Rússia

Juliana Bezerra

A Rússia, cujo nome oficial é Federação Russa, é o maior país em extensão territorial do mundo.

Embora seja a 11ª economia mundial, a Rússia tem um importante papel geopolítico, pois é o segundo país mais armado do planeta.

Dados Gerais

  • Nome: Federação Russa
  • Capital: Moscou
  • Moeda: rublo russo
  • Regime de governo: República semi-presidencialista
  • Presidente: Vladimir Putin (desde 2012 até o presente)
  • Idioma: russo (oficial) e mais 31 línguas co-oficiais
  • População: 144 milhões (2017)
  • Área: 17,075,200 km2
  • Densidade demográfica: 8 habitantes por km2.
  • Cidades: Moscou, São Petersburgo, Volgogrado, Yekaterinburg, Vladivostok, Sochi.

Bandeira

A bandeira russa é feita de três linhas horizontais branca, azul e vermelha. Suas origens remontam ao século XVII quando era a bandeira do reino da Rússia, já sob a dinastia Romanov.

Após ser substituída pela bandeira da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em 1917, o pavilhão voltou a tremular quando a URSS se dissolveu. Desta maneira é o símbolo do país desde dezembro de 1993.

Bandeira da Rússia
Bandeira da Rússia

Saiba mais em Bandeira da Rússia

Mapa

O território russo foi se expandindo ao longo de séculos. Primeiro, ocupado pelos povos eslavos que foram se organizando para combater os vikings.

As terras a leste estiveram ocupadas pelo Império Mongol fundado por Genghis Khan e a medida que este se enfraquecia, os russos somavam conquistas.

Atualmente, a Federação Russa faz fronteira com 17 países e possui 11 fusos horários diferentes.

Mapa da Rússia
Mapa da Rússia

Fronteiras

  • Finlândia
  • Noruega
  • Estônia
  • Lituânia
  • Letônia
  • Polônia
  • Bielorrússia
  • Moldávia
  • Ucrânia
  • Geórgia
  • Azerbaijão
  • Cazaquistão
  • Mongólia
  • China
  • Coreia do Norte
  • Japão e Estados Unidos (fronteiras aquáticas)

EUA x Rússia

Embora a Rússia não seja mais a segunda potência econômica do mundo, seu peso geopolítico é inegável.

A relação com os Estados Unidos continua delicada, pois ambos disputam a supremacia na Ásia. Igualmente, sempre existe o cuidado com o arsenal bélico e nuclear que este imenso país possui.

Desde o começo da Guerra na Síria, em 2011, Rússia e Estados Unidos têm travado uma tensa batalha onde disputam a influência do conflito e da região.

Por enquanto, os russos têm tomado a dianteira ao mandar tropas. No entanto, eles apoiam o presidente sírio Bashar al-Assad, que agora se tornou a "persona non-grata" para o Ocidente.

Também o presidente Vladimir Putin tem sido acusado de ingerência em assuntos internos americanos como foi o caso da eleição do presidente americano Donald Trump em 2015.

Direitos Civis

A democracia se consolida na Rússia através das eleições e da extinção da censura. No entanto, alguns direitos civis ainda não são respeitados em sua totalidade.

Testemunhas de Jeová

Em 20 de abril de 2017, o Supremo Tribunal de Justiça Russa declarou como extremistas as atividades das Testemunhas de Jeová em todo país.

Assim, suas propriedades foram confiscadas e todo fiel que pertença a esta religião for flagrado distribuindo material ou reunidos, pode ser condenado com até 10 anos de prisão. A decisão do Tribunal russo levantou protestos em todo mundo.

As Testemunhas de Jeová foram perseguidas durante o Stalinismo na URSS e calcula-se que 10.000 tenham sido deportadas ou presas.

Com a volta da democracia parecia que o problema estava superado, mas em 2004 um tribunal de Moscou já os havia acusado de incitar seus membros ao suicídio. Deste modo, a comunidade moscovita teve que ser dissolvida.

Com 170.000 praticantes na Rússia, as Testemunhas de Jeová tornaram-se o novo alvo da política centralista de Vladimir Putin.

História

Em 1547, o grão-ducado de Moscou já era um poder regional considerável e o príncipe Ivan é o primeiro a ser coroado como Tsar, palavra russa que significa “César”. Afinal, os russos se consideravam os herdeiros espirituais do Império Bizantino.

A partir deste reinado, os russos atravessam os Montes Urais e começam sua expansão pela Ásia. Após um período conhecido como o “Tempo dos Problemas”, os russos elegem um príncipe da dinastia Romanov para ser o monarca.

O século XIX será de extrema importância para a Rússia. O país sai vitorioso das Guerras Napoleônicas e conquista territórios como a Finlândia, o Turquestão, China, o sul do Cáucaso e o Alasca.

O Império Russo começa a ruir com o reinado do Tsar Nicolau II. Apesar de abolir a servidão e trazer melhorias para a população, sua atuação em guerras contra o Japão e a Primeira Guerra Mundial terminaram por diminuir sua popularidade.

Nicolau II reinou até 1917 quando abdicou pressionado pela Revolução Russa e posteriormente, assassinado junto a sua família pelos socialistas.

Na década de 20, com a morte de Lenin e sob a férrea liderança de Stalin, a Rússia se transforma na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

Usando métodos de coletivização forçada, censura, culto à personalidade e prisões como o Gulag, Stalin consegue alçar o país a uma potência industrial, agrícola e militar.

Propaganda Stalin
Cartaz mostrando Stalin como o líder que levaria vários povos da URSS para uma nova sociedade

Desta maneira, o país se encontra pronto para a Segunda Guerra Mundial e consegue fazer frente ao Exército alemão à custa de muito sacrifício.

Aliada do Reino Unido e Estados Unidos, o Exército Vermelho sai vitorioso e a URSS estende sua influência ao Leste Europeu.

Esta polaridade entre capitalismo e socialismo será acentuada nas décadas posteriores com o período da Guerra Fria.

Nesta época, URSS e EUA vão travar uma guerra ideológica que permeará todo os âmbitos da vida civil, política e militar.

Os Jogos Olímpicos, a corrida espacial, a cultura, tudo era pretexto para que as duas potências mostrassem ao mundo as vantagens de cada um dos sistemas.

Os dois países nunca se enfrentaram diretamente, mas através de seus aliados. O mundo conteve a respiração, por exemplo, durante a Guerra da Coreia e da Crise dos Mísseis, em Cuba. O perigo de uma guerra nuclear parecia real e iminente.

Entretanto, as guerras continuaram a serem realizadas na periferia do mundo e sem grandes prejuízos para ambos os países.

Fim da URSS

Na década de 80, com a ascensão de Mikhail Gorbachev como secretário do Partido Comunista começou uma nova era para a União Soviética. Gorbachev estabeleceu o diálogo com o presidente Ronald Reagan e a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher.

O objetivo era garantir que as políticas de Perestroika e Glasnost tivessem aprovação internacional, a fim de garantir uma transição tranquila para a União Soviética.

No entanto, isso não foi possível, porque a pressão nacionalista interna foi maior. Vários países, então, aproveitaram para proclamar a independência e cortar os laços com a Rússia.

Igualmente, as potências capitalistas não acudiram com nenhum tipo de ajuda financeira ao país.

Leia mais sobre a URSS e o Fim da URSS.

Federação Russa

Após a dissolução da União Soviética, a Rússia passou a se chamar Federação Russa, adotou a antiga bandeira pré-1917 e organizou eleições livres.

Houve uma grande expectativa de como a maior das repúblicas soviéticas iria atuar em relação a seus antigos estados-membros

Com o intuito de não perder a influência e o contato das ex-Repúblicas soviéticas, a Rússia propôs a criação da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). Esta organização pretende ser uma associação não governamental que reúna as antigas repúblicas integrantes da URSS.

No plano interno, o presidente Boris Iéltsin consegue, através de um golpe, fechar o Parlamento (a Duma) e fazer a transição do socialismo para o neoliberalismo. Esta passagem não foi fácil devido à falta de regulamentação e à corrupção da oligarquia russa. O mandatário também enfrentou conflitos na Chechênia e no Kosovo.

Sem apoio popular e do seu próprio partido, Iéltsin renuncia à presidência em 31 de dezembro de 1999. Seu posto seria ocupado pelo então vice-presidente Vladimir Putin que se tornaria uma figura marcante da política russa nas duas primeiras décadas do século XXI.

Economia

O território russo é rico em níquel, ferro, diamante, petróleo, gás natural e o país guarda 1/4 da reserva de água doce do planeta. Já a indústria é voltada para o setor de armamentos e aeroespacial.

Após a década de 90 ter sido bastante complicada por causa da transição do socialismo para o capitalismo, a economia russa voltou a crescer.

A partir de 2000, com a eleição de Vladimir Putin, o país adotou definitivamente a economia liberal para competir com o mundo capitalista. No período de 2000-2008 a Rússia alcançou taxas de crescimento de 8% ao ano.

No entanto, com a crise de 2008, a grande nação eslava sofreu um duro golpe. Primeiro houve a desvalorização do rublo em 10% e o aumento do gasto público. Ao mesmo tempo, Putin cassava os direitos civis dos cidadãos e sufocava qualquer tentativa de mais autonomia por parte dos estados que formam a Federação Russa.

Russia
Aposentadas vendem produtos na rua em Moscou

Assim, em 2012, a economia começou a desacelerar. Podemos apontar alguns motivos como a falta de:

  • integração ao comércio internacional;
  • competitividade;
  • segurança jurídica.

Soma-se a isso às sanções impostas econômicas por conta da crise na Ucrânia e a anexação da Crimeia.

Atualmente na Rússia 19 milhões, de pessoas se encontram por debaixo do limite da pobreza. Paradoxalmente é o país que registra o maior número de crescimento de bilionários no mundo.

Por conseguinte, para sair do seu isolamento, a Rússia tem fomentado sua participação em acordos econômicos como a União Econômica Eurasiática ou o Brics.

A Rússia faz parte de vários fóruns econômicos como o G8 e o G20.

Cultura

Por ser um país vasto e que mescla uma dezena de povos, a cultura russa é rica e variada.

Os reis russos patrocinavam as artes e compravam uma grande quantidade de quadros, esculturas e antiguidades para impressionar seus vizinhos. Basta mencionar que o maior museu do mundo, o Hermitage, situa-se no país.

Além disso, 25 cidades russas são consideradas Patrimônio da Humanidade pela Unesco como Derbente, Bogar ou o centro histórico de São Petersburgo.

O artesanato russo é rico em detalhes e suas roupas bordadas eram um sinal de distinção para os camponeses.

O objeto mais popular do artesanato russo são as "matriochkas". Estas constituem numa série de bonecas em tamanhos crescentes que permitem serem encaixadas uma dentro da outra.

Bonecas russas
Exemplo de "matriochkas"

Destacamos as contribuições artísticas russas que influenciaram o Ocidente.

Música

A música russa tem larga tradição e seus instrumentistas estão entre os melhores do mundo. Compositores como Alexander Borodin, Igor Stravinski, Sergei Rachmaninoff, Modeste Moussorgski e Mikhail Glinka têm suas peças interpretadas até hoje em todos os grandes teatros do mundo.

Dança

Além das vigorosas danças folclóricas, os russos elevaram o balé a um novo patamar através de coreografias elaboradas, novas técnicas e intérpretes.

A escola de balé do Teatro Bolshoi é considerada uma das melhores do mundo. Em 2000, a instituição abriu sua única filial pelo mundo na cidade de Joinville, em Santa Catarina.

Balé russo
Trecho do balé "O Lago dos Cisnes"

Um dos compositores mais influentes do balé clássico foi Piotr Tchaikovsky que compôs obras como “O Lago dos Cisnes”, “O Quebra-Nozes”, “A Bela Adormecida” e “Onegin”.

Literatura

A Rússia se destacou no campo das letras com escritores como Leon Tolstói, Fiodor Dostoïevski, Anton Tchekhov, Vladimir Maïakovski e Alexander Pushkin.

O país já foi agraciado 5 vezes com o prêmio Nobel de Literatura.

Pintura

Herdeiros da Arte Bizantina, a pintura russa se desenvolveu ao lado da religiosidade e espiritualidade dos ícones religiosos.

Um dos pintores mais influentes do século XX foi o russo Wassily Kandinsky que abriu novas possibilidades com seu expressionismo e o abstracionismo dos seus quadros.

Pintura russa
"Amarelo, Vermelho e Azul", de Kandinsky

Após a Revolução Russa, a escola artística que predominou no país foi o realismo socialista. Esta tinha como objetivo obras exaltar o novo mundo que estava sendo construído pelos socialistas.

Religião

Os russos adotaram o cristianismo em 988 quando o Grande-Príncipe de Kiev e de todas as Rússias, Vladimir I, introduziu a religião do Império Bizantino. Desta maneira, a maioria dos russos são católicos ortodoxos.

Também é por esta razão que os russos adotaram o alfabeto cirílico e não latino.

Curiosidades

  • Os russos também têm suas superstições. É considerado de mal gosto presentear alguém com um buquê com um número par de flores, pois traria azar. Somente um arranjo de 5,7 ou 9 flores é bem-visto.
  • Apesar de atualmente adotar o calendário gregoriano, a Igreja Ortodoxa Russa ainda segue o antigo calendário. Por isso, o país comemora o Natal em janeiro.
  • A Rússia tem cerca de mais de 9 milhões de mulheres a mais que homens.
  • Em Moscou, os carros particulares podem ser táxis. Basta fazer o sinal e combinar o preço da corrida com o motorista.
  • A Rússia tem fama de ser um país em que acontecem situações curiosas e que são divulgados via Internet. Por isso, o Paraná tem sido chamado de "Rússia Brasileira" por causa dos acontecimentos aparentemente bizarros que acontecem naquele estado e são postados nas redes sociais.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.