dos textos literários, por exemplo, os poemas. Entretanto, ela pode ser usada na linguagem publicitária.
  • Função Fática: utilizada para interromper ou estabelecer a comunicação e a interação entre o locutor (emissor) e o interlocutor (receptor), essa função é característica dos diálogos (cumprimentos, saudações, despedidas, conversas no telefone, etc.).
  • Função Conativa: utiliza a linguagem apelativa, persuasiva com o intuito de convencer o receptor da mensagem, por exemplo, as mensagens publicitárias.
  • Função Metalinguística: uso de metalinguagem (linguagem que fala dela mesma), por exemplo, os verbetes de dicionários e as gramáticas que explicam a linguagem escrita, através dela mesma.

Veja mais em: Funções da Linguagem e Ambiguidade.

Características da Linguagem Publicitária

Para facilitar o estudo, segue abaixo as principais características da linguagem publicitária:

  • Intenção principal de convencer o leitor
  • Linguagem dinâmica, coloquial, direta, simples e acessível
  • Intertextualidade (relação com outros textos) e humor
  • Recursos visuais, sonoros e interativos
  • Linguagem retórica, apelativa e persuasiva
  • Verbos no imperativo e uso de vocativo
  • Linguagem conotativa (figurada) para gerar múltiplas interpretações
  • Figuras de linguagem e/ou vícios de linguagem
  • Função apelativa da linguagem (conativa)
  • Rimas, ritmo e trocadilhos
  • Neologismos e estrangeirismos

Exemplos

Segue abaixo, alguns exemplos da linguagem publicitária:

  • Abuse e use C&A! (Lojas de roupas e acessórios C&A)
  • Beba Coca-Cola! (Coca-Cola)
  • Compre Baton! (Chocolates Baton)
  • Vem pra Caixa você também! (Banco Caixa Econômica Federal)
  • É impossível comer um só! (Salgadinhos da Cheetos)
  • Tem 1001 utilidades. (Esponja de aço: Bombril)
  • Se é Bayer é bom. (Indústria Farmacêutica Bayer)
  • É Gripe? Benegripe! (Remédio benegripe)

Saiba mais no artigo: Texto Publicitário.

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.