Figuras de Sintaxe

Daniela Diana

As Figuras de Sintaxe ou Figuras de Construção correspondem a um grupo das figuras de linguagem - ao lado das figuras de pensamento, figuras de palavras e figuras de som.

São utilizadas para modificar um período, ou seja, interferem na estrutura gramatical da frase, com o intuito de oferecer maior expressividade ao texto.

Assim, as figuras de sintaxe operam de diversas maneiras na frase, seja na inversão, repetição ou na omissão dos termos.

Elipse

A elipse é a omissão de um ou mais termos, os quais não foram expressos anteriormente no discurso, entretanto, que são facilmente identificáveis pelo interlocutor (receptor).

Exemplo: Estávamos felizes com o resultado dos exames. (Neste caso, a conjugação do verbo “estávamos”, propõe o termo oculto “nós”.)

Zeugma

A zeugma é um tipo de elipse, uma vez que há omissão de um ou mais termos na oração, sendo um recurso utilizado para evitar a repetição de verbo ou substantivo.

Exemplo: Fabiana comeu maçã, eu (comi) pera.

Hipérbato ou Inversão

O hipérbato é caraterizado pela inversão da ordem direta dos termos da oração, segundo a construção sintática usual da língua (sujeito + predicado + complemento).

Exemplo: Triste estava Manuela. (Neste caso, o estado do sujeito surge antes do nome “Manuela”, que na construção sintática usual seria: Manuela estava triste).

Silepse

Na silepse há concordância da ideia e não do termo utilizado. São classificadas em:

  • Silepse de Gênero, quando ocorre discordância entre os gêneros (feminino e masculino);
  • Silepse de Número, quando ocorre discordância entre o singular e o plural;
  • Silepse de Pessoa, quando ocorre discordância entre o sujeito, que aparece na terceira pessoa, e o verbo, que surge na primeira pessoa do plural.

Exemplos:

  • São Paulo é suja. (silepse de gênero)
  • Um bando (singular) de mulheres (plural) gritavam assustadas. (silepse de número)
  • Todos os atletas (terceira pessoa) estamos (primeira pessoa do plural) preparados para o jogo. (silepse de pessoa)

Assíndeto

Síndeto corresponde a uma conjunção coordenativa utilizada para unir termos nas orações coordenadas. Feita essa observação, a figura de pensamento assíndeto é caracterizada pela ausência de conjunções.

Exemplo: Daiana comprou uvas para comer, (e) limões para fazer suco.

Polissíndeto

Ao contrário do assíndeto, o polissíndeto é caracterizado pela repetição da conjunção coordenativa (conectivo).

Exemplo: Dolores brigava, e gritava, e falava.

Anáfora

A anáfora é a repetição de termos no começo das frases, muito utilizada pelos escritores na construção dos versos a fim de dar maior ênfase à ideia.

Exemplo: Se eu amasse, se eu chorasse, se eu perdoasse. (A repetição do termo “se” enfatiza a condicionalidade que o emissor do discurso quer propor).

Anacoluto

O anacoluto altera a sequência lógica da estrutura da frase por meio de uma pausa no discurso.

Exemplo: Esses políticos de hoje, não se pode confiar. (Numa sequência lógica, teríamos: “Esses políticos de hoje não são confiáveis” ou Não se pode confiar nesses políticos de hoje.)

Pleonasmo

Repetição enfática ou redundância de um termo que soa “desnecessário” no discurso, o qual pode ser utilizado intencionalmente (pleonasmo literário) como figura de linguagem, ou por desconhecimento das normas gramaticais (pleonasmo vicioso), nesse caso um vício de linguagem.

Exemplo: A noite escura da Amazônia. (Note que a noite já pressupõe escuridão.)

Quer saber mais? Leia Pleonasmo.

Agora que você já sabe tudo sobre Figuras de Sintaxe, leia também:

Exercícios

Indique quais as figuras de sintaxe foram utilizadas nas frases abaixo.

  1. Cansado estou eu.
  2. Na rua, apenas crianças brincando.
  3. Lavei, passei, arrumei, adormeci sem que desse por isso.
  4. Vamos arregaçar as mangas, vamos à ruas, vamos lutar.
  5. Falei, e expliquei, e conversei.
  6. Estas provas, não sei o que dizer do resultado.
  7. Todos aplaudimos a atuação.
  8. A minha palavra não volta atrás.
  9. Ela preferiu ficar em casa; ele, sair.
  1. Inversão
  2. Elipse
  3. Assíndeto
  4. Anáfora
  5. Polissíndeto
  6. Anacoluto
  7. Silepse
  8. Pleonasmo
  9. Zeugma
Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.