Dia D - Segunda Guerra Mundial

Juliana Bezerra

Dia D ou Dia da Decisão é nome pelo qual é conhecido o desembarque das tropas aliadas no norte da França, no dia 6 de junho de 1944. .

Resumo

A discussão do ataque dos Aliados na Normandia começou em janeiro de 1943, em Casablanca. A proposta ainda dividia americanos e britânicos. Os primeiros queriam invadir o continente europeu através Canal da Mancha, enquanto o premier britânico Winston Churchill desejava que o desembarque acontecesse em algum ponto do Mediterrâneo.

Sendo assim, os americanos, em julho de 1943 desembarcam na Itália onde contarão com o reforço de tropas brasileiras.

Os soviéticos já tinham rompido a frente Oriental após a sangrenta Batalha de Stalingrado. Assim, esperavam que pudessem aliviar a pressão alemã naquela região.

Por isso, o Dia D tinha como objetivo abrir uma segunda frente de batalha na Europa Ocidental.

Após a reunião de Teerã, que ocorreu no fim de 1943, três milhões de soldados das forças britânicas, norte-americanas e canadenses começaram a se concentrar no sul da Inglaterra.

Os militares tinham o apoio de 10 mil aviões, 7 mil navios, 30 mil veículos especiais e tanques anfíbios. A infraestrutura seria descolocada para atacar os alemães pela costa norte da França.

O que foi?

O comandante geral da batalha, o general norte-americano Dwight D. Eisenhower defendeu que o ataque seriam um golpe fatal contra a Alemanha. O Dia D ocorreu após o bombardeio das trincheiras do exército alemão e da destruição de suas vias de comunicação.

No noite do dia 5 de junho, cerca de 13.000 paraquedistas dos Aliados foram lançados nas praias da França para além das linhas alemãs onde somente um terço sobreviveria.

No dia seguinte, as praias da Normandia foram invadidas por 6,5 mil navios. As embarcações permaneceram em uma faixa de 80 a 100 km.

O ataque permitiu que 150 mil soldados atingissem o continente europeu. Também foram alcançados pontos estratégicos, como as cabeceiras de pontes e somente neste dia, 12 mil soldados morreram.

Dia D
Aspecto de um abrigo antiaéreo alemão perto da praia de Omaha

Segundo historiadores, os alemães esperavam que a operação fosse adiada para o verão europeu. O comando alemão concentrou os soldados na parte mais estreita do Canal da Mancha. A expectativa era de que o ataque ocorresse naquele ponto.

A tomada das praias, no entanto, não foi tarefa fácil. Escondidos nas casamatas e no alto das falésias, os soldados alemães fizeram baixas consideráveis entre os Aliados.

Alguns erros estratégicos da Alemanha favoreceram a vitória dos aliados. O fato de esperarem que o ataque acontecesse em Calais e a demora dos aviões da Luftwaffe em chegarem ao local contribuíram para que Dia D tenha sido bem-sucedido.

Após a tomada da Normandia, Paris foi libertada em 25 de agosto de 1944.

Mapa do Desembarque

Dia D
Local onde as tropas aliadas desembarcaram na França

Para que o ataque fosse um sucesso, o segredo era imprescindível. Deste modo, a invasão da Normandia discorreu com muita discrição.

Para que as mensagens não fossem decifradas pelos alemães, as praias onde os Aliados pretendiam desembarcar ganharam nomes em inglês como Utah, Omaha, Gold, Juno e Sword.

Apesar de ter passado a História com o jargão militar, "Dia D", o plano recebeu o nome oficial de "Operação Overlord".

Leia mais sobre as Principais Batalhas da Segunda Guerra Mundial.

Curiosidades

  • O Dia D fez 110.000 vítimas fatais: 77.866 alemães, 5.001 canadenses, 9.389 norte-americanos, 17.770 britânicos e milhares de feridos.
  • 30.000 bombas foram jogadas na região durante o ataque.
  • Estima-se que cerca de 20.000 civis morreram por conta do ataque e da invasão.
  • Após a invasão, os nazistas perderam a iniciativa da guerra e passaram a recuar cada vez mais até a capitulação em 8 de maio de 1945.

Leia mais:

Segunda Guerra Mundial

O Brasil na Segunda Guerra Mundial

Consequências da Segunda Guerra Mundial

Filmes sobre a Segunda Guerra Mundial

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.