Cubismo

Laura Aidar

O cubismo foi uma vanguarda artística europeia marcada pelos uso de formas geométricas. Surgido no início do século XX na França, esse novo estilo rompeu com os modelos estéticos que só valorizavam a perfeição das formas.

Esse movimento pode ser considerado o primeiro a se caracterizar pela incorporação do imaginário urbano industrial em suas obras. Abrangeu sobretudo as artes plásticas e influenciou a literatura.

Origem do Cubismo

O marco para o surgimento do cubismo foi em 1907, com a tela Les Demoiselles d'Avignon (As damas d'Avignon), do pintor espanhol Pablo Picasso.

as damas de avignon
Les Demoiselles d'Avignon (1907) de Pablo Picasso. 244 x 234 cm. MoMa, Nova Iorque

Essa obra apresenta influências visíveis das esculturas africanas e das pinturas do pós-impressionista francês Paul Cézanne.

Ao lado de Picasso, o pintor e escultor francês Georges Braque também foi fundador do movimento cubista.

Principais Características do Cubismo

Com o cubismo teremos um tratamento geométrico das formas da natureza.

Assim, elas passam a ser representadas pelos objetos em todos os seus ângulos no mesmo plano, constituindo uma figura em três dimensões.

Predominam as linhas retas, modeladas basicamente por cubos e cilindros, dada a geometrização das formas e volumes.

Essa técnica que renuncia à perspectiva, assim como ao "claro-escuro", causa uma sensação de pintura escultórica.

No plano conceitual, o cubismo pode ser considerado como uma arte que privilegia o exercício mental como maneira de expressão das ideias.

Ao romper com a perspectiva consagrada das linhas de contorno, a natureza passa a ser retratada simplificadamente.

Isso permite maior abstração sobre os atributos estéticos da obra, ao mesmo tempo em que recusa a ideia de arte enquanto pura imitação da natureza. Sobre isso, Georges Braque afirmou:

Não se imita aquilo que se quer criar.

Vale citar que este estilo abandona distinções entre forma e fundo ou qualquer noção de profundidade.

Os temas como naturezas mortas urbanas e retratos são utilizados pelos pintores cubistas como recursos para experimentar e criar baseados nas particularidades dessa vertente.

Fases do Cubismo

O cubismo é dividido em três fases:

Fase Cezannista ou Cezaniana (1907 a 1909)

Autorretrato Picasso - 1907
Autorretrato (1907) de Pablo Picasso

Também chamada de fase pré-analítica, o nome já indica que esse período foi caracterizado pela influência dos trabalhos do artista plástico francês Paul Cézanne.

Nessa fase, os artistas começaram suas experiências com as simplificações das formas e mais tarde passaram a representar as figuras dispostas em um mesmo plano.

Era como se estivessem abertas na tela, vistas de frente pelo público.

Fase Analítica ou Hermética (1909 a 1912)

cubismo analítico
À esquerda, O poeta (1911), de Picasso. À direita, Violino e Castiçal (1910), de Braque.

A fase analítica caracterizou-se pela cor moderada, acentuando-se tons de marrons, pretos, cinzas e ocres. Tal escolha das cores se deu pois o mais importante era a exibição do tema fragmentado, disposto em todos os ângulos possíveis.

Esse esfacelamento das formas chegou a níveis tão elevados que, ao final, as figuras acabaram por se tornarem irreconhecíveis.

Fase do Cubismo Sintético (1911)

cubismo sintético
À esquerda, Homem no Café (1914), de Juan Gris. À direita, Mulher com Violão (1908), de Braque

O cubismo sintético caracterizou-se pelas cores mais fortes e um retorno ao figurativo, na medida em que buscou tornar as figuras reconhecíveis novamente, mas sem voltar a um tratamento realista.

Nessa fase, passa-se a empreender o método de colagem, fixando objetos reais na tela, como pedaços de madeira, vidro e metal.

Além disso, introduziram recortes de jornais com palavras e números. Esses recursos eram utilizados a fim de extrapolar os limites das sensações visuais que a pintura insinua, explorando os sentidos do tato também.

Cubismo e Ciência

No início do século XX houve uma admirável convergência de saberes e interesses de vários campos do conhecimento.

Nesse momento, a arte irá se colocar, especialmente com o cubismo, em sintonia com investigações científicas de ponta que ocorriam na física e na geometria.

Quando o cubismo rompeu com séculos de prioridade do uso da perspectiva na representação pictórica, acabou por conduzir às noções geométricas de hiper poliedros e multidimensionalidade.

Isso permitiu aos artistas cubistas a formulação de um conceito espacial até então inédito, a saber, a "quarta dimensão". Nela, as propriedades espaço-temporais estão em afinidade com a "Teoria da Relatividade" (1905) de Einstein.

Cubismo no Brasil

cubismo no brasil
À esquerda, São Paulo (1924), de Tarsila do Amaral. À direita, Pietà (1966), de Rego Monteiro

No Brasil, somente após a Semana de Arte Moderna de 1922 é que o movimento cubista irá ganhar força.

Ainda que os artistas brasileiros não tenham se entregado às características exclusivamente cubistas, é possível perceber influências claras dessa vertente.

A artista Tarsila do Amaral foi umas personalidades que utilizou características cubistas em suas telas. Nelas, notamos a influência dessa vanguarda europeia pelo uso das formas geométricas.

Ainda nas artes plásticas, vale ressaltar os trabalhos de outros artistas brasileiros: Anita Malfatti, Rego Monteiro e Di Cavalcanti.

Já a literatura cubista no Brasil teve como destaque as obras dos escritores: Oswald de Andrade, Raul Boop e Érico Veríssimo. Note que a literatura cubista teve como foco a "destruição da sintaxe", pondo fim à linearidade.

Principais Pintores Cubistas

Os maiores representantes da pintura cubista foram:

Principais Escultores Cubistas

Os maiores representantes da escultura cubista foram:

  • Raymond Duchamp-Villon (1873-1918)
  • Constantin Brancusi (1876-1957)

Principais Escritores Cubistas

Os principais escritores com influência do cubismo foram:

Exercícios sobre Cubismo (Enem e Vestibular)

1. (Enem/2011)

guernica
PICASSO, P. Guernica. Óleo sobre tela. 349 X 777 cm. Museu Reina Sofia, Espanha, 1937.

O pintor espanhol Pablo Picasso (1881–1973), um dos mais valorizados no mundo artístico, tanto em termos financeiros quanto históricos, criou a obra Guernica em protesto ao ataque aéreo à pequena cidade basca de mesmo nome. A obra, feita para integrar o Salão Internacional de Artes Plásticas de Paris, percorreu toda a Europa, chegando aos EUA e instalando-se no MoMA, de onde sairia apenas em 1981. Essa obra cubista apresenta elementos plásticos identificados pelo:

a) painel ideográfico, monocromático, que enfoca várias dimensões de um evento, renunciando à realidade, colocando-se em plano frontal ao espectador.

b) horror da guerra de forma fotográfica, com o uso da perspectiva clássica, envolvendo o espectador nesse exemplo brutal de crueldade do ser humano.

c) uso das formas geométricas no mesmo plano, sem emoção e expressão, despreocupado com o volume, a perspectiva e a sensação escultórica.

d) esfacelamento dos objetos abordados na mesma narrativa, minimizando a dor humana a serviço da objetividade, observada pelo uso do claro-escuro.

e) uso de vários ícones que representam personagens fragmentados bidimensionalmente, de forma fotográfica livre de sentimentalismo.

A resposta correta é a alternativa a) painel ideográfico, monocromático, que enfoca várias dimensões de um evento, renunciando à realidade, colocando-se em plano frontal ao espectador.

O movimento cubista prezou pela exibição de formas fragmentadas, colocando os elementos da cena em todos os ângulos possíveis, o que dá a ideia de várias dimensões dentro da tela. Dessa forma, há a recusa à representação realista.

A resposta B está incorreta pois não há representação fotográfica na tela, tampouco perspectiva clássica. Pelo contrário, há o rompimento com tais padrões.

A resposta C diz que não há emoção e expressão na pintura, o que é um erro. Pode-se notar intensa emoção nas expressões das personagens. Além disso, há a preocupação com as formas e sensação escultórica, assim como em todo o movimento cubista.

Na resposta D há incorreção ao afirmar que a obra "minimiza a dor humana" a serviço da objetividade, pois, como foi dito, a dor humana é justamente evidenciada. O mesmo é sugerido pela alternativa E, que diz haver ausência de sentimentalismo.

2. (Enem/2012)

cubismo enem

O quadro Les Demoiselles d’Avignon (1907), de Pablo Picasso, representa o rompimento com a estética clássica e a revolução da arte no início do século XX. Essa nova tendência se caracteriza pela:

a) pintura de modelos em planos irregulares.
b) mulher como temática central da obra.
c) cena representada por vários modelos.
d) oposição entre tons claros e escuros.
e) nudez explorada como objeto de arte.

A alternativa correta é a) pintura de modelos em planos irregulares.

O cubismo teve como principal característica a representação das figuras em vários planos, buscando chegar a uma "tridimensionalidade" na pintura, exibindo as formas em planos irregulares.

A temática não foi necessariamente a mulher e nem a nudez. Assim, como não se preocupou com a oposição de tons claros e escuros. As cenas também podiam exibir um ou mais modelos, além de objetos.

3. (Unifesp/2018)

Tal vanguarda rompeu radicalmente com a ideia de arte como imitação da natureza, prevalecente na pintura europeia desde a Renascença. Seus principais adeptos abandonaram as noções tradicionais de perspectiva,
tentando representar solidez e volume numa superfície bidimensional, sem converter pela ilusão a tela plana num espaço pictórico tridimensional. Múltiplos aspectos do objeto eram figurados simultaneamente; as formas visíveis eram analisadas e transformadas em planos geométricos, que eram recompostos segundo vários pontos de vista simultâneos. Tal vanguarda era e dizia ser realista, mas tratava-se de um realismo conceitual, e não óptico.
Ian Chilvers (org). Dicionário Oxford de arte, 2007. Adaptado.


Uma pintura representativa da vanguarda à qual o texto se refere está reproduzida em:

cubismo questão

A resposta correta é a letra a) As senhoritas de Avignon, de Pablo Picasso.

Essa obra é considerada um marco inicial do movimento cubista.

Quanto às demais alternativas:

  • A tela que aparece na alternativa B é O Grito, de Munch, precursora do movimento expressionista.
  • Na letra C, a tela apresentada Luminárias Vermelhas, de Roy Lishteinstein, faz parte do movimento chamado pop-art.
  • Na alternativa D, René Magritte, autor do quadro Império das Luzes, exibe uma obra surrealista.
  • Na letra E, aparece Violinista à janela, pintado por Henri Matisse, um dos artistas do fauvismo.

Confira também essa seleção de questões que separamos para você testar seus conhecimentos: Exercícios sobre Vanguardas Europeias.

Para saber mais sobre outras vertentes das vanguardas europeias, leia:

Quiz de História da Arte

Laura Aidar
Laura Aidar
Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007. Formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design de São Paulo (2010).