Agricultura Orgânica

Lana Magalhães

A agricultura orgânica, também chamada de biológica, é um tipo de agricultura alternativa que tem por finalidade a oferta de produtos saudáveis, priorizando a qualidade do alimento.

É realizada por meio de técnicas específicas que contrapõem a utilização de agrotóxicos e fertilizantes em todas as fases do processo.

A terminologia teve origem na década de 20, enfatizando a importância de produzir alimentos sadios que possibilitassem benefícios à saúde. Com isso, apresentava como questão fundamental a não utilização de agrotóxicos.

Essas condições despertaram na população a conscientização para o consumo de alimentos mais saudáveis.

Agricultura orgânica
A agricultura orgânica prioriza a qualidade do alimento

Principais Características da Agricultura Orgânica

A agricultura orgânica diversifica os produtos cultivados com o intuito de garantir o equilíbrio ambiental, sobretudo do solo.

Além disso, utiliza técnicas de baixo impacto ambiental com foco na sustentabilidade e na conservação dos recursos naturais.

Enquanto que a agricultura mecanizada possui o foco na alta produção e utiliza produtos tóxicos nas plantações para acelerar o processo de cultivo.

Em resumo, as principais características da agricultura orgânica são:

  • Viabiliza a conservação e fertilidade do solo, garantindo o equilíbrio ambiental;
  • Minimiza o impacto sobre o meio ambiente;
  • Otimiza o uso dos recursos naturais, garantindo a sustentabilidade ecológica;
  • Agrega valor aos Alimentos Orgânicos;
  • Elimina o uso de Agrotóxicos.

Vantagens da Agricultura Orgânica

As principais vantagens da agricultura orgânica são:

  • Preservação dos recursos naturais;
  • Produção de alimentos saudáveis e de maior qualidade;
  • Sustentabilidade e baixo impacto ambiental;
  • Manutenção da biodiversidade;
  • Uso de adubos naturais (compostagem, minhocultura, etc.);
  • Rotatividade de culturas (policultura);
  • Solo saudável e rico em nutrientes;
  • Utilização de energias renováveis.

Desvantagens da Agricultura Orgânica

As principais desvantagens da agricultura orgânica são:

  • Mais dispendiosa e demorada;
  • Menor produção, se comparada a agricultura tradicional;
  • Impacto ambiental com o uso pesticidas e agrotóxicos de origem orgânica;
  • Produtos mais caros que os convencionais.

Agricultura Convencional x Agricultura Orgânica

Agricultura convencional
A agricultura convencional faz uso de máquinas e agrotóxicos visando a alta produção

A agricultura convencional tem foco principal na alta produção. Ela é caracterizada pela utilização de técnicas e equipamentos modernos com uso de uma diversidade de insumos, tais como agrotóxicos e fertilizantes, que viabilizam acelerar o processo de cultivo.

Na agricultura convencional também não há preocupação com a qualidade nutricional do alimento. Por outro lado, a agricultura orgânica prioriza a oferta de produtos saudáveis. Ela utiliza técnicas específicas (adubos naturais, compostagem, minhocultura, policultura) que se fundamentam na não utilização dos agrotóxicos.

O sistema agrícola convencional de produção, por utilizar abusivamente agrotóxicos, ocasiona prejuízos ao meio ambiente quanto à contaminação do ar, solo, água e seres vivos. Além disso, os produtos gerados afetam a saúde e o bem-estar da população.

Enquanto isso, o sistema orgânico minimiza o impacto sobre o meio e garante a sustentabilidade ecológica.

O consumo de alimentos que apresentem resíduos de agrotóxicos ocasiona efeitos adversos à saúde humana, de magnitude aguda e crônica.

Os efeitos crônicos podem ocorrer meses, anos e até décadas após exposição e consumo, manifestando-se em várias doenças como câncer, má formação congênita, distúrbios endócrinos, neurológicos e mentais.

Agricultura Orgânica no Brasil

Na década de 70 surgiram os primeiros movimentos de agricultura alternativa que se posicionaram contrários ao projeto de modernização da agricultura tradicional fomentado pelas políticas públicas do governo. Esse movimento ficou conhecido como Revolução Verde.

Esses movimentos visavam proporcionar profundas mudanças no processo tradicional de trabalho agrícola, bem como no impacto sobre o meio ambiente e à saúde humana.

A Agricultura Familiar emergiu no contexto brasileiro a partir da década de 90, para oferecer resposta aos assentados, arrendatários, pequenos produtores e trabalhadores rurais que participaram dos movimentos sociais rurais.

Agricultura familiar
A agricultura familiar é a base da economia de muitas comunidades

É caracterizada pela utilização de técnicas manuais de cultivo compatíveis com a realidade local, garantindo a integridade cultural das comunidades rurais. E por apresentar metodologia similar, esse sistema de produção familiar se interligou intimamente à agricultura orgânica.

O desenvolvimento da agricultura orgânica no modelo familiar representa a base da economia de 90% dos municípios brasileiros, sendo responsável pela renda de 40% da população economicamente ativa do país.

A agricultura familiar do Brasil é a 8ª maior produtora de alimentos no mundo, garantindo destaque no agronegócio mundial.

No Brasil, as atividades pertinentes ao desenvolvimento da agricultura orgânica foram aprovadas pela Lei 10.831, de 23 de dezembro de 2003. No entanto, sua regulamentação ocorreu em 27 de dezembro de 2007 com a publicação do Decreto Nº 6.323.

Conheça mais sobre o assunto, leia também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.