Região Sul


A Região Sul do Brasil ocupa uma área de 576.774.310 km², o que corresponde a 6,76% do território brasileiro.

É a menor das regiões do País e a única das regiões fora da Zona Intertropical. Faz fronteira com o Uruguai, Argentina e Paraguai.

Seu povoamento foi marcado pela presença de imigrantes europeus, entre eles, italianos, alemães, poloneses e ucranianos, que deixaram marcas de suas culturas, notadamente na arquitetura, na culinária e nas danças da região.

Os três estados da Região Sul e suas capitais são:

A indústria do vinho é hoje uma importante fonte de renda para a região. Gramado e Canela, na Serra Gaúcha, com baixas temperaturas, são relevantes centros turísticos.

A Região Sul concentra uma área industrial significativa, que se estende de Curitiba (PR) até Blumenau em Santa Catarina e outra área que se prolonga de Porto Alegre, para o norte, tendo como centro a cidade de Caxias do Sul (RS).

O estado de Santa Catarina é o maior produtor nacional de ostras e mexilhões cultivados em grandes parque aquícolas.

A Catarata do Iguaçu, formada pelo rio do mesmo nome, com 275 quedas d'água, localizada no Parque Nacional do Iguaçu, no estado do Paraná, é considerada Patrimônio Natural da Humanidade.

A Ferrovia Curitiba - Paranaguá, localizada na Serra do Mar, construída em 1808, numa área de Mata Atlântica, é um dos mais importantes percursos turísticos da região.

Complemente sua pesquisa lendo também: Estados do Sul.

Região SulA região Sul é a menor do País

História

Até meados do século XVIII, povoavam o território da atual Região Sul, os portugueses e os luso brasileiros.

Foi por volta de 1750, com as Missões Jesuítas que começara a se formar as cidades de São Borja, Santo Ângelo, São Miguel das Missões e São Nicolau, São Luís do Gonzaga, entre outras.

A necessidade de abastecimento de couro e carne para a região das Minas Gerais, incentivou o deslocamento de paulistas em busca do gado selvagem que vivia solto nos estados do sul.

No início do século XIX, as áreas campestres da atual Região Sul, estavam ocupadas por criadores de gado, migrantes de origem paulista e imigrantes açorianos, (das ilhas de Açores a oeste de Portugal), atraídos pela concessão de terras, entraram nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Relevo e Clima

A Região Sul apresenta relevo formado pelo Planalto Meridional, que tem as maiores altitudes da Região Sul, onde são registradas as temperaturas mais baixas e o clima mais chuvoso da região.

Apresenta áreas de serra destacando-se a Serra do Mar, Central e Serra do Sudeste.

Uma grande faixa de terra formada por colinas suaves (coxilhas), drenadas por vários rios e riachos, coberta por gramíneas, formam os chamados Pampas ou Chapada Gaúcha.

O solo dos Pampas, ao longo dos séculos, vêm sendo utilizados para a criação de gado e sofrendo com o assoreamento. Grandes areais se formaram nos municípios de Francisco de Assis, Itaqui, Cacequi, Quaraí e o maior deles o Areal de São João.

Vegetação

A Mata das Araucárias ou dos Pinhas, cobria vastas áreas da região sudeste, era formada também por outras espécies como imbuia, cedro, canela, gameleira, angico, tamboril etc.

Com o desmatamento, para construção de casas, fabricação de móveis e para dar lugar à prática da agricultura, o pouco que sobrou, foi transformado em áreas de preservação ambiental.

A Mata Atlântica, com grande cobertura vegetal primitiva é um importante bioma, que, cobre grande parte da Serra do Mar, que se estende na região.

Nela encontram-se espécies como a figueira, canela, pinho-bravo, embaúba, pau-óleo, ipê amarelo, ipê da serra, carvalho, entre outros.

A região Sul é ocupada também por uma grande extensão de campos. Os campos dos planaltos, que vão do Paraná até o norte do Rio Grande do sul, e os campos da Campanha Gaúcha ou Pampa, que aparecem com uma camada de erva rasteira.

O solo de trechos da Campanha Gaúcha, que vem sendo utilizado para criação de gado desde o século XVIII, sofre com a erosão e a degradação, especificamente no município de Alegrete, com 200 hectares degradados, formando hoje o Areal de São João, considerado o maior da região.

Além de outros areais que se formam nos municípios de São Francisco de Assis, Cacequi, Itaqui, e Quaraí.

Na região do litoral se destacam a vegetação de mangues, praias e restingas.

Pecuária

Na Região Sul, a pecuária desenvolvida de forma extensiva e intensiva, com técnicas modernas, ocupa um importante papel para a economia da região.

A criação de gado bovino de corte, visa abastecer o mercado interno e à exportação. É desenvolvida, em grande escala, a produção de gado leiteiro, um dos melhores rebanhos do Brasil, beneficiando as indústrias de laticínios.

A região é uma das maiores produtoras e exportadoras de suínos e também frangos, com destaque para a cidade de Chapecó, em Santa Catarina, município considerado a capital da agroindústria, onde estão localizadas grandes unidades industriais processadoras e exportadoras de carne de suínos e aves.

Saiba mais em: Pecuária.

Agricultura

A Região Sul desenvolvia a agricultura colonial, destinada ao mercado interno.

Depois dos anos 70, visando a exportação, grandes mudanças foram surgindo: estradas asfaltadas, portos e equipamentos modernizados, expansão da eletrificação rural e os equipamentos de transportes ampliados.

A expansão da lavoura comercial de soja não impediu que a Região Sul continuasse a desenvolver outras agriculturas de grande importância: a erva mate, o trigo, o milho, o café, o arroz, o feijão, alho, cebola, tomate etc.

No Rio Grande do Sul, os imigrantes italianos dedicaram-se principalmente à plantação e industrialização da uva. Hoje, muitas destas regiões se transformaram em cidades importantes, como Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Garibaldi.

Em Santa Catarina , os italianos se dedicavam a várias culturas, formando cidades importantes, como Nova Trento e Nova Veneza.

Leia também: Agricultura.

Industrialização

Grandes indústrias estão instaladas na Região Sul do Brasil, entre elas, a Vivo e a Renault no Paraná; a Bunge Alimentos, a Sadia, a Brasil Foodes, a Weg e a Hering, em Santa Catarina e a Refap e a Renner no Rio Grande do Sul.

No Rio Grande do Sul, o parque industrial se estende entre os municípios de Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo, que é uma das principais áreas de produção de couro e calçados do país.

No parque industrial de Caxias do Sul estão instaladas indústrias químicas e de material transportes, tratores e carrocerias para ônibus.

A produção de vinhos da região começou com a chegada dos imigrantes italianos, que se estabeleceram na Serra Gaúcha. Grandes vinícolas estão instaladas na região, que é responsável por 85% da produção nacional, com destaque para a Serra Gaúcha.

A grande expansão da lavoura, a sua mecanização, na produção de arroz, milho, soja, trigo, tomate, cebola feijão fumo, alho, erva mate, entre outras, fez surgir grandes empresas produtoras de equipamentos e insumos para uso na agricultura.

Leia também: Industrialização e Industrialização do Brasil.

Cultura

A influência dos imigrantes na cultura da região Sul ainda é percebida na arquitetura, na alimentação, nas festas típicas e no modo de produção.

Está em Santa Catarina uma das principais festas germânicas fora da Alemanha, a Oktoberfest, que acontece em Blumenau e reúne milhares de pessoas.

No Rio Grande do Sul acontece o Festival de Gramado, que há mais de quatro décadas reúne os principais nomes do circuito do cinema sul-americano. A rede hoteleira na Serra Gaúcha mantém a tradição dos cafés coloniais, tão típico nas famílias do Sul.

A alimentação está entre as marcas da cultura local, com múltiplas influências. Há a polenta e a minestra, da Itália; a cuca e schmier, trazidas pelos alemães, e a bebida mais tradicional da região, o chimarrão.

Saiba mais: Cultura da Região Sul.

Danças

As danças típicas da região Sul estão entre as principais demonstrações da influência da cultura europeia no Brasil.

Os três estados têm manifestações diferentes da dança que, além dos passos, carregam instrumentos específicos e vestimentas, tal qual a origem.

No Paraná, as principais manifestações são o "pau-das-fitas" o "fandango". O pau-das-fitas é de origem alemã, é caracterizado por um mastro onde são fixadas várias fitas.

Cada dançarino segura uma e vai trançando com os demais enquanto circunda o mastro ao som de violão, acordeão, cavaquinho e pandeiro.

O fandango é herança dos portugueses, assemelha-se à valsa e, além do Paraná, também é encontrado em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul e em São Paulo.

Nessa dança, os bailarinos fazem uma roda e bailam ao som de violas, rabeca e pandeiro enquanto batem palmas.

A "boi de mamão", a "dança do vilão" e a "balinha" são encontradas em Santa Catarina. Boi mamão também é conhecido como bumba-meu-boi e boi-bumbá.

É uma brincadeira também realizada nos estados do Norte e Nordeste. Já a dança do vilão é caracterizada pelo uso de bastões pelos bailarinos que giram, batem e desenvolvem uma coreografia ritmada.

Mais calma é a balainha, em que os casais dançam enquanto seguram um arco de flores. Semelhante às quadrilhas, os casais passam por cima e por baixo dos arcos fazendo uma roda cruzada.

No Rio Grande do Sul, a diversidade de danças típicas é maior. Lá encontramos a "chimarrita", a "milonga", o "vaneirão", a "chula" e o "pezinho". A chimarrita é uma dança típica portuguesa, também semelhante à quadrilha.

Já a milonga se assemelha ao tango, por isso também é comum na Argentina e no Uruguai. É uma dança lenta e que induz ao romantismo, diferente do vaneirão, de movimentos mais rápidos com os famosos "dois pra lá e dois pra cá". Também em duplas é dançado o pezinho. Nessa manifestação, além de dançar, os bailarinos cantam.

A chula é uma dança que somente os homens dançam. Também é chamada de dança do facão porque um facão é deitado ao chão enquanto o bailarino desenvolve uma coreografia à volta tipicamente vestido.

No Rio Grande do Sul encontramos ainda, o chote e o chamamé, que também são encontrados no Paraná e no Mato Grosso do Sul, a marcha, o bugio, a mazurca e a polca. A polca é uma dança theca que exerce forte influência na cultura paraguaia.

Leia ainda: Economia da Região Sul e Estados do Brasil.