Arte Naif


A palavra naïf é um termo francês que significa ingênuo ou inocente; portanto, a “arte naïf” é todo produto artístico de natureza pueril que demonstra uma criatividade autêntica baseada na simplificação de elementos decorativos a níveis brutos, espontâneos, puros, coloridos e calorosos.

História

Arte NaifArte Naïf

De fato, esse tipo de criação artística está mais associado à pintura e foi instituída no século XIX, apesar de seus atributos estarem presentes nas pinturas rupestres do paleolítico. Com efeito, Henri Rousseau (1844-1910), um pintor autodidata, foi o precursor da arte pictórica naïf, quando expôs suas obras no “Salão dos Independentes” na França, em 1886. A tela “Um dia de Carnaval” (Un soir de Carnaval-1886), chamou a atenção de vários artistas modernistas da época, dentre eles Pablo Picasso (1881-1973).

Por conseguinte, esta expressão artística, muitas vezes chamada de “arte primitiva moderna”, é permeada por imagens do cotidiano, retratados de modo a lembrar desenhos infantis ou produzidos por doentes mentais, dada a espontaneidade e pureza.

Contudo, as semelhanças param por aí, tendo em vista que são realizadas por artistas independentes e autodidatas sem formação sistemática, os quais dominam algumas técnicas que lhe permitem total liberdade de expressão, da qual o informalismo acadêmico é característica marcante.

Dessa maneira, estes artistas renunciam às regras instituídas para a pintura simplesmente por que não tiveram acesso a elas e, por esse motivo, resolveram os problemas estéticos e dificuldades técnicas sem o auxílio daquelas normas.

Não obstante, a consciência dessa liberdade pictórica é notada no uso das cores ornamentais e na dimensão onírica que é projetada na tela. Desse modo, a arte naïf pode ser considerada como uma corrente artística com plena liberdade estética, por estar livre das convenções acadêmicas, as quais são desagregadas nas obras a partir da simplicidade figurativa dos elementos formais da composição.

Contudo, apesar do direcionamento estético definido, esse desafio à norma acadêmica não foi intencional, muito menos comercial. Portanto, é impossível enquadrar as criações naïf como sendo de natureza modernista ou popular. Apesar disso, esse estilo criativo influenciou e deixou-se influenciar pelas tendências mais eruditas, permitindo à arte contemporânea novas formas de expressão, tendo em vista que vários pintores com sólida formação acadêmica usaram procedimentos da arte naïf em suas criações.

Características

A arte naïf é produzida por artistas sem formação acadêmica e, portanto, sem a compulsão de utilizar técnicas e temáticas convencionais pertencentes à pintura. Contudo, a arte naïf possui alguns pontos em comum, a saber:

  • Inexistência de perspectiva (é bidimensional)
  • Uso constante de cores chocantes
  • Temas felizes e alegres
  • Espontaneidade
  • Traços figurativos
  • Tendência à simetria e a idealização da natureza

Principais Artistas Naïf

  • Henri Rousseau (França)
  • Pilar Sala (Argentina)
  • Adrie Martens (Holanda)
  • Nadia Senyczak (Bélgica)
  • Angeles Camacho (Espanha)
  • Ronaldo Mendes (Brasil)

Curiosidade

  • A arte naïf é uma expressão tipicamente regional e assume as características de cada localidade.