Feminicídio: definição, lei, tipos e estatísticas

Juliana Bezerra

Feminicídio é o assassinato de uma mulher pelo simples fato de ela ser mulher.

O primeiro país a ter uma lei específica para este crime foi a Costa Rica em 2007. Já o Brasil, adotou uma lei específica para o assassinato de mulheres em 2015.

O continente latino-americano lidera a triste estatística de feminicídios, especialmente os países de El Salvador, Honduras e Guatemala.

Definição de Feminicídio

Feminicídio

A palavra feminicídio vem da junção de dois vocábulos: femen (mulher, em latim) e Cidium (ato de matar). Assim como o suicídio é a morte causada pela própria pessoa, o feminicídio é a morte da mulher sem nenhuma outra causa que o fato dela ser mulher.

O termo foi criado em 1976 pela autora sul-africana Diana Russell. A expressão qualifica tanto o homicídio praticado por um parente próximo da vítima, o que representa 38% dos casos, quanto àquele que é feito por um desconhecido.

É preciso deixar claro que nem toda mulher assassinada se qualifica como feminicídio. Se o crime se enquadra como latrocínio – roubo seguido de morte – dificilmente será considerado um feminicídio. Provavelmente, a causa primeira era despojar a vítima de algum bem e, em seguida, foi cometido o homicídio.

O feminicídio ocorre naqueles momentos em que a mulher morre porque o companheiro sentimental, ex-companheiro ou um desconhecido tira a vida de uma mulher porque pensa que esta é sua propriedade.

Segundo a dra. Dulcielly Nobrega de Almeida, defensora pública, o feminicídio não desqualifica homicídios cometidos contra os homens:

A morte dos homens é diferente da morte das mulheres. (...) Geralmente, o homem morre no espaço público e as mulheres morrem no espaço privado, dentro de casa e são mortes praticadas pelos seus parceiros íntimos.

O tema ganhou importância a partir das mudanças realizadas pelo movimento feminista no século XXI. Uma das pautas foi questionar os motivos pelos quais as mulheres eram assassinadas e, então, pressionar o governo para criar uma lei específica que qualificasse este crime.

Feminicídio no Brasil

O Brasil tem um extenso historial de violência contra as mulheres e 5º país a matar mais mulheres no mundo.

A origem desta violência se encontra na formação histórica do país. A brutalidade da colonização e da conquista foi sentida especialmente pelas indígenas e negras escravizadas.

Isto não significa que a mulher branca estivesse isenta de sofrer violência. Afinal, a mulher, nesta época, era controlada pelo pai e depois, pelo marido. Ainda se completava a doutrina cristã que encorajava a mulher sofrer calada qualquer maltrato por parte do companheiro, por exemplo.

Evidente que houve mulheres que não se encaixaram nestas normas e conseguiram espaço na sociedade após muita luta.

Números do Feminicídio no Brasil

Números do Feminicídio no Brasil

Uma pesquisa realizada pelo Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revela dados alarmantes sobre o feminicídio no Brasil.

Em 2018, foram registrados 1.173 casos de feminicídio. As maiores taxas são registradas no estado de Roraima e as menores, em São Paulo.

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, as denúncias através do 180, número de atendimento à violência feminina, têm aumentado anualmente.

Em janeiro e fevereiro de 2018, foram registradas 11.263 denúncias, enquanto no mesmo período, em janeiro e fevereiro de 2019, foram feitas 17.836.

Um dos passos importantes para o fim da violência contra a mulher, no Brasil, foi a sanção da Lei Maria da Penha, em 2006, que endureceu as penas para o agressor.

Lei do Feminicídio

Em 9 de março de 2015 foi sancionada a Lei 13.104/15 que incluía o feminicídio como um tipo ao homicídio qualificado.

É preciso uma série de fatores para caracterizar o feminicídio, mas a lei é importante pois visibiliza o caso de violência extrema contra as mulheres.

Aqui está o texto:

Feminicídio

VI - contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:

§ 2º -A Considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve:

I - violência doméstica e familiar;

II - menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Aumento de pena

§ 7º A pena do feminicídio é aumentada de 1/3 (um terço) até a metade se o crime for praticado:

I - durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores ao parto;

II - contra pessoa menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com deficiência;

III - na presença de descendente ou de ascendente da vítima.” (NR)

Art. 2º O art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990 , passa a vigorar com a seguinte alteração:

“Art. 1º .........................................................................

I - homicídio (art. 121), quando praticado em atividade típica de grupo de extermínio, ainda que cometido por um só agente, e homicídio qualificado (art. 121, § 2º, I, II, III, IV, V e VI).

Feminicídio e mulheres transexuais

Apesar de não serem citadas explicitamente no texto, muitos juízes argumentam que a lei também deve ser aplicada no caso das mulheres transexuais.

Em agosto de 2019, a 3ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TDJFT), manteve a acusação de tentativa de feminicídio contra um grupo que tentou assassinar uma estudante em Taguatinga (DF).

Tipo de Feminicídio

O conceito de feminicídio tem levantado debate em todo o mundo. Alguns estudiosos pensam que é necessário especificar ainda mais o termo a fim de realmente se fazer justiça e ajudar a terminar com o problema.

Os tipos mais comuns de feminicídio reconhecidos são:

1. Íntimo e Familiar

Denomina-se feminicídio íntimo aquele cometido pelo companheiro ou ex-companheiro da vítima, seja qual for a situação legal entre eles.

Por sua parte, quando o assassinato da mulher ocorre dentro do seu círculo familiar, cometido por parentes ou amigos próximos da vítima.

Uma das variantes desse tipo de feminicídio é o crime de honra, onde o assassinato da mulher é justificado mediante o argumento que ela teria comprometido a reputação do agressor. Em alguns países, essa justificativa é, inclusive, prevista na lei.

2. Lesbicídio

O lesbicídio é o assassinato de mulheres lésbicas ou bissexuais. A morte dessas mulheres seria uma forma de punição por elas assumirem sua sexualidade.

É preciso lembrar que em 75 países as relações homossexuais estão proibidas e em alguns deles como Irã, Arábia Saudita, Iêmen e Sudão, estão previstas pena de morte.

3. Feminicidio racial

O feminicídio racial é registrado, principalmente, em casos de guerra, quando ocorre o homicídio de mulheres de apenas uma etnia ou grupo específico.

As mulheres costumam ser vítimas da brutalidade da guerra, de maneira diferente que os homens, pois estão expostas à violência sexual por parte dos soldados.

4. Feminicídio em série

Quando um homem mata várias mulheres a fim de obter prazer sexual. Geralmente são cometidos por psicopatas que tem sérios problemas de empatia com seu entorno.

Que tal ler mais textos sobre este tema?

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.