Independência da Índia

Juliana Bezerra

A independência da Índia foi alcançada em 15 de agosto de 1947 após um longo processo de lutas.

Os britânicos deixaram um país dividido em duas nações: Índia e Paquistão.

Colonização Inglesa na Índia

A Índia sempre foi um atrativo para os povos vizinhos. Suas riquezas naturais e a fertilidade do seu solo atraíam invasores.

Ali conviviam milhares de etnias, separadas por religiões e idiomas diferentes, além do sistema de castas, que tornava a sociedade rigidamente hierarquizada.

Com a chegada do Império Mongol muçulmano e os europeus, no século 16, a história deste subcontinente mudaria.

Em 1600 chegam os representantes da Companhia das Índias Orientais, inglesa, a fim de comercializar com os indianos. Um século mais tarde, já tinham enclaves em Bombaim, Madras e Calcutá.

Os franceses também tentaram ocupar o território, mas foram expulsos pelos ingleses, em 1755. Assim, os britânicos vão anexando províncias do Punjab e Déli até se declararem senhores da Índia.

No entanto, a colonização não foi pacífica, com resistências como a Revolta dos Cipaios. Somente em 1877, a Rainha Vitória é proclamada Imperatriz das Índias.

Começava, assim, a colonização completa com a importação de instituições britânicas ao território indiano.

Colégios para ambos os sexos, universidades, serviço de correios e telégrafos, estradas de ferro, clubes aristocráticos, etc.

Igualmente, o Reino Unido levou para a Índia seu idioma, o que lhes deu uma língua comum, num país onde contabilizam mais de 200 dialetos.

Na verdade, haveria sempre duas índias durante a dominação britânica:

  • a Índia administrada pelos ingleses, da capital, Nova Déli;
  • a Índia dos 565 principados, onde cada um era dominado por uma família nobre que tinha o total controle sobre seu território.

Esses marajás, rajás e príncipes, vão admirar o poderio inglês. Assim, concedem o poder de defesa e da política exterior aos ingleses contando que estes se mantivessem à margem de seus assuntos internos.

Diversidade Religiosa

Na Índia convivem várias religiões como a bramânica, jansenista, budista, siquista, hinduísta e muçulmana. Essas duas eram majoritárias e completamente distintas entre si.

Os muçulmanos, que eram a elite durante o Império mongol, viram os britânicos como ameaça ao seu sistema educativo e à sua religião.

Por sua parte, os hindus aceitaram a educação britânica e se transformam no principal esteio da dominação inglesa, participando como funcionários da administração colonial.

Leia mais:

Processo de Independência

Nehru e Gandhi

Nehru e Gandhi: os dois líderes da independência da Índia

No entanto, a educação recebida por esta elite hindu, se torna uma faca de dois gumes. Os mesmo hindus que se formaram nas universidades inglesas vão se dar conta que estão servindo ao dominador e traindo o povo a qual pertencem.

Esses universitários fundam o Congresso Nacional Indiano, em 1885, com o apoio dos liberais britânicos e vão questionar a ocupação inglesa.

Surgem lideranças como Gandhi, um advogado, que vai percorrer o país pregando uma revolução não-violenta contra os ingleses.

Existiam aqueles que primeiro desejam uma auto-determinação mínima e formar parte do Império Britânico.

Outros, com o Partido Nacional do Congresso, de Nehru e Gandhi, percebem que o colonialismo deve acabar e a Índia se tornar um país independente.

Política de Não-Violência

Após a Primeira Guerra Mundial, as questões da dominação colonial ficam mais claras. Por isso, Gandhi lidera três grandes campanhas anti-britânicas:

  • 1919 – Greve Geral de vários setores como transportes e limpeza;
  • 1920 e 1922 – Resistência pacífica: não colaborar com os ingleses como não votar;
  • 1930 e 1934 – a desobediência civil: consiste em transgredir as leis. A mais famosa delas talvez seja a Marcha do Sal onde Gandhi, acompanhado por seus seguidores, recolhe sal de uma salina e o vende, algo que estava proibido aos indianos, e é preso.

Por sua participação nesses atos, Gandhi passará vários períodos na prisão junto com outros líderes políticos indianos. Entre eles, Nehru, que se tornaria o primeiro-ministro da índia independente, além de fundar uma dinastia de políticos.

Mais tarde, em plena Segunda Guerra Mundial, a ruptura entre o povo indiano e os ingleses chegou ao limite. O governo britânico sabia que a independência da Índia seria uma questão de tempo e resolveu estabelecer uma saída negociada.

A descolonização da Índia deve ser entendida no contexto pós-guerra quando se passou a considerar inaceitável colonialismo.

Para isso, um nobre inglês, Lord Louis Mountbatten é escolhido como vice-rei da Índia a fim de conduzir o processo de emancipação.

Duas grandes correntes se formaram: a primeira, defendida por Gandhi, advogava por uma Índia unitária.

A segunda, reivindicada pelos muçulmanos, liderados por Muhammad Ali Jinnah, pediam um estado independente, que se chamaria Paquistão. Os principados que eram independentes teriam que escolher a qual dos países gostariam de pertencer.

Apoiados pelos britânicos, a segunda proposta venceu. Isto causou um caos no país, pois milhares de muçulmanos deixaram suas terras para se dirigir ao futuro país.

Por outro lado, os hindus fizeram o mesmo. Não era raro as duas colunas de imigrantes encontrarem-se caminhando em direção oposta e as provocações terminarem em brigas.

Oficialmente, os britânicos assinalaram a data da independência da Índia para 15 de agosto. No entanto, este dia foi considerado pelos indianos como pouco propício para um acontecimento tão relevante. Desta maneira, a independência foi proclamada na noite de 14 para 15 de agosto.

Gandhi terminaria assassinado por um hindu radical em 1948 que não concordava com sua defesa de uma Índia unida aos muçulmanos. Por sua vez, Nehru se elegeu primeiro-ministro e foi o político que mais tempo permaneceu neste cargo, de 1947-1964.

Conclusão

Mapa da Índia independente

Mapa da Índia independente: em laranja o território disputado da Caxemira

A Índia hoje é um dos países mais povoados do planeta. A população é diversificada e dividida em milhares de etnias, religiões e línguas.

O país convive ainda com os problemas deixados pelos ingleses, como a questão da fronteira entre Índia e Paquistão que disputam a região da Caxemira. Na década de 60, a China também se somou ao conflito.

Na década de 70, o Paquistão Oriental se denominaria Bangladesh.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.