Impressionismo

Laura Aidar

O impressionismo foi uma tendência artística francesa com ênfase na pintura que ocorreu no momento da chamada "Belle Époque" (1871-1914).

Essa vertente teve um papel muito importante para a renovação da arte do século XX, sendo a grande propulsora das chamadas vanguardas europeias.

O termo "Impressionismo" é fruto da crítica a uma obra de Claude Monet, "Impressão, nascer do sol", de 1872.

impressão, nascer do sol
Impressão, nascer do sol (1872), de Claude Monet

Os pintores impressionistas costumavam produzir suas telas ao ar livre. A intenção era capturar as tonalidades que os objetos refletiam segundo a iluminação solar em determinados momentos do dia.

Esse movimento foi um divisor de águas para a pintura. Seus artistas não se prendiam aos ensinamentos do realismo acadêmico.

No entanto, foram influenciados pelas correntes positivistas da segunda metade do século XIX, as quais primavam pela precisão e o realismo.

Esse novo estilo artístico concorria com produções acadêmicas. Para isso, havia locais fora dos circuitos tradicionais da arte, como era o caso dos Salons, onde os pintores impressionistas realizavam exposições exibindo suas telas.

Vale citar que as orientações estéticas impressionistas estão presentes nas produções gráficas, na propaganda e noutras formas de comunicação de massa. Até os dias atuais elas seguem influenciando novas estéticas.

Características do Impressionismo

  • registro das tonalidades das cores que a luz do sol produz em determinados momentos;
  • figuras sem contornos nítidos;
  • sombras luminosas e coloridas;
  • misturas das tintas diretamente na tela, com pequenas pinceladas.
Mulher com sombrinha no Jardim - Renoir
Mulher com sombrinha no jardim (1875), de Renoir, é uma obra impressionista

Os pintores impressionistas buscaram reproduzir as sombras de modo luminoso e colorido. O ponto de partida era a composição de efeitos visuais para a fixação do instante, tal qual a impressão visual que nos causam.

Portanto, a tonalidade preta é evitada em obras impressionistas plenas. De modo semelhante, a presença dos contrastes e de transparências luminosas auxiliam no desvanecimento da forma, percebida agora sem contornos.

Os impressionistas aboliram as temáticas históricas e mitológicas, bem como as religiosas, buscando momentos cotidianos fugazes.

Ademais, procuravam uma expressão artística que estivesse focada nas impressões da realidade em detrimento da razão e da emoção.

Como perceberam a fonte das cores nos raios solares, buscaram captar a mudança no ângulo dos mesmos e na implicação disso na alteração de cores. Procuravam também realizar as misturas cromáticas na própria tela, fixando as tintas em pequenas manchas de cor.

Isso porque a luz para os impressionistas construía a forma, captava a mesma paisagem nos diversos momentos do dia e nas várias estações do ano.

Principais artistas do Impressionismo

No grupo original dos artistas impressionistas estavam:

Vale lembrar que o artista Manet é considerado também um pintor do chamado Realismo.

Mulheres Impressionistas

Apesar de pouco se falar sobre as mulheres na história da arte, algumas estavam também expressando-se artisticamente. No impressionismo, houve a presença feminina não apenas como modelos, mas também como pintoras. Podemos citar alguns nomes, como:

  • Berthe Morisot (1841-1895)
  • Mary Cassatt (1844-1926)
  • Eva Gonzalès (1849- 1883)
  • Lilla Cabot Perry (1848-1933)

Impressionismo no Brasil

Roupa estendida, Eliseu Visconti
Roupa estendida (1944), de Eliseu Visconti

Após se consagrar no exterior, o Impressionismo chega ao Brasil. Nesse momento, o nacionalismo está a constituir uma “Escola Brasileira de Artes", daí não ter surtido muito impacto a princípio.

No Brasil, podemos citar como representante mais importante do impressionismo o italiano Eliseu Visconti (1866-1944), radicado no Brasil. Atualmente, há também o pintor Washington Maguetas (1942).

Também notamos tendências impressionistas nos trabalhos de Almeida Júnior (1850-1899), Anita Malfatti (1889-1964), Georgina de Albuquerque (1885-1962) e João Timóteo da Costa (1879-1932).

Música Impressionista

música impressionista
A música de Claude Debussy é considerada impressionista

A música impressionista é caracterizada por atmosferas melódicas sensuais e etéreas, que buscam retratar imagens, especialmente paisagens naturais.

Surge como oposição à música romântica e explorava o recurso da dissonância e escalas hexafônicas, além de composições mais curtas.

Podemos citar como compositores impressionistas os franceses Claude Debussy (1862-1918), Maurice Ravel (1875-1937), entre outros.

Literatura Impressionista

marcel proust
O francês Marcel Proust foi um escritor impressionista

A literatura impressionista focou na descrição de impressões e aspectos psicológicos das personagens. Assim, se acrescenta detalhes para constituir as impressões sensoriais de um incidente ou cena.

Tem como características a valorização das emoções e sensações, a importância da memória, com a busca por um tempo que não existe mais e o enfoque em sentimentos individuais.

Destacam-se como escritores impressionistas o francês Marcel Proust (1871-1922) e os brasileiros Graça Aranha (1868-1931) e Raul Pompeia (1863-1985).

Impressionismo e Fotografia

impressionismo e fotografia
À esquerda, fotografia de Degas, (1896). À direita, Dançarina com leque (1879), também de Degas

O advento da fotografia permitiu aos pintores se libertarem da função figurativa da imagem.

Assim, passaram a experimentar novas técnicas, levando em conta os efeitos ópticos descobertos sobre a composição de cores e a formação de imagens na retina do observador.

Isso permitiu a exploração de novos parâmetros estéticos, dando ênfase na luz e no movimento. Além disso, os pintores também influenciaram-se pela linguagem fotográfica no que diz respeito ao enquadramento e à espontaneidade.

E ainda havia alguns pintores que estavam experimentando também as técnicas fotográficas, como era o caso de Edgar Degas.

A primeira exposição foi organizada em 1874 no ateliê do fotógrafo Maurice Nadar para expor as obras experimentais de jovens pintores.

Impressionismo e Pós-Impressionismo

Tarde de domingo na ilha de grande Jatte
Tarde de domingo na Ilha da Grande Jatte (1884-1886), de Seurat. A tela exibe a técnica do pontilhismo

O pós-impressionismo é uma tendência artística que surgiu em finais do século XIX, mais precisamente a partir de 1886 - quando ocorreu a última exposição impressionista - até o surgimento do cubismo.

Nessa exposição, participaram dois pintores - Georges Seurat (1859-1891) e Paul Signac (1863-1935) - com obras que apresentavam um novo tipo de pincelada. Essa maneira inovadora de pintar ficou conhecida como Pontilhismo, na qual a tinta é depositada na tela em pequenos pontos, fragmentando totalmente a imagem.

Ainda que tenha se inspirado no impressionismo, a arte pós-impressionista revela preocupações com a subjetividade humana. Ou seja, as obras desse período expressam as emoções e sentimentos. Essa arte é diferente da a arte impressionista, a qual é marcada pelo aspecto “superficial” de reprodução da realidade, deixando de lado olhares mais densos sobre a existência humana.

Além disso, os pós-impressionistas buscavam outras maneiras de trabalhar a cor, a luz e os conceitos de tridimensionalidade.

Na arte pós-impressionista merecem destaque os artistas: Cézanne, Gauguin, Van Gogh, Seurat, Signac e Toulouse-Lautrec.

Para saber mais sobre assuntos relacionados ao impressionismo, leia:

Quiz de História da Arte

Laura Aidar
Laura Aidar
Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007. Formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design de São Paulo (2010).